Correio Paulinense

Paulínia, 22 de maio de 2024
Após dois anos, reprovação das contas de Dixon volta a andar no TRE-SP

Última atualização em 25 de abril de 2019

Em dezembro de 2016, o então prefeito eleito de Paulínia, Dixon Carvalho (Progressistas), teve a prestação de contas reprovada pela Justiça Eleitoral da cidade. De acordo com a sentença da juíza Marta Brandão Pistelli, Carvalho declarou ter investido do próprio bolso R$ 681 mil na campanha, sem ter capacidade financeira para isso. Ele, então, recorreu da decisão no TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo).
O recurso chegou ao TRE paulista dia 17 de março de 2017. Três dias depois foi distribuído para o desembargador Costa Wagner e no dia 22 encaminhado para análise técnica da Seção de Contas Eleitorais do Tribunal, onde permaneceu até esta quarta-feira (24), ou seja, durante dois anos. 

Em setembro do mesmo ano, o Correio perguntou à Seção quando o caso seria analisado. “Não há previsão de data”, respondeu o setor (LEIA MAIS…). Agora, o processo deve seguir da Secretaria de Controle Interno do Tribunal para o relator do caso, Costa Wagner, que não tem prazo para colocá-lo em julgamento. 

A reprovação das contas provocou algumas ações judiciais eleitorais contra Carvalho, dentre elas, a AIME (Ação de Impugnação de Mandato Eletivo) que cassou o mandato dele e do vice-prefeito Sando Cesar Caprino (PRB), dia 7 de novembro passado, por captação e gastos ilícitos de recursos na campanha de 2016. O caso ainda aguarda decisão final do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), em Brasília. Enquanto isso, o presidente da Câmara Municipal, Antonio Miguel Ferrari, o Loira (DC), segue como prefeito interino do município.

Foto: TRE-SP

<imagem1>TRE.jpg</imagem1>

<imagem2></imagem2>

<imagem3></imagem3>

<imagem4></imagem4>

<imagem5></imagem5>

<video1></video1>

 

 

Gostou desse conteúdo? Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Rolar para cima