O pedido do ex-vereador chegou na Câmara na tarde hoje (10) e cópias do documento foram entregues em todos os gabinetes

Da Redação
10/06/2014 20:39:00
O pedido do ex-vereador chegou na Câmara na tarde hoje (10) e cópias do documento foram entregues em todos os gabinetes

[imagem] 


O ex-vereador Amarildo José Rodrigues da Silva, através de seus advogados, pediu na tarde de  hoje (10) para a Mesa Diretora da Câmara Municipal de Paulínia declarar a perda do mandato do vereador e atual presidente da Casa, Marcos Roberto Bolonhesi, o Marquinho Fiorella (PP).  Na representação, copiada para todos os gabinetes legislativos, o autor alega que Fiorella (PP) estaria ilegalmente no cargo, porque teve as contas da campanha de 2008 reprovadas pelas três instâncias da Justiça Eleitoral – local, Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e Tribunal Superior Eleitoral (TSE) – e também no Supremo Tribunal Federal (STF).

“O transito em julgado ocorreu no Supremo Tribunal Federal em 04/10/2012, ou seja, três dias antes do pleito Municipal (Eleições 2012), no qual sagrou-se (Fiorella) vitorioso”, afirma o documento. Ainda segundo a representação a sentença proferida pelo STF contra Fiorella (PP) chegou à Justiça Eleitoral da cidade, em 28 de novembro de 2011, e as anotações na ficha eleitoral do vereador foram feitas recentemente, mediante requerimento e determinação judiciais. 

“Diante da flagrante irregularidade de seu mandato, é dever inadiável da Mesa da Câmara a declaração de perda de seu mandato de vereador do Sr. Marcos Roberto Bolonhezi, na forma do artigo 17, inciso IV da Lei Orgânica do Município, combinado com o Art. 16, inciso IX do Regimento Interno da Câmara”, pede Amarildo. 

Amarildo foi vereador de 2009 a 2012, disputou a reeleição pelo PT do B em 2012, obteve 1.041 votos, mas não conseguiu eleger-se, ficando como suplente. Já Marquinho Fiorella (PP) foi reeleito para o seu terceiro mandato, com 1. 633 votos e ocupa a presidência da Casa pela segunda vez. 

Como obtivemos a notícia agora à noite, não conseguimos falar com o presidente Fiorella (PP) sobre o assunto.

Foto: Lucas Rodrigues/CP Imagem

Comentar