Correio Paulinense

Paulínia, 30 de maio de 2024
Base mourista faz “politicagem” com “CEI da Saúde”, mas, para não se queimar com o povo, se rendeu à proposta de investigar, por exemplo, por que está faltando até tubo de exames na rede.

Última atualização em 16 de outubro de 2013

[imagem] Boa nooooooooooite meus amooooooores. Uma coisa é está na plateia, perdendo os mínimos e mais importantes detalhes. Outra coisa é assistir a gravação e não perder um só detalhe. Ver alguns “pobres coitados” (politicamente falando) desempenhando um papel deplorável em troca de alguns tostões, de uma “marmitex” caprichada no Paulínia Shopping ou um lanche reforçado no Dom Pedro, depois das sessões, “não tem preço”.  Nem quem já tem os cabelos brancos se poupa do ridículo.

Esse pessoal não vai às sessões para defender os interesses da população, como propagam nas redes socais e muito menos representa o povo – nem a pau Juvenal! Os vídeos feitos pelo meu “cinegrafista amador” provam claramente isso.  Esses “pobres coitados” (repito: politicamente falando) são manobrados por um grupo político que não aceita ser confrontado, questionado e muito menos contrariado. O líder-mor parou no tempo, continua se achando soberano e usa a sua plebe rude para fazer o “papel sujo” diante de todos. 

