Correio Paulinense

Paulínia, 25 de maio de 2024
PT anuncia que vai disputar eleição “fora de época” para prefeito

Última atualização em 18 de novembro de 2018

No próximo dia 14 de dezembro, o Partido dos Trabalhadores (PT) vai escolher candidato ou candidata para eleição suplementar à Prefeitura de Paulínia, que deve ocorrer no primeiro trimestre de 2019. É o primeiro partido a noticiar participação no pleito “fora de época”, anunciado pelo juiz eleitoral da cidade, Carlos Eduardo Mendes, no último dia 7, após o então prefeito Dixon Carvalho (Progressistas) ter o mandato cassado e Du Cazellato (PSDB) assumido interinamente o cargo. 
Pelo estatuto do PT, poderão disputar a vaga de pré-candidato do partido ao cargo majoritário os filiados inscritos previamente, com tempo mínimo de filiação de seis meses, que estejam quites com as contribuições financeiras e tenham o apoio de pelo menos outros oitos filiados. Já para votar é necessário estar filiado há mais de um ano e, também, em dia com a contribuição partidária. “Demais filiados e parlamentares do PT podem participar como convidados, com direito a voz”, informa o Diretório Municipal, presidido por Paulo Roberto Paes.
Plano de Governo
Segundo a vice-presidente municipal, Edna da Silva Della Nina, o PT quer construir um plano de governo com a população paulinense. Para isso, vai lançar o projeto “Paulínia que o Povo Quer”, um sistema de consulta direta para coletar as demandas da população. “A consulta não se restringe a filiados. Isto porque o Programa de Governo precisa contemplar as expectativas de toda a população da cidade”, explica.  
Disputas
O Partido dos Trabalhadores (PT) concorreu cinco eleições para Prefeito de Paulínia. O primeiro candidato do partido ao Executivo Municipal foi o professor Élcio Duarte, em 1996. O petista terminou em terceiro lugar na disputa contra José Pavan Junior, à época no PFL, e Dude Vodevello (MDB), eleito.
Em 2000, lançou Custódio Campos contra Edson Moura (MDB) e José Pavan Junior, ainda no PFL, e, novamente ficou na terceira posição. Moura derrotou os adversários, conquistando o segundo dos três mandatos que teve na cidade. 
Nas três eleições seguintes, o PT disputou a prefeitura com Dixon Carvalho, que perdeu para Edson Moura (2004), José Pavan Junior (2008) e Edson Moura Junior (2012). O partido não lançou candidatura em 2016, quando o progressista e ex-petista venceu a disputa. Dixon foi expulso do PT, em 2012, após uma acusação de pedofilia contra ele vir à tona. 
CORREÇÃO: Segundo o ex-vereador Custódio Campos, o PT disputou oito vezes a Prefeitura de Paulínia, e não cinco, como afirmamos acima. Além do professor Élcio, o próprio Custódio Campos e Dixon Carvalho também concorreram pela legenda Adalberto Leal (1985), Alcides Barrios (1988) e Maria Ildete (1992).

Câmara
O PT de Paulínia teve representação no Legislativo durante oito anos. O primeiro vereador, Custódio Campos, foi eleito em 2008 e reeleito em 2012, quando o partido conseguiu eleger seu segundo parlamentar: o advogado João Mota, hoje, filiado ao PV (Partido Verde). Ambos perderam a reeleição em 2016.

Foto: Divulgação 

<imagem1>partidodostrabalhadoresdepaulínia.jpg</imagem1>

<imagem2></imagem2>

<imagem3></imagem3>

<imagem4></imagem4>

<imagem5></imagem5>

<video1></video1>

 

 

Gostou desse conteúdo? Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Rolar para cima