Correio Paulinense

Paulínia, 16 de junho de 2024
SETE CANDIDATOS À PREFEITURA: quem vai até o fim da disputa? Quem vencerá?; “FIÉIS A EM E EMJ” CAEM NA REAL, e a pergunta é: QUEM VAI QUERER O APOIO DE UM SUJEITO QUE ABANDONA O PRÓPRIO GRUPO?

Última atualização em 8 de agosto de 2016

[imagem] Bom diaaaaaaaaaaaaaaaaa, meus amoooooooooores!!! Ufaaaaaaaa!!! Enfim, terminaram as Convenções Partidárias. Misericórdiaaaaaaaa!!! Foram quinze dias de intensas articulações, bastidores fervendo com muuuuuuuuuitos “vai pra lá, vem pra cá”, “coliga com esse, coliga com aquele”, “o vice é fulano, ciclano, beltrano”, “de manhã com um grupo, à tarde com outro”, e por aí vai – tudo, pelas melhores formações políticas, rumo às Urnas 2016.  Hoje, acordamos com os quadros da disputa pela Prefeitura e Câmara da City pré-definidos

Para a Câmara, a previsão é que o número de candidatos ultrapasse a casa dos 200. Já para Prefeito, as Convenções Municipais apontaram 7 pré-candidatos: Pavan (PSDB), com a vice Angela (PRTB); Tuta (PPS), com o vice Palito (SD); Dixon (PP), com o vice Caprino (PRB); Roberto Yamada (PSOL), com a vice Ivone Zanichelli; Daniel Messias (PCO), com o vice Isaias Soares; Kielson Prado (PMB), com o Vice Layla Hubner (leia matéria sobre os prefeitáveis). Resta saber quantos irão até o fim da disputa e, claro, quem será o vencedor. A corrida começa terça-feira (16) da próxima semana e promeeeeeeeeete muuuuuuuuuuuito
A última semana política terminou com a baphônica Convenção do PMDB da City, no Íbis Hotel (leia). Peemedebistas de longas data_horas colocaram seus melhores ternos, senhoras foram ao salão caprichar no visual, filiados e pré-candidatos com os corações acelerados, todos à espera da grande noite e, claaaaaaaaaaro, preparados para recepcionar, de pé e com todos os aplausos do mundo (como sempre fizeram), o ex-prefeito e líder deles Edson Moura. Frustração e revolta geral.
Moura foi direto para Sumaré, prestigiar a confirmação de Luiz Dalben (PPS), atual vice-prefeito e filho do vereador e ex-prefeito Dirceu Dalben, na disputa pela Prefeitura da City vizinha. Ele, a esposa Nani Camargo, e o filho Moura Junior estavam na primeira fileira do palco dos Dalben, enquanto seus seguidores peemedebistas, no Íbis Paulínia, sentiam na pele o desprezo e a falta de consideração do homem que tanto “idolatraram” e defenderam, durante muuuuuitos anos. Até os mais fanáticos mouristas estão em choque, até agora.
Com o episódio no Íbis, o grupo “Fiéis a EM e EMJ”, no WhatsApp, bomboooooooooou de desabafos, protestos, e depois foi se esvaziando. Segundo informações, até ontem (7), apenas cinco mouristas permaneciam no grupo. Mensagens vazadas por integrantes do próprio grupo mourista no “zap, zap” demonstram claramente o sentimento de abandono e indignação, que tomou conta da maioria absoluta. “Diante dos últimos acontecimentos, irei me retirar do grupo de cabeça erguida, porque fiquei firme até o final”, desabafou Daiane Cunha, esposa do ex-pré-candidato Sanzio Rodrigues, que também se pronunciou no grupo: “É assim, nunca crie expectativas em cima de pessoas e como diz a Bíblia maldito é o homem que confia no outro”, escreveu ele.  
“Gostaria de ouvir nossa amiga querida, Simone Moura”, escreveu o famoso “Dom Galdino”. Poucos minutos depois, Simone postou no Facebook que perdeu o celular. Eita “perda” providencial (gargalhaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaadas). 
“Estamos a 10 dias da campanha municipal…e deixar tudo e todos falando sozinhos… é certo? Tinha pré-candidatos a prefeito e famílias aguardando. Estou horrorizada diante de todos esses fatos”, protestou Bárbara Caputti. Cícero Brito, um dos pré-candidatos a vaga de prefeito do PMDB, revelou que quase assumiu a “bronca”, para defender o nome do PMDB. “Fiquei muito tentado a ser o candidato, só que não dá pra gente ir para uma candidatura sem a mínima condição. Pensei em ir, por causa do nome do PMDB”, disse ele. O também ex-secretário municipal de Segurança acrescentou que “o erro do PMDB foi ficar dependendo somente de uma pessoa”. 
Rogério Douglas Pedro de Souza, o Roger Dance, um dos mouristas mais “fiéis”, entre os “fiéis”, também rasgou. “Que isso sirva de lição para todos nós. Provavelmente, o PMDB ficará como figurante nos próximos quatro anos, mesmo. O Edson Moura e Edson Moura Junior há muito tempo não conversa conosco. Depois da queda da nossa administração, era o momento chave para chamar o pessoal, dá uma palavra, um direcionamento, o que não houve também. Infelizmente é o que temos hoje. Tínhamos grandes guerreiros do nosso lado, ao lado do PMDB, e hoje não temos mais.  O que foi feito para ser mantido esse grupo aqui, de maneira positiva, durante todo esse tempo? O que a gente viu foi só silêncio, só silêncio. Os líderes políticos (EM e EMJ) não chamaram para conversar, não agregaram, não traçaram uma estratégia. De 2012 para cá, o negócio veio descendo ladeira abaixo, sem freios. É lamentável”, disse ele.
Agora, chegou a minha vez de rasgar. A desprezível postura política de EM e EMJ, além de deixar seus seguidores profundamente magoados e indignados, decretou a falência total do PMDB Paulínia, que já foi o maior e mais importante partido político da city. Para não ficar, pela primeira vez, fora de uma disputa municipal a saída do PMDB, anunciada no início da noite deste domingo (7), no Facebook do partido, foi lançar para prefeito Adriano Moura, primo de Moura, e para vice-prefeito William Rodrigues, ex-diretor de Museu no governo Moura Junior.