O empresário Zé Nilton interrompeu Edisinho Rodrigues (PPS) com um monte de desaforos. O 1º Secretário da Mesa Diretora falava sobre a CEI da Saúde, quando o pai do Seninha chamou Edilsinho de “sem-vergonha” e insinuou que o vereador só estava no cargo porque “Moura pai teria o ajudado”. Agora me respondam: o que isso tem a ver com o assunto abordado na ocasião (CEI da Saúde) ou com defender o interesse do povo? Por isso que eu digo: esse povo é manobrado por tostões ou sei lá o quê apenas para ofender os vereadores que contrariam os interesses do faraó. É ou não é? 
No meu entendimento se alguém (repito: seeeeeeee alguém) ajudou Edilsinho a chegar à Câmara foi o ex-prefeito Pavan (PSB), que confiou no então secretário da Defesa Civil, até ele renunciar a pasta para disputar a Câmara.  Até nisso esse povo é sem noção (politicamente falando).  O presidente da Câmara, Marquinho Fiorella (PP), chegou a pedir que Zé Nilton fosse retirado do recinto, mas Cícero Brito, o “segurança de luxo” dos defensores do faraó-mor colocou panos quentes e empresário aquietou-se. 
Agora quem roubou a cena, definitivamente, foi o Chefe do Serin da Prefeitura. “Verás que um filho teu não foge a luta” (gargalhaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaadas). Gente, Paulínia realmente não tem somente uma arrecadação rica, mas também “talentos políticos” riquíssimos, dignos da “Menina de Ouro”, que custou dez vezes mais que a estatueta do Oscar americano (gargalhaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaadas). Leia a matéria sobre o “protagonista” da noite, pois tenho assuntos mais importantes para tratar. 
Os professores foram as estrelas do lado bom da sessão legislativa de ontem. Todos os vereadores homenagearam os mestres pelo Dia de ontem e destacaram a importância deles na formação de uma sociedade esclarecida. O vereador Fábio Valadão (PROS) deve ter emocionado as suas duas primeiras professoras, Alaíde e Vitalina, no Porphyrio da Paz. O petista João Mota, além de homenagear, reforçou o coro da Câmara para o prefeito Moura Junior (PMDB) estender o abono integral à todos os professores da rede municipal. Nada mais justo. 
Falando nisso, três assuntos dominaram os debates de ontem na Câmara: o Abono do Funcionalismo Público, a Tarifa Zero e a Comissão Especial de Inquérito (CEI) para apurar o caos na Saúde Pública Municipal.  A legalidade do abono de R$ 1.000,00 (mil reais), divididos em quatro parcelas iguais até 2016, foi aprovada por 12 a 2. Agora, a segunda e última votação (mérito) do projeto 026/13 do Abono deve acontecer na próxima sessão da Câmara, dia 29 deste mês. Isso claro, se Moura Junior (PMDB) responder a tempo os questionamentos feitos pelos vereadores Gustavo Yatecola (PTdoB) e Edisinho Rodrigues (PPS), principalmente sobre os motivos de não conceder o abono integral também aos professores e médicos da city, já que a principal bandeira do atual governo é a valorização de todos os servidores públicos.  
Neste caso, não pude deixar de notar que em vez de “ao prefeito Edson Moura Junior (PMDB)” consta no oficio encaminhado ao atual prefeito sobre as questões levantadas pelos vereadores “ao prefeito José Pavan Junior (PSB) (gargalhaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaadas). Tomara que esse “detalhe” não seja motivo para Moura Junior (PMDB) deixar de responder as perguntas para que o abono, de autoria dele próprio, possa ser votado logo de uma vez. Tomara, pois “O filho teu que não foge a luta” não aguenta outra igual a de ontem (gargalhaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaadas). 
Aliás, o “filho que não foge a luta” foi ao chão (gargalhaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaadas) depois que a Vereadora Ângela Duarte (PRTB) disse que ABONO NÃO É AUMENTO (e é?) e cobrou reajuste dos vales refeição, saúde e transporte dos funcionários públicos. Vejam bem, além de vereadora e advogada, a líder do PRTB na Câmara é auxiliar de enfermagem concursada, há 21 anos, do município. “Aliás, não recebo o salário de Vereadora e sim o de servidora pública. Por isso tenho uma legitimidade a mais para defender todos os interesses dos servidores municipais”, disparou a vereadora. Logo após a fala de Ângela, o “filho que não foge a luta” surtou, começou a esmurrar o alambrado (tá tudo gravado) e ai foi colocado pra fora pela polícia a pedido de Fiorella (PP). 
Pause. A bela Aline Rogério, Assessora CC6 (R$ 4.350,01/mês) da Secretaria de Sanzio Rodrigues (aquele que renunciou a disputa pela Prefeitura pelo PMN para apoiar Moura pai e hoje está no topo do Secretariado), Negócios da Receita, estava o tempo todo sorridente, gritando e aplaudindo o vereadores de seu chefe, Moura Junior (PMDB), de repente, saiu chorando, carregada pelo lindo Ricardo Moreira. O que aconteceu hein? Não me diga que foi teatro também? Vejam bem, não estou afirmando e sim perguntando. Pergunto porque logo em seguida, uma loira que não conheço começou a gritar, perguntando se a Câmara não tinha um departamento médico? Só por isso. 
