Correio Paulinense

Paulínia, 19 de maio de 2024
Ética: a palavra que não faz parte do dicionário de quem utiliza o poder para impor as suas vontades mais vis

Última atualização em 29 de setembro de 2013

[imagem] Mais de 60 dias depois da posse, o novo governo municipal enviou o primeiro e único, até agora, Projeto de Lei para a Câmara Municipal. Trata-se do PL 026/2013, que dispõe sobre o abono de R$ 1 mil (divididos em 4x de R$ 250,00) para o Funcionalismo Público Municipal.  O benefício foi anunciado aos servidores dia 22 de julho passado, mas somente as 17h08min de quinta-feira (26) da semana passada o PL foi protocolado na Câmara Municipal. 
A demora no envio do benefício para regulamentação pelo Legislativo Municipal acabou gerando boatos de que os Vereadores já teriam recebido o abono e estariam “segurando”, ou seja, retardando a votação do mesmo. O mal-entendido foi desmentido pela Câmara e depois o próprio Executivo acabou provando que os vereadores não estavam “segurando” nada. 
Entretanto, quando finalmente o abono chega à Câmara, a Procuradoria Jurídica da Casa detecta uma falha no Projeto de Lei. Numa tentativa de passar por cima da prerrogativa do Legislativo, a quem cabe apresentar um Projeto de Lei próprio para reajustes ou abonos de seus funcionários, o Executivo incluiu os servidores da Câmara em seu PL. O projeto foi devolvido para a Secretaria dos Negócios Jurídicos da Prefeitura corrigir a falha, no mínimo, ÉTICA! 
No mínimo, o Secretário Jurídico Arthur Augusto de Campos Freire deveria ter observado os preceitos éticos que envolvem o funcionamento dos dois Poderes Municipais. Mas, ética é uma palavra que tem passado bem longe do dicionário do governo Moura Junior (pai e filho). Especialmente o Jurídico da atual administração tem dado péssimos e históricos exemplos de falta de ética, em quase todas as ações que necessitam de seu parecer ou intervenção direta. 
A falta de ética atinge também outros setores da administração municipal, inclusive o próprio prefeito Moura Junior (PMDB). Um assessor especial é flagrado trabalhando no Centro Médico de Campinas quando deveria estar trabalhando na Prefeitura e outro está preso por questão de pensão alimentícia. Secretária de Cultura humilha cidadã que queria apresentar o Polo Cinematográfico a um empresário paulistano. Secretário de Habitação deixa centenas de famílias esperando por ele. Diretora de Educação tenta intimidar Vereador. Secretário de Governo articula nomeação de nora para a direção do DAN. Secretário de Segurança deixa o posto de trabalho para acompanhar noiva em audiência trabalhista.
Prefeito promete doar casas que já têm donos, corta subvenção de entidades sociais sem avisar a ninguém, promete ônibus de graça a partir de 1º de outubro e nem sequer manda projeto de lei para a Câmara, nomeia um batalhão de parentes diretos e indiretos para cargos de confiança com salários altíssimos, nomeia dona de empresa envolvida no escândalo do Complexo Rodoviária Shopping e por aí vai…
Com ética ou não, eles “vão bem,obrigado”. Já a população que esperava ansiosamente pelos “dois salvadores da pátria” está amargando, até agora, a maior decepção político-administrativa da história de Paulínia. A multidão que cantava em um coro só “Eu quero ele de volta, eu quero ele de volta” foi calada em tão pouco tempo. Qual será o próximo coro? 
Foro: Adaptada/Internet

<imagem1>67a3d999679abe8ca166eac61d06905e.jpg</imagem1>

<imagem2></imagem2>

<imagem3></imagem3>

<imagem4></imagem4>

<imagem5></imagem5>

<video1></video1>

 

 

Gostou desse conteúdo? Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Rolar para cima