Correio Paulinense

Paulínia, 23 de maio de 2024
1ª semana de Dixon (PP): VICE, PAI E SECRETÁRIOS cansaram as canelas; TÁ DIFÍCIL LIBERAR OS CARGOS; “Provocando Iria”; Menina de Ouro x Kikito!!

Última atualização em 9 de janeiro de 2017

Bom diaaaaaaaaaaaaaaa, meus amooooooooooores!!! Já faz um certo tempo que, pagar salário ou saldo de salário virou um “acontecimento” na city – só aqui mesmo. Bastou o prefeito Dixon (PP) ordenar à Caixa o pagamento dos 25% restantes da folha municipal de dezembro para “voluntários,  à espera da tão aguardada nomeação oficial, transformarem “obrigação” de “patrão” (público ou privado) na “graaaaaaaaaaaaaaaaaande notícia”, em texto e áudio disparados no WhatsApp. Só faltou o EXTRA! EXTRA! EXTRA! É “pakabá”, ou “rasgar legue”, viu (gargalhaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaadas)!!!
Aliás, falando nisso, uma fonte me disse que “TÁ DIFÍCIL” reverter, no TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo), a proibição de novas nomeações, nos cargos desocupados pelos antigos comissionados de Pavan (PSDB), até o julgamento final da ação de inconstitucionalidade das leis municipais que criaram as vagas, na máquina municipal. Ah, só para constar, os comissionados do governo passado também receberam, hoje (9), o saldo (25%) que ficou para trás.
Falando no TJ-SP, sexta-feira (6), o novo prefeito recebeu, no gabinete, o desembargador aposentado Pedro Menin e o advogado Márcio Luiz da Silva. Segundo apurei, as visitas ilustres foram convidadas pelo amado Valmir Brustolin, a “ausência”  mais notada no novo secretado municipal, para abraços de boa sorte ao prefeito Dixon (PP), que já conhecia os visitantes.  O advogado Silva, dizem, atua e é super bem relacionado em Brasília – daí, a possibilidade de tornar-se defensor do prefeito na capital federal. A sugestão foi dada! Secretários, o ex-prefeito Benedito Carvalho, e a primeira-dama Tatiana Castro (sem maquiagem, de legue, dessa vez preta, blusa e sapatinhos amarelo gema….helloooooooooooo, darling) também recepcionaram os amigos de Brustolin.
Ainda sobre o papão de Dixon (PP) com 14 vereadores da city, no mesmo dia das visitas do desembargador  Menin e do advogado Silva, falou-se sobre o Festival de Cinema 2017, cuja realização foi anunciada pelo novo secretário de Cultura Rubens Ewald Filho. “Eu, disse a ele (Ewald Filho) que poderia fazer o festival, mas sem dinheiro público. Ele que vá atrás de patrocinadores, se quiser fazer o evento”, comentou o prefeito. 
Primeiro, com apenas seis edições, não consecutivas, do Festival de Paulínia, ainda falta muuuuuuuito para a “Menina de Ouro” encostar no prestígio do “Kikito”, prêmio máximo do Festival de Gramado (RS), patrocinado, no ano passado, por empresas como OI, Petrobras e banco BNDS, entre outros.  Aliás, Ewald Filho é um dos curadores do festival, que acontece há 43 anos, sem nenhuma suspensão, na cidade serrana mais famosa do Rio Grande do Sul. 
Segundo, mesmo com patrocinadores, o município seeeeeeeempre entra com “algum” do dinheiro público – e onde tem dinheiro público, o risco de falcatruas e desvios continua sendo altíssimo, mesmo em tempos de Lava Jato. Até o Festival de Gramado, um dos mais sérios do país, foi “vítima” desse tipo de coisa. Segundo o portal G1 do RS, em 2013 nove pessoas foram condenadas por desvio de dinheiro público, que deveria ser usado na edição do evento de 2001. Imaginem no Festival de Paulínia, onde tudo é feito sem a mínima transparência! Muito pelo contrário, teve prefeito que, antes de deixar o cargo, mandou foi sumir com toda a papelada do evento, para não vir a público o que todos nós sabemos que acontece. 
Terceiro e último, em vez de mandar Ewald Filho captar recursos para fazer o Festival de Cinema VII, o novo prefeito deveria ter pedido ao secretário de Cultura que buscasse dinheiro para investir na cultura local – penso assim. Quantos artistas da city nunca receberam um centavo de incentivo da Prefeitura? Quantos projetos culturais desenvolvidos por paulinenses estão engavetados, por falta de apoio? Quantos paulinenses tiveram pedidos de apoio cultural negados? Quantos eventos culturais, com artistas da terra, foram ou serão realizados nos bairros? Quantas produções locais não se realizam por falta de dinheiro?

Falando nisso, uma dúvida surgiu agora: este ano teremos a 3ª Edição do Festival de Banda Gospel? Dos poucos eventos culturais realizados pela Prefeitura da City esse é um que não merece morrer, só porque prefeito e secretário, hoje, são outros.  Vamos aguardar.

