Correio Paulinense

Paulínia, 22 de maio de 2024
Feio! ADMINISTRAÇÃO PAVAN (PSDB) DIVULGA DADOS INVERÍDICOS SOBRE PAULÍNIA, NO RANKING DAS CIDADES INTELIGENTES: não somos a 1ª em Segurança, Governança, Economia e Urbanismo; A CITY ficou fora das 50+.

Última atualização em 10 de junho de 2016

[imagem] Boaaaaaaaaaaaaaaaaa taaaaaaaaaaaaaaaaaarde meus amoooooooooooores!!!! Eita frio da gota serena! Pela mãe do guarda! Touca na cabeça, cachecol no pescoço, meias nos pés, mas dedos e queixo tremendo feito vara verde. Tá difícil até digitar. Ave Maria! E a meteorologia aponta mais frio pela frente. Socooooorro!!! Ainda bem, graaaaaaaaaças a Deus, as chuvas deram uma trégua, após causar tantos estragos na RMC. Falando nisso, a “velha política”, especialista em distorcer fatos, mentir e enganar, acusa todo mundo de fazer “politicagem” com assuntos sérios, quando a politiqueira (e barata) é a própria. Agora, pois!

Quarta-feira (1), durante o temporal que caiu na city, a estudante Luana Miranda e o motorista Thiago Mariano, leitores queridos, mas que não conhecemos pessoalmente, gravaram e nos enviaram (via WhatsApp e Facebook do Correio Paulinense) imagens da escola estadual Padre Narciso, no João Aranha, e da Rua Ferrucio Ferramola, no São José, tomadas pela água da chuva. Publicamos os vídeos, informando apenas e tão somente os fatos. Pra quê!!! Misericórdia!!! A “velha política” ficou indignada, “pegou ar” e correu para o Facebook, escrever que eu estava fazendo politicagem com o assunto; insinuou que eu havia “filmado” os alagamentos; delirou sobre uma combinação (vereador, jornalista e prefeiturável) para explorar o assunto, entre outras sandices. 
Acima, os nomes dos nossos leitores estão “linkados” às suas respectivas páginas no Facebook, para quem quiser consultá-los sobre os vídeos dos alagamentos. Comigo, a “velha política” sempre cairá do cavalo, do jegue, do jumento, do bode, da cabra, de onde estiver montada (gargalhaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaadas). Tá boa?
Mudando de assunto. Ontem, dia 09, a Assessoria de Imprensa do governo Pavan (PSDB) divulgou o desempenho de Paulínia no Ranking Connected Smart Cities 2016, da respeitada consultoria Urban Systems, em parceria com a Sator. O levantamento aponta as 100 cidades mais inteligentes e também as 50 MAIS + em 11 (onze) setores públicos: MOBILIDADE, URBANISMO, MEIO AMBIENTE, ENERGIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO, ECONOMIA, EDUCAÇÃO, SAÚDE, SEGURANÇA, EMPREENDEDORISMO E GOVERNANÇA
“Cidades inteligentes: Paulínia é 1ª em segurança, governança, economia e urbanismo, diz estudo”, informou a assessoria de imprensa. Sorry! Sinto muito! O ESTUDO NÃO DIZ ISSO. Tive acesso ao levantamento completo, que desmente as colocações informadas pela assessoria de imprensa municipal. Vamos às colocações verdadeiras de Paulínia City, entre as cidades com até 100 mil habitantes: Segurança, 2º Lugar (tanto da região sudeste, como no ranking geral, cuja 1ª foi Ipojuca, láááá no meu Pernambuco); Governança, 13º lugar (a melhor colocada da região sudeste, neste setor, foi Barueri, em 4º lugar); Economia, 7º lugar (a 1ª da região sudeste foi Rio de Janeiro); Urbanismo, 23º lugar (neste setor São Paulo foi a melhor colocada, 3º lugar, da região sudeste). Confiram as imagens desses resultados no Facebook do Correio.
Já nos demais setores pesquisados pela consultoria Urban Systems – MOBILIDADE, MEIO AMBIENTE, ENERGIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO, EDUCAÇÃO, SAÚDE E EMPREENDEDORISMO – Paulínia pontou apenas em Educação, ficando na 31º posição, entre as 50+. Ou seja,  pelo visto, os indicadores paulinenses nas outras áreas levantadas não devem ser nada bons. Por outro lado, no ranking geral do levantamento, Paulínia pulou da 92ª posição, em 2015, para a 71ª, este ano, entre as 100+. FICOU FEIO divulgar dados diferentes dos reais. Ainda bem, que (como sempre fiz) fui checar os números, caso contrário, agora, estaria “pagando micão”, como muitos estão (gargalhaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaadas) e ainda correndo o risco da “velha política” me chamar de mentiroso (gargalhaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaadas).  Se bem que, nesse caso, acho que não chamaria, por conveniência. 
