Indignados com a mudança, pais de alunos cercaram Rita Lanza e o clima foi de muita tensão

Da Redação
22/02/2014 15:37:00
Indignados com a mudança, pais de alunos cercaram Rita Lanza e o clima foi de muita tensão

[imagem] A mãe de uma aluna da EMEFM Prefeito José Lozano de Araújo  contou ao Correio Paulinense Online sobre a tensão que tomou conta da reunião promovida pela Secretaria Municipal de Educação, no início da noite de ontem (21), sobre a transferência dos alunos da escola, localizada no bairro Santa Cecília, região central da cidade, para uma unidade no bairro São José, na chamada região  “do outro lado da ponte”. 


Segundo a mulher, o clima foi muito pesado, porque os pais não aceitam a transferência de seus filhos e questionaram muito os argumentos da Secretária Rita Lanza para a medida. “Como faremos para levar os nossos filhos para uma escola tão distante, por exemplo, no horário de pico pela manhã?  A maioria de nós, pais, trabalhamos e isso nos causará sérios transtornos. Tem alguns que estão até decididos a tirar os filhos da escola, porque não conseguirão dá conta.”, comentou ela.

A auxiliar de produção disse que em relação ao transporte dos alunos para a nova escola no São José a Secretária de Educação esclareceu que haverá um ônibus para levá-los todo os dias. “Ela nos disse para deixarmos os nossos filhos em frente ao Lozano, que um ônibus passaria para pegá-los. Ora, como vamos confiar nisso? E tem mais, quem estuda pela manhã será que não vai chegar atrasado todo dia na escola por conta do caos do trânsito da cidade nos horários de pico?”, questionou. 

A mulher finalizou dizendo que a Secretária de Educação prometeu uma nova reunião com os pais para a próxima semana. “O que nos deixa indignados é que primeiro eles tomam a decisão e só depois chamam os pais apenas para comunicar, sem nos dar o direito de questionar. Temos que aceitar o que eles decidiram e pronto”, protestou. Tentamos contato com a Secretária Rita Lanza, mas não conseguimos.

Nota

Em nota publicada anteontem (20) no site da Prefeitura, a administração Edson Moura Junior (PMDB) justifica a interdição da EMEFM José Lozano de Araújo. De acordo com a nota, o principal motivo para a polêmica transferência é o risco de desabamento do prédio da escola, que compromete a segurança dos alunos.

“Como existe o risco de desabamento, a administração por prudência e, principalmente pelo cuidado com as nossas crianças, decidiu interditar o espaço. Os riscos são grandes. Uma simples chuva poderia colocar tudo abaixo”, diz a nota. Entretanto, a Prefeitura não apresentou nenhum laudo pericial que comprove os riscos de desabamento.

Leia a Nota

Para garantir a integridade física dos alunos, a Prefeitura de Paulínia decidiu transferir os alunos da Emef (Escola Municipal de Ensino Fundamental) Prefeito José Lozano de Araújo para uma nova unidade escolar, localizada no Jardim São José. Os motivos são:
 
1 - A unidade escolar está com diversas rachaduras nas paredes, telhas quebradas, infiltrações, parte elétrica com risco de causar incêndio, a rede hidráulica está danificada e, desde julho do ano passado, algumas salas precisaram ser interditadas. Os problemas existem há cerca de quatro anos e meio. Aproximadamente 725 alunos serão transferidos.
2 - Como existe o risco de desabamento, a administração por prudência e, principalmente pelo cuidado com as nossas crianças, decidiu interditar o espaço. Os riscos são grandes. Uma simples chuva poderia colocar tudo abaixo.
3 - Importante ressaltar que o atual governo herdou diversos prédios públicos em péssimas condições de conservação. O estado da estrutura física da Emef Prefeito José Lozano de Araújo é mais um caso de desrespeito pelas crianças, com os responsáveis pelos alunos e com o dinheiro do contribuinte. 
4 - A atual administração, para minimizar os problemas, fez um levantamento completo de todos os prédios públicos. Tudo foi devidamente documentado, inclusive com registros fotográficos. Dezenas de prédios receberam melhorias. As estruturas físicas mais precárias passarão por reformas o mais breve possível.

Prefeitura de Paulínia

Foto: Lucas Rodrigues/CP Imagem

Comentar