Conheça o perfil dos candidatos a deputado estadual de Paulínia

Da Redação
17/08/2022 21:08:51
Conheça o perfil dos candidatos a deputado estadual de Paulínia

Cidade tem 84 mil eleitores aptos a votar

Entre os candidatos estão ex-vereadores, vereador, servidor público e empresários locais; campanha começou oficialmente nesta terça-feira (16)

Última atualização em 24.08.2022, às 16h52min

Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou nesta terça-feira (16) que 28.288 brasileiros disputarão as Eleições Gerais 2022, para deputado federal, deputado estadual, senador governador e presidente da República. Na comparação com 2018, o número total de candidatos caiu 3%.

No estado de São Paulo, ainda de acordo com o TSEsão 10 candidatos a governador, 11 a senador, 1.510 a deputado federal e 2.029 a deputado estadual. Na corrida eleitoral pelas 94 cadeiras da Assembleia Legislativa do Estado (Alesp), Paulínia está representada por dez candidatos e uma candidata (veja lista abaixo, por ordem alfabética). A cidade, que tem 84.252 eleitores aptos a votar em 2 de outubro, nunca elegeu um representante para a Assembleia Legislativa do Estado (Alesp).

Benício Balieiro (PSD)


Nascido Edivaldo Benício, em Lucélia (SP), 57 anos, solteiro, ensino médio completo, empresário, mora em Paulínia desde o início da década de 90. Sempre gostou de política, mas é a primeira vez que disputa uma eleição. 
 
Bépe Pantera (PSD)


Empresário do ramo de pisos e revestimentos desde 1993, nasceu José Carlos Trevenzolli Filho, em Campinas, casado, tem 52 anos e curso superior incompleto. Já disputou três eleições para vereador da cidade (2012, 2016 e 2020) e duas para deputado federal (2014 e 2018).  Concorre pela primeira vez a deputado estadual. 

Chico Neto (PSD)


Nascido em Umarizal, no Rio Grande do Norte, 74 anos, casado, comerciante no ramo de confecção, ensino médio, Francisco da Costa Neto disputa para deputado estadual pela terceira vez. Também já concorreu a deputado federal (2010) e para vereador de Campinas (2000 e 2008), Sumaré (2004) e Paulínia (2012, 2016 e 2020). 

Cícero Brito (MDB)


Formado em Gestão de Segurança Pública pela Faculdade Anhanguera, 54 anos, natural de Rancharia (SP), guarda civil  municipal de Paulínia desde 1994, Cícero Luiz de Brito é atualmente vereador da cidade, eleito em 2020. Disputou o cargo de Vice-Prefeito na Eleição Suplementar de 2019, foi secretário municipal de Segurança Pública e, pela primeira vez, concorre à Assembleia Legislativa do Estado (Alesp).

Edna Della Nina (PT)


Nascida na cidade gaúcha de General Câmara, a 76 km de Porto Alegre, 71 anos, casada, servidora pública aposentada e moradora de Paulínia desde o ano de 2000, Edna da Silva Della Nina concorreu a deputada federal nas Eleições Gerais de 2018 e a vereadora de Paulínia nas Eleições Municipais de 2020. Agora, tenta uma vaga na Assembleia Legislativa do Estado (Alesp) pela Federação Brasil da Esperança - FE BRASIL, formada pelo PT, PC do B e PV. 

Juliano Merkes (AGIR)


Servidor de carreira da Prefeitura de Paulínia,  47 anos, casado, curso superior incompleto, e ex-secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, disputa um cargo eletivo pela segunda vez. A primeira foi para vereador da cidade, em 2004. Começou na Prefeitura pela antiga Guarda Mirim, depois trabalhou na EMDEP (Empresa Municipal de Desenvolvimento de Paulínia), sociedade de economia mista que tinha o Município como acionista majoritário.

LUIS FABIANI (PMB)


Natural de Campinas, 53 anos, Luis Carlos Fabiani, vendedor pracista, já fez parte do PRTB (Partido Renovador Trabalhista Brasileiro) e do DC (Democracia Cristã), partidos pelos quais  disputou uma das quinze cadeiras da Câmara Municipal de Paulínia (CMP) nas Eleições Municipais de 2008 e 2020, respectivamente. Agora, filiado ao PMB (Partido da Mulher Brasileira), disputa uma vaga na Assembleia Legislativa do Estado (Alesp), pela primeira vez.  

Mario Lacerda (Cidadania)


Empresário, 53 anos, casado, natural de Pires do Rio (GO), morador de Paulínia há 35 anos, Mario Lacerda Souza exerceu dois mandatos consecutivos de vereador da cidade, entre 1997 e 2004. Já disputou para deputado estadual, em 2002, e obteve quase 3 mil votos paulinenses. Como parlamentar, apresentou 176 Indicações (solicitando ao Executivo melhorias para diversos setores públicos), 36 Moções, 4 Projetos de Decreto Legislativo (PDL), 1 de Emenda à Lei Orgânica do Município, 2 de Lei Complementar (PLC), 20 de Resolução (PR), 41 de Lei Ordinária (PL), e 139 Requerimentos (pedidos de informações sobre atos do Poder Executivo).

Marquinho (AGIR)


Mineiro de Santa Rita de Caldas, 54 anos, advogado, Edson Marcos de Carvalho, também conhecido como Marquinho da Água, já disputou para vereador e prefeito de Paulínia em 2000 e 2008, respectivamente, bem como a deputado federal no pleito eleitoral de 2010. Antes de filiar-se ao AGIR (antigo PTC – Partido Trabalhista Cristão) ele passou pelo PDT (Partido Democrático Trabalhista) e PMN (Partido da Mobilização Nacional). Marquinho é um dos dois representantes da cidade na lista de candidatos do AGIR à Assembleia Legislativa do Estado (Alesp). 

Nilsão (Avante)


Nilson de Oliveira Valim, 45 anos, casado, ensino fundamental completo, nascido em Campinas, atua como Repórter de Rua da “Live Paulínia”, página no Facebook  que publica, principalmente, ocorrências policiais,  e acumula 36 mil seguidores. É a primeira vez que disputa uma eleição.  

Palito (PODE)


Adilson Domingos Censi, quase 48 anos (completará na próxima terça-feira, 23),  já disputou três eleições municipais:  vereador (2008), prefeito (2012) e vice-prefeito (2016). Venceu apenas a primeira com 1.652 votos, e chegou a presidir a Câmara Municipal (CMP) nos últimos três meses de mandato (2009/2012).  Como vereador, apresentou 315 Indicações (solicitando ao Executivo melhorias para diversos setores públicos), 15 Moções, 1 de Emenda à Lei Orgânica do Município, 5 de Resolução (PR), 8 de Lei Ordinária (PL), e 122 Requerimentos (pedidos de informações sobre atos do Poder Executivo), segundo dados oficiais do site legislativo.   

Mizael Marcelly
Fotos: Paulínia Vista de Cima e TSE/Divulgação

Comentar