Deputado Federal destina R$ 10 milhões para Paulínia

Da Redação
10/05/2022 20:05:13
Deputado Federal destina R$ 10 milhões para Paulínia

Deputado é autor da PEC da Prisão em 2ª Instância

Alex Manente, do Cidadania-SP, esteve sábado (7) na cidade. Prefeitura informou que verba será usada em ações das secretarias de Saúde, Obras e Esportes

O Correio levantou que a Prefeitura Municipal de Paulínia (PMP) terá um crédito adicional de R$ 10 milhões no orçamento deste ano, para investimentos públicos.  O dinheiro será repassado ao município através de emenda parlamentar do deputado federal Alex Manente (Cidadania-SP). Em termos de valores, é a maior emenda federal destinada à Paulínia. 

Procurado pela reportagem, o secretário municipal de Governo, Danilo Barros, informou que a verba será dividida entre as secretarias de Saúde (R$ 4 milhões), Esportes, Cultura, Turismo e Eventos (R$ 2 milhões) e Obras e Serviços Públicos (R$ 4 milhões). Segundo Barros, o dinheiro será utilizado, por exemplo, para reformar o parque aquático do Ginásio Poliesportivo dos Trabalhadores “Ettori di Blasio”, no Monte Alegre, e em serviços de macrodrenagem preventiva contra as inundações que afetam vários pontos do município, sempre que chove. 

Encontro em Paulínia
No último sábado (7), o deputado federal e pré-candidato à reeleição Alex Manente participou de um encontro político na cidade, organizado pelo Cidadania Municipal, presidido por Mário Lacerda, ex-vereador e pré-candidato a deputado estadual.

 

O evento na sede de uma das empresas de Tuta Bosco, ex-candidato a prefeito de Paulínia, reuniu várias lideranças políticas do estado (mais de 100, segundo a organização), dentre elas, prefeitos e vereadores que apoiam Manente e Lacerda nas eleições deste ano.  Pedro Bernarde e Odair Bordignon, dois dos três parlamentares que formam a bancada do Cidadania na Câmara de Paulínia (CMP), também estiveram presentes.



Brasília
Em seu segundo mandato na Câmara dos Deputados, Manente ganhou visibilidade nacional como autor da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que pretende resgatar a prisão em segunda instância, derrubada pelo STF (Supremo Tribunal Federal) em novembro de 2019, por 6 votos a 5. Caso a PEC seja aprovada pelo Congresso Nacional (Câmara e Senado) e sancionada pela Presidência da República, sentenças proferidas pela segunda instância da Justiça (Comum ou Federal) voltarão a ser executadas imediatamente.
 
Outro texto (PL 2213/21) de autoria do deputado do Cidadania,  em tramitação na Câmara Federal, inclui na Lei de Execução Penal a obrigatoriedade de exame criminológico, para atestar se o preso está apto ou não ao benefício da saída temporária (as famosas saidinhas da cadeia em datas festivas como, por exemplo, Dia das Mães) ou à progressão para o regime aberto. 

“Tais benefícios foram criados com o objetivo de ressocialização do detento. No entanto, os condenados que não estejam aptos ao convívio social não podem usufruir dos dois benefícios, porque a sociedade não deve ser submetida à aferição da capacidade de presos perigosos retornarem ao convívio social”, justifica o parlamentar.

Mizael Marcelly
Fotos: Assessoria Cidadania e Luís Macedo/Câmara Federal

Comentar