Correio Paulinense

Paulínia, 20 de julho de 2024
Cazellato ainda não definiu seu candidato, mas está namorando um novo nome: Alexandre Fávaro

Última atualização em 24 de junho de 2024

10 dias após assumir o 1º mandato, dia 4 de outubro de 2019, Cazellato nomeou Fávaro, então presidente da Associação Esportiva Paulinense (AEP), para a pasta esportiva municipal – Crédito: Arquivo

A 103 dias das eleições para prefeito, Paulínia City segue ouvindo apenas pré-candidatas e pré-candidatos da oposição. Tuta Bosco (Solidariedade), Priscilla Bittar (PSB), Dirceu Dalben (Cidadania), Dr. Marquinho (PMB), Nani Moura (Avante), Robert Paiva (União Brasil) e Dr. Lafaiete (PT) não param – e ganham cada vez mais terreno.

No lado governista, a única movimentação continua sendo na lista de nomes para Du Cazellato (PL) avaliar e escolher o candidato mais viável à sua sucessão. Antes de avançar, uma pergunta: será mesmo que o prefeito quer fazer sucessor? Tenho minhas dúvidas! Voltando à lista, o querido Alexandre Fávaro é o mais novo personagem da novela política contemporânea.

No último dia 6, ele entregou o comando da superpasta de Esportes, Cultura, Turismo e Eventos, onde fez um trabalho extraordinário, especialmente no âmbito esportivo. Fontes do governo me disseram que Cazellato enxerga Fávaro na disputa majoritária, seja a prefeito ou vice. Por isso, como secretário municipal, ele teve que desligar-se do cargo, quatro meses antes das eleições, como reza a legislação eleitoral. Mandei um whatsapp para o ex-secretário, mas ele não respondeu.

Apontado como o “preferido de Du”, para o posto de candidato a prefeito da situação, Danilo Barros, ex-secretário de Governo, ainda não decooooolou na preferência popular, segundo pesquisas recentes de intenção de voto. Mas gente, se Cazellato queria tanto Barros como sucessor, por que não trabalhou o nome dele desde o início do mandato, quatro anos atrás? Se assim o mandatário tivesse feito, Barros, certamente, estaria numa posição beeeeeeeeem melhor, afinal, o atual governo voa em aprovação popular. 

Independentemente de acreditar que alguma decisão judicial pode autorizá-lo a disputar mais um mandato de prefeito, Cazellato deveria ter preparado um candidato à sucessão, exceto se nunca teve a intenção de fazer sucessor. Caso não seja o indicado, Barros deve disputar a vereador, cargo que ocupou de 2013 a 2020, tanto que deixou a pasta de Governo dentro do prazo eleitoral – seis meses antes.

Sargento Camargo (Republicanos) segue isolado como o governista mais bem pontuado nas pesquisas eleitorais à Prefeitura da City. Entretanto, o núcleo íntimo do governo Cazellato continua afirmando que o vice-prefeito não tem a mínima chance de ser indicado. Impossível entender algumas maluquices da política! “Mesmo não sendo o escolhido, Camargo sairia candidato a prefeito?”, perguntei a algumas pessoas muito próximas do vice. Umas responderam que sim, outras que não, veementemente!  

Em 26 dias, mais precisamente 20 de julho, começam as convenções partidárias, fase do processo eleitoral em que são definidos os candidatos a prefeito, vice-prefeito e vereador. É o prazo legal máximo que Cazellato tem para acabar com o mistério, apontando um nome.

Falando em nome, o queridíssimo ex-vereador Kiko Meschiatti está na pista eleitoral deste ano como pré-candidato a vereador. Pelo menos é o que ele afirma em um vídeo (assista) que tá dando o que falar nas redes sociais, no qual “explica” a sua visão de “injustiça” diretamente ao vereador Fábio Valadão (PL). “Eu tô voltando”, avisou. Kikão, como também é conhecido, disputou a Câmara duas vezes: em 2012 (suplente com 842 votos) e 2016, quando foi o mais votado com 1.724 votos. Dois anos após assumir, perdeu o cargo em razão de problema judicial bem anterior à vida pública.

E a ex-vice-prefeita Simone Moura também está causando nas redes sociais. Quarta-feira (19), ela postou um vídeo (assista) que é puro suco de deboche político. Lixando as unhas e sem citar nomes, ela alfineta alguns pré-candidatos a prefeito da city. Apoiadora de Du Cazellato (PL), a também ex-vereadora mirou até o tio Edson Moura e a mulher dele, a prefeitável Nani Moura (Avante). “Tem uma que se soltar não sabe nem voltar pra casa. Até porque, pensa que Marcopolo é um bairro de Paulínia, mas não é. Nós sabemos que é marca de um ônibus”, disse ela. Eeeeeeeeita em cima de eita!

Vou ficando por aqui, amooooooooooooooooooores meeeeeeeeeeeeeeeeus! Uma semana abençoooooooooooooooda e guardada por Deus! Beeeeeeeeeeijos e abraaaaaaaços! Au revoir!

Gostou desse conteúdo? Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Rolar para cima