Rosemar Vissoto foi ouvida na tarde de hoje (26); ela tem 31 anos de magistério e 28 de direção escolar

Da Redação
26/09/2014 18:44:00
Rosemar Vissoto foi ouvida na tarde de hoje (26); ela tem 31 anos de magistério e 28 de direção escolar

[imagem] Diretora e Presidente da Associação de Pais e Mestre (APM) da EMEFM Prefeito José Lozano Araújo, Rosemar Vissoto foi acusada por William Santos Rodrigues, pai de um aluno da escola municipal, de ter pago o alinhamento e balanceamento do seu veículo particular com dinheiro da APM, além de abastecimento de combustível. No boletim de ocorrência que registrou na Polícia Civil de Paulínia, Rodrigues também anexou cópias de recibos de serviços supostamente pagos pela APM, sem os dados dos fornecedores. O pai também questionou a compra das 500 rosas que a APM distribuiu no Dia das Mães de 2013, no valor de R$ 2 mil, pagos em quatro parcelas iguais, conforme recibos juntados ao B.O. 


Na tarde de hoje (26), a diretora Rosemar, acompanhada de advogados, prestou depoimento na Polícia Civil. Além de prestar esclarecimentos sobre os fatos, ela apresentou cópias de documentos que comprovam a sua inocência. O Correio Paulinense Online teve acesso, com exclusividade, aos documentos apresentados à polícia pela depoente, mas, a pedido dos advogados da diretora, não os divulgaremos, neste momento, para não atrapalhar as investigações. 

Com 31 anos de magistério e 28 de direção escolar, a educadora se disse perplexa com as denúncias. “Fiquei extremamente surpresa e a minha primeira preocupação não foi só comigo, mas sim com os 600 alunos da escola, para os quais, como educadora, tenho a responsabilidade de transmitir valores. É um absurdo o que foi feito. Estou com um sentimento amargo, pois é como se a minha carreira de 31 anos fosse jogada no lixo”, disse Rosemar, que está na direção da EMEFM Lozano desde 2008.  

Em relação as notas de combustíveis questionadas por Rodrigues a diretora explicou tratar-se do abastecimento de uma Perua/Kombi, que pertence a um funcionário da escola e é usada para atos administrativos externos da unidade. “Desde 2011, a APM autorizou 30 reais por semana de combustível, pois a escola não possui carro”, relatou Rosemar. 

Sobre a compra das flores para o dia das mães, a diretora disse que tudo foi feito dentro da legalidade. “Todas as despesas da APM são lançadas pela contabilidade que atende a entidade e estão à disposição de qualquer pai, que queira saber. Eu mesma entreguei ao pai (Rodrigues) as contas da APM”, disse a diretora. O lançamento do recibo do alinhamento e balanceamento feitos em seu carro nas contas da APM foi, segundo Rosemar, um equívoco. “Várias notas, inclusive este recibo, estavam em cima da minha mesa na escola e a moça que faz os lançamentos no livro da APM acabou pegando, por engano, o recibo,” explicou a diretora. 

Repercussão

William Santos Rodrigues, que fez o boletim policial contra a diretora, é educador infantil da rede municipal, mas atualmente ocupa o cargo político de Diretor de Museus de Paulínia, que curiosamente não tem nenhum museu funcionando.  O caso, inclusive, foi denunciado pelo Correio Paulinense Online (leia matéria). Rodrigues alega ter sido lesado pela diretora e presidente da APM do Lozano, mas a mãe do filho dele e aluno da escola disse em uma rede social que quem contribui com a entidade é ela e não ele. “O meu filho está sofrendo muito com tudo isso”, disse a ex-mulher de Rodrigues, que teve, inclusive, a conduta de pai colocada sob suspeitas pela ex-mulher. 

A queixa feita pelo professor foi repercutida pelo Correio Popular de Campinas, por dois blogs (Portal Vizão e Movimento Paulínia) de Paulínia e nas redes sociais. “Fiquei sabendo do boletim na sexta-feira (19), através de um repórter do Correio Popular, que me procurou para falar sobre o assunto. Segundo o jornalista, foi o próprio pai (William) quem ligou para o jornal, informando este absurdo”, contou Rosemar.  

Já os blogs paulinenses destacaram o fato, mas não procuraram ouvir a versão da diretora antes de publicarem a matéria, segundo ela. “Um desses blogs até afirmou ter me procurado, mas não recebi nenhum telefonema, e-mail ou mensagem em minha página no Facebook da parte deles. Eles não me procuraram, como fez o Correio Popular. Apenas soltaram a notícia e pronto”, afirmou ela. 

O Portal Vizão, que publicou a denúncia pertence a Marcos Somar, aliado político do atual prefeito Edson Moura Junior (PMDB) e, segundo informações, funcionário terceirizado da Secretaria Municipal de Saúde. Somar assinou a matéria, que cita inclusive pena de 1 a 4 anos de prisão à diretora, em caso de condenação.   

Já o blog Movimento Paulínia, que também publicou o assunto sem ouvir a versão da diretora Rosemar, pertence ao atual Chefe de Serviço de Informática da Prefeitura de Paulínia, Rogério Douglas Pedro de Souza. “Pude ver que realmente existe várias irregularidades a respeito da movimentação financeira do dinheiro da APM (Associação de Pais e Mestres). Dessa forma espero que tudo isto seja esclarecido o mais rápido possível. Porque nossas crianças não podem ser lesadas dessa forma”, escreveu o blogueiro, vulgo Roger Dance,  

A coluna “Dedo na Ferida”, assinada pelo jornalista Silvio Motta, assessor de imprensa do prefeito Moura Junior (PMDB), também comentou fato, na edição de ontem, dia 25. “Um absurdo minha gente. E o pior, é que ela lançou os gastos no balancete da escola criando provas contra ela. É achar que o povo é burro”, afirmou Motta e terminou sugerindo: “Ripa nela”. A coluna de Motta é publicada pelo jornal Notícia 23, de propriedade de Mário Lacerda, outro aliado do prefeito de Paulínia e presidente do Instituto de Previdência do Funcionalismo Público Municipal.

Os advogados de Rosemar não quiseram adiantar as medidas judiciais cabíveis que tomarão contra os veículos de comunicação, jornalista e blogueiros.
 
Apoio

Principalmente nas redes sociais, são inúmeras as manifestações de apoio e defesa à conduta pessoal e profissional da diretora Rosemar Vissoto, que tem 31 anos de atuação na área de educação. Colegas de trabalho, pais e alunos atestam a seriedade e honestidade com que Rosemar desenvolve o seu trabalho, há mais de três décadas.

“É gratificante e emocionante o reconhecimento das pessoas ao meu trabalho de educadora e o respeito à minha pessoa. Tenho certeza que, brevemente, tudo será esclarecido e voltarei à minha rotina normal. Obrigado a todos pelo carinho e respeito”, finalizou a diretora.    

Foto: Lucas Rodrigues/CP Imagem

Comentar