No mínimo, o presidente Anízio Trindade conseguiu, como pretendia, “salvar” a chapa de vereadores, isso se ainda resta algum pré-candidato disposto a disputar pelo partido, depois de tuuuudo. Na boa, a saída imediata de Moura e Moura Junior do PMDB, além de necessária, seria uma atitude nobre da parte de pai e filho. Somente livre deles, o partido terá condições de ressurgir das cinzas e escrever uma nova história, na city. 
Agora, pensem comigo: QUEM VAI QUERER O APOIO POLÍTICO DE UM SUJEITO QUE ABANDONA O PRÓPRIO GRUPO, RESPONSÁVEL PELA PERMANÊNCIA DELE NO PODER, DURANTE 16 ANOS? A resposta incontroversa é: NINGUÉÉÉÉÉÉM!!! Então, esse negócio de dizer que Moura estaria (POLITICAMENTE) por trás de “fulano, beltrano ou ciclano” é coisa de cabos eleitorais, de todos os lados, defendendo interesses individuais, atuais e futuros – nada mais do que isso. Ao contrário dos mouristas abandonados sexta-feira (5), no Íbis, muuuuitos outros acordaram faz tempo e migraram para novos grupos, como reza a democracia. 
Por isso, não se pode confundir líderes com seguidores ou vice-versa. Cada um é cada um. O seguidor do grupo “A” ter ido para o grupo “B” não significa que o líder também foi junto, ainda mais um líder como Moura, que fez o que fez com essas pessoas. Para mim, a verdade é lógica e límpida, só não enxerga quem não quer: MOURA PAI NÃO APITA MAIS NADA NA POLÍTICA LOCAL. Pode até aparecer em pesquisas, ainda ter seguidores aqui ou acolá, influenciar um ou outro ignorante político, mas mandar no destino político-administrativo de Paulínia City, como sempre mandou, jamé!
Agora, o negócio é o seguinte: os grupos que disputarão os próximos mandatos, tanto na Prefeitura, como na Câmara, que apresentem à população eleitora projetos reais, viáveis e mais verdadeiros, do que eleitoreiros. A porta para a mudança está escancarada e que, a partir do próximo dia 16, quando começa a campanha oficial, os candidatos a Prefeito da City não queiram subestimar a inteligência do eleitor, com planos de governo estapafúrdios e fantasiosos, como foi o do PMDB, nas Eleições 2012. Quem seguir essa linha vai receber um NÃO tamanho família, nas urnas ah, se vai!!!
Por hoje, chega. Uma semana meeegaaaaaaa produtiva, alegre, e, acima de tudo, ABENÇOADA E GUIADA POR NOSSO PAI CELESTIAL. Beeeeeeeeeeeijos e abraaaaaços!!! Au revoir!

<imagem1>1d8d8d6e915f5f72a2b9b6c4b7a7bffe.jpg</imagem1>

<imagem2>1d8d8d6e915f5f72a2b9b6c4b7a7bffe.jpg</imagem2>

<imagem3>fc6e3117870b59c1ec7f3eba0610c6dd.jpg</imagem3>

<imagem4></imagem4>

<imagem5></imagem5>

<video1></video1>

 

 

Gostou desse conteúdo? Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Rolar para cima