Vejam bem, a nossa amaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaada Paulínia City tem “caixa” suficiente para liderar qualquer levantamento sobre os setores públicos das cidades brasileiras. Analisando todos os dados do Urban Systems, cidades que não têm um terço da arrecadação local estão milhas à frente de Paulínia em vários setores públicos – como saúde e educação, por exemplo. O que impede Paulínia de ocupar o lugar que é seu, por direito e capacidade financeira, é o sistema político-administrativo arcaico que reina por aqui, há décadas. 
A “velha política” arruma uma coisa aqui, maquia outra acolá, e assim vai empurrando a city com a barriga e levando todo mundo no “bico”. Nas duas últimas décadas, Paulínia teve apenas dois importantes e efetivos ganhos. No setor da Educação, o retorno da Bolsa de Estudos, que já beneficiou cerca de 3 mil estudantes. E, no da Promoção Social, o PAS (Programa de Ação Social), que assiste os mais carentes com a bolsa amamentação, renda da família, renda alimentação, tarifa zero no transporte coletivo (aos domingos e feriados), entre outros projetos. Todos os méritos e reconhecimentos ao espirituoso Pavan (PSDB), responsável pela implementação, a partir de 2010, desses programas sociais, que, além de tudo, ainda movimentam a economia local. Bravooooooooooooooo!!!!
Por outro lado, áreas mais do que essenciais, como saúde, educação, transporte, esporte e moradia continuam capengando e às duras penas, não é de hoje. Algumas coisas melhoraram do ano passado para cá, clara e indiscutivelmente. Entretanto, tudo o que “melhorou” ainda está muuuuuuuito longe do patamar que deveria estar. Dinheiro não falta para nenhuma dessas áreas. O problema é que a Câmara aprova um Orçamento e o Executivo pratica outro, durante o exercício financeiro. Por exemplo, os vereadores aprovam “X” para comprar “bobes”, mas o prefeito (esse o aquele) vai e compra “chapinhas”, em vez de “bobes”. Um exemplo real disso foi o remanejamento para outros fins dos R$ 9,2 milhões destinados para construção e reformas de UBSs este ano. E isso acontece em vários setores. É ilegal? Não é...
…A Lei De diretrizes Orçamentárias (LDO) permite o Prefeito remanejar verbas, dentro dos seguintes limites: até 25% de uma secretaria para outra, e até 50% dentro de uma mesma secretaria. Passou disso, só com autorização da Câmara. Porém, mesmo leigo no assunto, tenho observado que o governo, ultimamente, tem remanejado o dinheiro do “programa X” para o “programa Y”, quando esse “programa Y” também tinha dinheiro reservado no Orçamento. Então, criou-se um ciclo vicioso, neste sentido.  Como disse, não sou especialista em finanças públicas, mas entendo que esta “salada” acaba não sendo muito saudável, pois programas importantes para melhorar a qualidade de vida da população acabam ficando para trás e os indicadores sociais sempre deixando a desejar – e muito, em alguns casos. 
Bem, meus amooooooores, por hoje, é só. Um fim de semana mega, hiper, ultra espetacular para todos nós, seeeeeeeeeeempre, guardado e abençoado por NOSSO SENHOR JESUS CRISTO. Muitos beeeeeeeijos e abraaaaaaaaaaaaaços. Au revoir!
Foto: PMP/Divulgação

<imagem1>2b83889023b9512188c386a54f5a2122.jpg</imagem1>

<imagem2>2b83889023b9512188c386a54f5a2122.jpg</imagem2>

<imagem3></imagem3>

<imagem4></imagem4>

<imagem5></imagem5>

<video1></video1>

 

 

Gostou desse conteúdo? Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Rolar para cima