Correio Paulinense

Paulínia, 22 de abril de 2024
FESTA DAS CRIANÇAS NO PAZETTI tem como “atração” ex-prefeito EDSON MOURA: Eleição 2020?; Dixon volta a ser julgado segunda-feira (15), mas ainda está longe de deixar o cargo

Última atualização em 12 de outubro de 2018

Boooooooooooooooooooooooooooo taaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaarde, meus amoooooooooooores!!! Ainda estamos vivendo o clima da eleição nacional, com a campanha do segundo turno entre Bolsonaro (PSL) e Haddad (PT), mas a municipal de 2020 já começa a dar seus primeiros sinais, pelo menos, em Paulínia City. A festa em comemoração a esse Dia das Crianças no Residencial Pazetti está bombando nas redes sociais, por conta da presença do casal Edson e Nani Moura
Acompanhado do eterno aliado Bonavita (PTB), o ex-prefeito da city foi o centro das atenções, e, muitos acreditam que ele estará na disputa pela sucessão do atual Dixon Carvalho (Progressistas).  Negativo. Pelo menos, diretamente não. Enquadrado na lei da Ficha limpa desde 2012, o baiano ainda tem alguns anos de inelegibilidade para cumprir e não votou na eleição nacional deste ano porque está com o titulo suspenso pela Justiça Eleitoral
Além disso, no ano passado, a Justiça Federal condenou Moura a mais de 14 anos de prisão, em regime fechado, por associação criminosa (LEIA). O processo corre em segredo de justiça. Ele recorre da condenação, que se for mantida em segunda instância será mais um empecilho para o retorno dele à política local. Nesta ação, também foram condenados seu filho e ex-prefeito Edson Moura Junior (MDB), Arthur Augusto Campos Freire (ex-secretário dos Negócios Jurídicos) e os empresários Ernesto Donizete Moda e Carlos Alberto Macedo Barboza.
Aos 68 anos, completados dia 2 de fevereiro último, o baiano está com seu patrimônio quase todo bloqueado pela Justiça, já perdeu muitos bens, dizem até que enfrenta sérias dificuldades financeiras, mas com seu indiscutível carisma Moura é mantido por muitos seguidores no posto de “Melhor Prefeito da City“. Sim e não. No contexto geral, sem sombra de dúvida, o emedebista colocou Paulínia no cenário nacional, positiva e negativamente falando. Teve a sorte de assumir a prefeitura – pela primeira vez –  logo no ano (1993) em que a Replan começou a pagar impostos, fazendo de Paulínia uma das cidades mais ricas do país. 
Com o cofre municipal abarrotado de milhões, tratou de se eternizar na memória popular, por meio de obras que se tornaram verdadeiros cartões postais ou tristes exemplos de desperdício do dinheiro público. Tinha tudo para merecer com louvor e sem reticências o cinturão de melhor administrador de Paulínia, mas se perdeu pelo egocentrismo, megalomania, arrogância e, principalmente, ambição desmedida.
Desde que deixou o poder em 2009, vive dizendo para os amigos que não quer mais saber de política, porque já cumpriu sua missão com Paulínia. Em 2012, depois de manter-se na disputa com o espirituoso Pavan (PSDB), mesmo sabendo que estava barrado pela Lei da Ficha Limpa, Moura renunciou um dia antes da eleição à candidatura para o filho Moura Junior (MDB), que ganhou mais não levou, inicialmente.

O herdeiro teve o registro de candidato indeferido e depois liberado pela Justiça Eleitoral. Assumiu em julho de 2013, mas foi cassado em fevereiro de 2015, depois que o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) julgou  sua eleição uma fraude (arquitetada e executada pelo pai).

Agora, Moura está de volta ao cenário político local, segundo informações, disposto a realizar mais uma façanha: fazer sua mulher, Nani, a PRIMEIRA PREFEITA DE PAULÍNIA. Será que o filme político  “VOTE EM UM E LEVE DOIS” de 2012 estará de volta em 2020? Na festa das crianças no Pazetti, hoje, ela apareceu vestida de preto e branco, as mesmas cores usadas pelo marido há muitos anos. Jovem, bonita e simpática, ela sempre gostou de política, desde que morava em Sumaré, mas administrar uma city como Paulínia são outros quinhentos. Por outro lado, com a gestão que o atual prefeito vem fazendo e com os prováveis nomes que temos para 2020 não duvido nada que Nani acabe emplacando. 
Se depender dos fiéis seguidores de Moura, no mínimo, a possível candidatura da esposa dele será uma realidade no próximo pleito municipal. Um passarinho me contou que a festa de hoje, no Pazetti, só foi possível graças à “vaquinha” feita por mouristas para garantir a diversão da garotada. A contribuição, segundo apurei, foi de R$ 15,00 por pessoa. Oportunismo político à parte, o importante é que os baixinhos brincaram, ganharam presentes e fizeram a festa. 
Já uma gaivota me contou que Moura andou conversando, recentemente, com o ex-candidato a prefeito e presidente do PPS municipal, Tuta Bosco. A pauta teria sido negócios no ramo de petróleo, onde ambos atuam, mas falaram, também, sobre a sucessão municipal de 2020. Tuta (PPS), terceiro colocado na disputa 2016, com quase 14 mil dos votos válidos, antecipou recentemente nas redes sociais que vai disputar o lugar de Dixon (Progressistas). 
E, por falar em Dixon, segunda-feira (15) o TRE (Tribunal Regional Eleitoral) deve julgar os embargos declaratórios no processo de cassação do progressista, mas, ao contrário do que muita gente pensa, ele não deixará o cargo no dia seguinte. A decisão dos embargos precisa ser publicada no Diário Oficial do TRE, Dixon ainda tem direito a recurso especial, agravo regimental e, só depois, é que corre o risco de “vazar” da Prefeitura, caso não consiga liminar (decisão provisória) para permanecer no cargo, até o julgamento final do caso em Brasília (TSE).  
Meus amooooooooores, um excelente e abençoado feriadão para todos. Um beijo tamanho do mundo para todas as crianças e que PAPAI DO CÉU as proteja e abençoe seeeeeeeempre!!! Au revoir!!!

Foto: Facebook/Reprodução

<imagem1>edsonmoura_ricardosantana.jpg</imagem1>

<imagem2></imagem2>

<imagem3></imagem3>

<imagem4></imagem4>

<imagem5></imagem5>

<video1></video1>

 

 

Gostou desse conteúdo? Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Rolar para cima