Correio Paulinense

Paulínia, 22 de maio de 2024
Com capacidade abaixo da exigida pela FPF, o “Perissinotto” pode ser a “casa” do Bugre nas Séries A2 do Paulista e C do Brasileiro

Última atualização em 16 de janeiro de 2014

Por Lucas Rodrigues 

[imagem] Bem antes de seu início, a Copa do Mundo deste ano já está agitando o mundo da bola no Brasil, pois os preparativos influenciam em grandes mudanças. Na região o Guarani Futebol Clube terá participação no sucesso da competição mundial. O tradicional time de Campinas cederá o Brinco de Ouro da Princesa para a preparação da Seleção da Nigéria.  

A coluna “Puro Esporte” conversou no início desta noite com o diretor geral do Guarani F.C Marcos Ortiz, sobre o clube disputar partidas da Série A2 do Campeonato Paulista e Brasileiro Série C no Estádio Municipal “Luís Perissinotto”, a partir do dia 29 deste mês. A imprensa esportiva regional divulgou que o “Perissinotto” já havia sido liberado pela Federação Paulista de Futebol (FPF). “Quem afirmou disse uma meia verdade. O correto de se dizer é que houve uma vistoria. Essa inspeção não deixou restrições quanto a parte estrutural, mas a Federação Paulista ainda não aprovou o Guarani mandar os jogos em Paulínia”

Ainda segundo Ortiz, o Guarani tem até o dia 22 deste mês para informar à Federação Paulista em qual estádio deseja atuar como mandante durante a Série A2 do Paulista 2014. Caso o time verde e branco não defina dentro do prazo, a Federação decidirá por si própria a “casa” do Bugre na competição.

Regulamento da FPF, em seu capitulo VI (Da Infraestrutura e Segurança das Partidas), diz que um estádio tem que ter capacidade de abrigar no mínimo 15 mil espectadores. O Estádio Major Levy Sobrinho, de Limeira, o famoso (Limeirão) pode receber aproximadamente 18 mil torcedores e foi citado como um possível nome para ser a casa do Guarani nas competições, enquanto o Luís Perissinotto pode receber apenas 5 mil.
Segundo o site Paulínia News, Ortiz afirmou “estar estudando a implantação de uma arquibancada móvel que seja aprovada pela Federação. Ela seria destinada aos visitantes e teria de 300 a 400 lugares”. Tecnicamente 300 ou 400 lugares não atenderia a exigência da Federação Paulista, tornando-se pelo regulamento impossível o Estádio Municipal “Luís Perissinotto” virar a casa do Bugre, pois pode ocorrer superlotação e consequentemente problemas de segurança. Mas a Federação Paulista está prestes à aprovar uma coisa que seu próprio regulamento impede, ou seja, estará se contradizendo. 
O futebol no século 21 está sendo marcado pela chamada “politicagem”. Neste jogo, muitas vezes quem entra em campo são os interesses de pessoas envolvidas nos bastidores, que através do esporte mais popular do Brasil executam ações que se sobrepõem até a lógica e a matemática.   
A “prova real” é que o clube bugrino está confiante em ter o Perissinotto como “nova casa”, tanto que funcionários do time começaram a trabalhar hoje (16) nas adaptações (pintura do vestiário e arquibancadas, iluminação e manutenção do sistema) do estádio paulinense exigidas pela “vistoria”, para poder receber a equipe verde e branco no Paulista. O término das obras está previsto para o próximo dia 26, ou seja, três dias antes da estreia do Guarani como mandante na Série A2 contra o Grêmio Osasco.
 Fotos: Reprodução/Internet

<imagem1>c09a30d820652b10899ccd843e679d87.jpg</imagem1>

<imagem2></imagem2>

<imagem3></imagem3>

<imagem4></imagem4>

<imagem5></imagem5>

<video1></video1>

 

 

Gostou desse conteúdo? Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Rolar para cima