Mudando de assunto, uma das “Provocações da Iria” (Onira da Silva) no Facebook, me chamou a atenção. Sob o título “ALERTA SERVIDORES!  O PERIGO DO OPORTUNISMO POLÍTICO/ELEITORAL”, a queridíssima e respeitada servidora aposentada raaaasgou o verbo sobre a “atuação omissa” – na visão dela –  dos vereadores da legislatura passada (2013/2016), em relação ao Instituto Pauliprev.
Destaco dois trechos da “fumada” de iria, nos edis. 1 – “Nosso Pauliprev existe há 16 anos e jamais teve o apoio, fiscalização e compromisso dos Vereadores, mesmo quando fui à Câmara, participei de diversas reuniões cobrando a participação de nossos Legisladores”.  2 – “É inaceitável que esses oportunistas tentem fazer politicagem barata de questões importantes para esta Categoria, após quatro anos de omissão, conivência e irresponsabilidade de mandato no Legislativo. Vou continuar na luta e alerta para que interesses pessoais e “suspeitos” não prejudiquem os Servidores”.
Bem, se poderiam ou deveriam ter feito mais, pode até ser, entretaaaaanto, discordo (e justifico a discordância) de Iria quando ela diz que, nos últimos quatro anos, os vereadores foram “omissos, coniventes e irresponsáveis” com tudo o que vem ocorrendo no Pauliprev. De 2013 a 2016 foram 21 (vinte e um) Requerimentos, de autoria de 7 vereadores – Angela Duarte (PRTB), Tiguila Paes (PPS), Sandro Caprino (PRB), Dú Cazellato (PSDB), Edilsinho Rodrigues (PSDB), Custódio Campos (PT), Gustavo Yatecola (PTdoB), toooodos cobrando do Executivo ou diretamente dos gestores do Pauliprev informações e documentos sobre vários problemas, principalmente, no setor de investimentos com o dinheiro do servidor. 
O Requerimento é uma das ferramentas oficiais mais importantes que o Vereador tem, para fiscalizar os atos da Administração Direta e das autarquias integrantes da Administração Indireta, como é o Pauliprev. Através dele, o Vereador tem (ou deveria ter) acesso às informações públicas imprescindíveis para o seu trabalho fiscalizatório. No entanto, o problema é o seguinte: todos os prefeitos da city, até hoje, nunca deram a devida importância legal (por lei, o Chefe do Executivo é obrigado a responder os Requerimentos da Câmara, em 30 dias, a contar da data do protocolo dos documentos) para “pedidos de informações” feitos por Vereador – e, se o edil for oposição, aííííííííííí, é que não tem resposta meeeeeeeeeeeeesmo (VEJA LEVANTAMENTO DO CORREIO EM 2015, REFERENTE A 2014). 
Dos 21 pedidos de informações sobre questões relacionadas ao Pauliprev, entre 2013 e 2016, apenas 4 (QUATRO) foram respondidos pelos prefeitos passados. Para se ter uma ideia, MAIOR AINDA, do desrespeito aos vereadores e à instituição Câmara Municipal, os Requerimentos 94 (Sandro Caprino), 125 (Dú Cazellato) e 135 (Sandro Caprino)apresentados e aprovados em 2013, até hoje, QUATRO ANOS DEPOIS, CONTINUAM SEM RESPOSTAS. Tudo para dificultar a fiscalização do Legislativo.
A atuação ferrenha da ex-vereadora Angela Duarte (PRTB), fosse cobrando, participando de todas as reuniões do instituto, fazendo requerimentos, acionando o Ministério Público, convocando presidentes, entre outras ações, demonstra, também, que a Câmara não foi  tão “omissa” em relação ao Pauliprev, como Iria “provocou”. Angela e demais vereadores foram em cima da Pauliprev, desde o primeiro ano da legislatura passada. Sem sombra de dúvidas, a vereadora foi a que mais combateu os desmandos na previdência municipal, maaaaaaas, todos os vereadores, aprovando ou fazendo requerimentos, soltando a voz nos microfones legislativos, indo à Justiça, entre tantas outras ações, fizeram a parte deles. Já não se pode dizer o mesmo dos Prefeitos passados e, muito menos, dos Gestores que eles nomearam para o Pauliprev. Assim, penso!!!
Na primeira semana do novo governo municipal, pelas postagens que vi nas redes sociais, quem cansou as canelas, pra lá e pra cá, foram o vice-prefeito Sandro Caprino (PRB), o Doutor Benedito e alguns secretários municipais. Eles passaram pelas UBSs, HMP e Mini Pantanal, levantando os problemas para futuras soluções. Enquanto isso, o prefeito Dixon (PP) pegou firme no gabinete, assinando cheques, recebendo visitas, despachando com secretários, entre outros afazerestuuuuudo com a primeira-dama Tatiana Castro (só nas blusas coloridas e legues “torando”) na “bota” dele.
Falando especificamente do Vice, pareeeeeeeece que Caprino (PRB) terá o espaço que nenhum outro ocupante do cargo teve, até hoje. O próprio Dixon (PP) indica isso na sua página do Facebook. Na contramão de supostos desentendimentos entre eles, que circularam nos últimos dias, Prefeito e Vice parecem bem alinhados, o que, além de muito positivo para o governo, isso pode ser fundamental para imprimir velocidade na busca de soluções para os problemas mais urgentes da city. Duas cabeças pensam melhor, quatro mãos rendem mais. Tomara (e torço, de verdade) que essa “lua-de-mel” política dure o mandato inteiro, sobretudo, pelo bem da população.
 Uma semana abençoadíssima, muuuuuuuuuitas alegrias, muuuuuuuuitas notícias boas e, claro, MUITAS BÊNÇÃOS E PROTEÇÃO DO NOSSO DEUS, TODO PODEROSO. Beeeeeeeijos, abraaaaaaaaaaaaaaaaaaaaços. Au revoir!!!

Fotos: Internet/Reprodução

<imagem1>meninadeou_kikito.jpg</imagem1>

<imagem2></imagem2>

<imagem3></imagem3>

<imagem4></imagem4>

<imagem5></imagem5>

<video1></video1>

 

 

Gostou desse conteúdo? Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Rolar para cima