Terra Viação afirma que vai processar ex-candidato a prefeito por falsa acusação

Da Redação
14/05/2020 22:05:24
Terra Viação afirma que vai processar ex-candidato a prefeito por falsa acusação

Furtado diz que apenas citou algumas suspeitas sobre a empresa

Segundo assessoria de imprensa, Coronel Furtado teria acusado a empresa de ter ligação com conhecida facção criminosa do Rio de Janeiro

Na tarde desta quinta-feira (14), a assessoria de imprensa da Terra Auto Viação informou ao Correio que a empresa vai processar o ex-candidato a prefeito de Paulínia Ronaldo Pontes Furtado, o Coronel Furtado, por calúnia e difamação.  Segundo a assessoria,  o coronel aposentado da Polícia Militar afirmou que a empresa responsável pelo transporte coletivo da cidade tem “relação com uma (famosa) facção criminosa do Rio de Janeiro”, onde fica a sede da Terra.

A assessoria informou que a acusação de Furtado contra a empresa estava registrada em uma mensagem de áudio enviada por ele pelo aplicativo WhatsApp para integrantes do grupo que o apoiou na eleição suplementar municipal do ano passado. Diante da gravidade do assunto, o Correio solicitou o áudio à assessoria, que nos enviou. 

No áudio com os amigos, Furtado tratava de conversas que teria tido com alguns pré-candidatos a prefeito da cidade sobre o futuro do PSC (Partido Social Cristão), partido ao qual ele foi filiado e disputou a Prefeitura em setembro passado, quando fez a seguinte afirmação: “A Terra (Auto Viação) tava na mão do Comando Vermelho”.

Na nota enviada ao Correio pela assessoria, a Terra rechaça a acusação. “O Coronel Furtado fez uma acusação grave, falsa, sem provas e totalmente desconexa com a realidade. Isso não tem nenhum fundamento. A empresa nunca teve relação com qualquer facção criminosa e repudia esse tipo de conduta”, afirmou Márcio Silva, diretor da empresa. 

Ainda de acordo com a assessoria, o departamento jurídico da empresa já iniciou uma série de medidas cabíveis. “Foi registrado um boletim de ocorrência contra Ronaldo Pontes para apuração dos crimes de Calúnia e Difamação. Na esfera civil, será aberto um processo para reparação de danos, pois a acusação atingiu a reputação da empresa. Na esfera penal, se condenado, Coronel Furtado pode pegar de três meses a dois anos de detenção e pagar multa”, diz a nota, e conclui: “A empresa Terra Auto Viação esclarece que sempre primou pela ética e moralidade, que sua credibilidade é fruto de anos de trabalho, consolidado por sua idoneidade e respeito a legislação vigente, e alerta ainda  que a divulgação de Fake News é crime. Quem propaga notícia falsa pode ser igualmente processado”. 


“Realmente, citei algumas suspeitas sobre essa empresa”, diz Coronel Furtado

Procurado pelo Correio, Ronaldo Pontes Furtado deu a sua versão sobre o conteúdo do áudio de WhatsApp em que cita a Terra Auto Viação, e negou ter acusado a empresa de ligação com facção criminosa. 

Segundo Furtado, há cerca de dois, três meses, ele fez dois áudios para um grupo de amigos, falando, entre outros assuntos, sobre alguns cuidados que deveria ter tomado com relação a algumas vinculações políticas, auxílio e ajuda. 

“E, realmente, citei algumas suspeitas em relação a essa empresa, mas não vinculada a crime, a delitos. Falei que tudo que vinha do Rio de Janeiro haveria de  ser considerado com certa suspeita e consideração, vendo que São Paulo tem empresas de renome, São Paulo tem empresas consideravelmente estáveis”, disse ele, e complementou:  “E, que haveria uma possibilidade de paralisação na condução dos alunos, que essa empresa viria pra fazer a condução dos alunos às escolas, e essa paralisação seria prejudicial.  E, que o nosso prefeito talvez tivesse tomado uma medida um pouco equivocada, e isso daí poderia prejudicar a população de alunos”.

Entretanto, a contratação emergencial da Terra Auto Viação foi para operar o transporte coletivo do município, e não o transporte escolar oferecido gratuitamente pela Prefeitura de Paulínia para cerca de 18 mil alunos da rede municipal. 

Furtado afirmou ainda que os dois áudios feitos por ele, cada um com aproximadamente oito, nove minutos de duração, foram transformados em um único áudio. “Fizeram a montagem de um único áudio, que você (o Correio) deve ter recebido. E, fizeram um negócio lá, realmente, grave. Eu também reputo que não seja uma coisa muito boa não. Eu tenho os originais. Vou guardar isso pra usar eventualmente. Mas, infelizmente, esses dois áudios foram usados para montar um terceiro, que foi vinculado no WhatsApp. Realmente é bem complicado. Infelizmente, tenho que aguardar a solução disso. Conversei com meu advogado, ele tá tomando as providências de eventual defesa, e ver pra que lado será conduzido”, concluiu o coronel aposentado.

Foto: Arquivo 

Comentar