Voltando.  Finalmente, o vereador Sandro Caprino (PRB) conseguiu falar. Aliás, o presidente Fiorella (PP) botou ordem no recinto e toda vez que a plateia se manifestava durante a fala de um vereador ele interferia. Bravo! Por isso Caprino conseguiu falar. Na hora de falar sobre os Moura e o funcionalismo, Caprino (PRB) se enrolou, dirigindo-se primeiramente ao pai, como o melhor prefeito para os servidores municipais.  “Ele  (o filho) tá começando agora, mas o pai dele sempre cuidou do funcionalismo. O melhor momento do servido foi no governo do pai e será no governo do filho. Vai ter abono e também a data base”, disse o líder mourista na Câmara. Êpaaaaaaaaaaaaaaa!!! Consertar a gafe tudo bem, agora colocar abono e data base no pacote de Moura Junior (PMDB) ai não vale.
É preciso separar as coisas. O aboninho em quatro anos é “obra” de Moura Junior. Já a data base foi instituída pelo prefeito José Pavan Junior (PSB). Tudo bem que Caprino tinha que aproveitar a oportunidade de poder falar sem ser vaiado o tempo todo (só em alguns momentos), mas daí a querer empurrar pro governo que ele defende a data base dos servidores, aí já é querer forçar a barra. Ele mesmo votou a favor da data base na gestão do espirituoso e agora vem querer dá o “golpe” na opinião pública. Ah me poupe. Além da data base, Pavan (PSB) deu aumento de 6% aos servidores. Pode não ter sido o reajuste dos sonhos dos servidores, mas foi um reajuste. E Moura pai que nos dois últimos mandatos não deu nada de aumento? Ou deu? Mostrem, provem? ABONO NÃO É AUMENTO, vou logo avisando. 
A Tarifa Zero não foi tão discutida. Foi derrubada sem muito blá-blá-blá. Os quatro vereadores da base votaram a favor e dez da oposição contra. Pronto. A derrubada do projeto se deu, principalmente, porque Moura Junior (PMDB) prometeu uma coisa ao povo e mandou outra para a Câmara. Ele prometeu ônibus de graça para todo mundo, no dia da posse (16 de julho) e depois mandou uma proposta de “vale-transporte” para famílias com renda de 0 a 2 salários mínimos, cadastrados no programa Socializ. “Voto contra a legalidade do projeto porque não conheço este programa Socializ. Conheço o PAS (Programa de Ação Social) que foi votado por esta Casa”, disse a vereadora Ângela Duarte, que também votou contra o mérito da “tarifa-zero”.
Já a Comissão Especial de Inquérito (CEI) para apurar supostas irregularidades na Rede Municipal de Saúde foi o projeto mais explorado politicamente pelos vereadores seguidores de Moura (pai e filho). O primeiro a falar sobre o assunto foi o autor do pedido da CEI da Saúde, o vereador e 2º secretário da Mesa Diretora Tiguila Paes (PRTB). “A CEI da Saúde não visará prejudicar o passado e muito menos o presente, mas sim contribuir positivamente para o futuro da Saúde Paulinense e é nisso que nós temos de nos apoiar. Independente do governo passado ou atual, o problema na Saúde vem se arrastando há muitos anos e o Poder Legislativo não pode continuar omisso a isso”, esclareceu Tiguila (PRTB).
Mesmo o vereador tendo sido mais claro do que água cristalina em relação ao objetivo da Comissão,   os mouristas Sandro Caprino (PRB), Custódio Campos (PT), João Mota Pinto (PSDC) e Zé Coco (PTB) fizeram de conta que não tinham ouvido e fizeram politicagem em cima da CEI da Saúde. O quarteto orquestrado questionaram a mesma coisa: por que a CEI não foi instalada no governo passado? Custódio foi altamente demagogo ao dizer que se a a CEI tivesse sido instalado há três meses os problemas da Saúde já haviam sido resolvidos. Pela mãe do guaaaaaaaaaaaaaaaadar!
Primeiro, a CEI tem prazo de até 240 dias (OITO MESES) para concluir os trabalhos e este prazo pode ser prorrogado por mais 120 dias. Então, como poderia acontecer o que Custódio ventilou? “Com todo respeito Vereador Custódio, o senhor esteve nesta Casa durante os quatro anos da gestão passada, quando já existiam os problemas saúde. Por que o senhor não pediu uma CEI para apurar os problemas? Foi tempo suficiente para se fazer algo pela Saúde da nossa cidade”, rebateu Tiguila Paes (PRTB). A vereadora Ângela Duarte (PRTB) também questionou Custódio sobre isso, mas ele não respondeu nadica de nada. Por quê?
Caprino foi mais infeliz ainda. Eita povo atrapalhado, até na hora de fazer politicagem com assunto sério. “Falta de médico, de remédio, teto do hospital caindo, filas, contratos superfaturados, contratos não cumpridos”, disse o líder mourista, referindo-se aos problemas da Saúde na gestão Pavan (PSB). Vão lendo. Caprino foi vereador durante sete meses da gestão do espirituoso Pavan (PSB) e assumiu o mandato já programado pelo faraó para descer o sarrafo na Saúde. É só pesquisar as gravações das sessões da Câmara, desde a primeira Ordinária do ano, para comprovar que a Saúde sempre esteve na ponta do líder do então vereador de oposição, hoje situação. Então por que o próprio Caprino não sugeriu a CEI da Saúde na gestão Pavan?

