Correio Paulinense

Paulínia, 19 de maio de 2024
FUNARO PODE TER OPERADO MILHÕES DESVIADOS DE PAULÍNIA: o doleiro e um ex-prefeito da city brigaram pela “partilha” dentro do gabinete!

Última atualização em 30 de outubro de 2017

Booooooooooooooooooooa noooooooooooooite, meus amoooooooooooooooooores. “E a notícia de ontem (dia 26)? Deve ter gente sem dormir, neh?”, me perguntou um amigo, pelo zap, sobre a matéria do pedido de prisão preventiva do MPF (Ministério Público Federal) contra um ex-prefeito e um ex-secretário municipal da city,  Segundo fonte do Correio, as preventivas foram solicitadas quinta-feira (26) e ainda estão sendo analisado pela Justiça Federal. “Acho que sim, doutor”, respondi sorrindo, mas o caso é mais grave do que se pode imaginar. Três anos de investigação, mais de 60 pessoas envolvidas numa impressionante variedade de crimes com o dinheiro público, os quais, pelo visto, não ficarão impunes.
À medida que vou recebendo as informações, cresce a sensação que, politicamente falando, o queixo de Paulínia tombará, como nunca, quando certos segredos dos bastidores do poder municipal vierem à tona. São muitos fatos e personagens de vários setores públicos e privados envolvidos. Um dos personagens que aparece na “Sixty List” é o famoso doleiro Lucio Funaro, preso e levado à Curitiba pela Operação Sépsis, em julho do ano passado. Segundo a Lava Jato, Funaro foi operador do ex-deputado Eduardo Cunha, que também está preso na capital paranaense.
Segundo apuramos, Funaro teria operado alguns milhões desviados dos cofres públicos de Paulínia. Por ainda não ser famoso, à época dos fatos, o doleiro esteve algumas vezes por aqui sem despertar curiosidade. Quem o viu esperando na antessala do gabinete ou subindo pela entrada privativa do Paço Municipal, pensou tratar-se de mais um “engravatado” para falar com o então prefeito da city. Mas, numa ocasião específica, doleiro e prefeito se desentenderam seriamente sobre a “partilha”, e, o bicho pegou, li-te-ral-men-te. A segurança institucional do ex-prefeito foi chamada para conter e tirar Funaro do recinto. Teve até arma em punho. Uma fonte que fez parte da então administração municipal também me relatou o episódio.
Depois disso, o então prefeito escalou um de seus secretários mais próximos para uma reunião com o doleiro, em um escritório na Avenida Brigadeiro Faria Lima, na Capital. A missão do “enviado especial”:  aparar as arestas, e, claro, acertar as contas para evitar o pior. Desvio de dinheiro no Pauliprev, licitações fraudulentas de merenda e uniforme escolar, milhões em notas fiscais de serviços que nunca foram prestados ao município, factoring que lavava dinheiro do grupo do então prefeito, e, notável empresário mineiro distribuindo dinheiro de propina são alguns dos ingredientes que, segundo nossa fonte, transformaram Paulínia City em um paraíso de corrupção sem precedentes.
Pasmem! Um dos alvos da investigação do Ministério Público Federal (MPF) continua cobiçando o dinheiro do Pauliprev, mesmo trabalhando, atualmente, em outra cidade. Essa gente não tem freios, ou é todo mundo louco, só pode.  
Pois é, meus amores é preciso acompanhar cada capítulo, cada desfecho, afinal, não resta dúvida que uma das páginas mais importantes da história político-administrativo de Paulínia está por vir. Uma página que, certamente, mostrará como uns e outros trataram e tratam o dinheiro público da city, sempre partindo da velha e equivocada premissa do “isso não dá em nada”. A Lava Jato  está mostrando que não é mais bem assim, e,  que o buraco, a cada dia, é muito mais embaixo.
Como tem ex-secretário municipal envolvido nessa lama, lembrei que em 2014, na gestão do ex-prefeito Edson Moura Junior (PMDB), alertei o titular de uma importante pasta sobre o perigo de ele assinar tudo que lhe pediam. À época, fiquei sabendo que o mesmo não gostou muito e me chamou de pretensioso. Tempos depois, ele se viu enroladíssimo, e, quem o mandou assinar sequer atendia mais seus telefonemas. Pois é, pois é. Então, deixem-me ser pretensioso, de novo, dessa vez com todos os atuais Secretários Municipais da gestão Dixon Carvalho (PP). 
“Senhores, todo o cuidado do mundo é pouco, quando se trata de coisa pública. Não assinem qualquer coisa que possa lhes trazer consequências morais e judiciais gravíssimas. A IDEIA QUE SECRETÁRIO LEAL É AQUELE QUE ASSINA TUDO O QUE O CHEFE LHE PEDE É UMA TREMENDA ROUBADA. Não se permitam ser usados ou manipulados para atender interesses superiores, pois, o fim desse filme é um só: O PESSOAL DO ANDAR DE CIMA dá uma baita banana para todo mundo, e, quem assinar errado que se lasque, corra atrás do prejuízo, pague advogados do próprio bolso e tentem escapar dos tribunais”. É assim que funciona. Só não enxerga quem não quer. 
Por hoje, é só. Que a nossa semana seja MUITO ABENÇOADA E PROTEGIDA POR NOSSO PAI CELESTIAL. Muuuuuuuuuitos beeeeeeeeeeeeeeeijos e abraaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaços. Au revoir!!!

Foto: Internet/Reprodução

<imagem1>luciofunaro_casoPaulínia.png</imagem1>

<imagem2></imagem2>

<imagem3></imagem3>

<imagem4></imagem4>

<imagem5></imagem5>

<video1></video1>

 

 

Gostou desse conteúdo? Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Rolar para cima