Aliás, do ponto de vista “situação, oposição”era mais papel dele, que fazia oposição ao governo passado, do que qualquer outro. Concordam? “Ah, porque o governo Pavan tinha a maioria na Câmara e a CEI não seria aprovada”. Não importa. O que ia valer para a opinião pública era a atitude de Caprino (PRB). Mas não, ele preferiu ficar só no blá-blá-blá e agir que é bom nada. “Muito mais do que registrar os problemas da Saúde no microfone desta Casa é preciso usar as ferramentas legais que nós, Vereadores, temos disponíveis para enfrentarmos a questão e contribuir para soluções”, disse Tiguila,  que saiu do discurso e foi para a prática. 

Já o vereador Zé Coco (PTB) deu o seu showzinho de politicagem na Tribuna, depois que Tiguila Paes (PRTB) lembrou em seu discurso que o petebista havia assumido o compromisso de ser o primeiro a assinar a CEI da Saúde. Não foi. Zé, foi 11º a assinar. Mesmo após Tiguila explicar que uma CEI tão importante como a da Saúde não podia ser feita “nas coxas”, Zé Coco (PTB) gritou na Tribuna que a Comissão devia ter sido protocolada ainda na gestão Pavan (PSB). Como esses vereadores amam Pavan (gargalhaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaadas). É preciso ter muita paciência, quando alguém não quer enxergar o óbvio. Só por Deus!
Destaque: “O nosso prefeito prometeu colocar a Saúde em ordem dentro de 180 dias. Já se passaram 90, mas ele cumprirá a promessa no restante dos dias que faltam”, assegurou Zé Coco (PTB). Será hein? Será que o tomógrafo do Hospital Municipal já está funcionando? 
A CEI foi protocolada preliminarmente por Tiguila Paes (PRTB) AINDA NA GESTÃO PAVAN. Sem saber que Tiguila havia protocolado, Zé Coco apareceu na sessão ordinária do dia 21 de maio com um Requerimento pedindo a mesma coisa. Ele tentou enquadrar os Vereadores em público pedindo que eles assinassem o documento. Foi um verdadeiro constrangimento para todos, inclusive para o próprio Zé Coco, quando ele descobriu que o seu Requerimento não tinha validade. 
Revoltado com a própria gafe, ele tentou enquadrar o vereador Tiguila Paes (PRTB), querendo praticamente obrigar o colega a fazer o pedido da CEI na mesma sessão. “Traga o seu Requerimento agora que eu quero ser o primeiro a assinar”, quis “mandar” o petebista. “Com todo respeito ao colega Zé Coco, assim que concluir toda a pesquisa sobre os problemas da Saúde e montar o projeto de abertura tenha certeza que irei ao seu gabinete e dos demais colegas pedir o apoio de todos”.  E assim o vereador fez, na semana passada, mas Zé Coco recusou-se a assinar, naquele momento. Vai entender. 
O vereador João Mota Pinto (PSDC) foi no vácuo dos colegas de bancada e repetiu o mesmo discurso politiqueiro, sobre politicagem (gargalhaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaadas). 
Não contente com as trapalhadas, o vereador Sandro Caprino (PRB) exigiu que a CEI apure os problemas da Saúde de 2009 até os dias de hoje. Ai meu tubo viu! A CEI tem prazo para começar e terminar, mas não estipula períodos para apuração. Ou seja, se quiser a Comissão puxa os problemas da Saúde, desde o primeiro dia da emancipação política da city. Capiche? Caprino (PRB) e seus colegas fizeram de conta que não entenderam nada, só para seguir a orientação superior de  “politicar” a “bagaça” – só pode!
Aí, depois de tanta falácia e espetáculos de demagogia, o quarteto, para não se queimar com a população, se juntou aos demais vereadores e aprovam a CEI. Independente do motivo da situação acompanhar a oposição, o que vale é que pela primeira vez na história do Legislativo Paulinense foi instaurada uma Comissão Especial de Inquérito para apurar o que realmente acontece nos bastidores da caótica Saúde Municipal. Hoje está faltando até tubo plástico para exames. Como pode uma coisa dessas? 
Que os cinco membros da inédita CEI arregacem as mangas e trabalhem para melhorar a triste realidade da Saúde e descubram como foram aplicados os recursos da Saúde no passado (independente de períodos), como estão sendo investidos os R$182.314.000,00 (cento e oitenta e dois milhões, trezentos e catorze mil reais) do presente e garantam os R$ 265.577.145,00 (duzentos e sessenta e cinco milhões, quinhentos e setenta e sete mil, cento e quarenta e cinco reais) já previstos para o futuro (2014) sejam realmente aplicados em beneficio da população e não remanejados ou desviados para outros “fins”. Esta será uma oportunidade única para a Câmara Municipal de Paulínia.
Ufaaaaaaaa!!! Meus dedinhos tão frágeis já estão com câimbra (gargalhaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaadas). Vou exercitá-los um pouco e quarta-feira estarei de volta. Que o NOSSO PAI TODO PODEROSO nos conceda uma semana maravilhosa, repleta de paz, amor e realizações. Beijos, abraços. Au revoir!

Fotos: Lucas Rodrigues/CP Imagem

<imagem1>861130caa472bfe263901af0adf622a3.jpg</imagem1>

<imagem2></imagem2>

<imagem3></imagem3>

<imagem4></imagem4>

<imagem5></imagem5>

<video1></video1>

 

 

Gostou desse conteúdo? Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Rolar para cima