Após diplomados, Cazellato e Sargento Camargo tomam posse

Da Redação
04/10/2019 17:10:46
Após diplomados, Cazellato e Sargento Camargo tomam posse

Um dos desafios do novo prefeito de Paulínia é inciar a "Ponte Atibaia" em três meses

Eleito dia 1º de setembro, o novo prefeito de Paulínia vai administrar o município até dezembro de 2020

Na tarde desta sexta-feira (4), os novos prefeito e vice-prefeito de Paulínia, Ednilson Cazellato, o Du Cazellato (PSDB), e Paulo Camargo Junior, o Sargento Camargo (PSDB), eleitos na eleição suplementar de 1º de setembro, foram diplomados pela Justiça Eleitoral e, depois, em sessão solene na Câmara Municipal, empossados nos cargos pelo presidente em exercício do Legislativo, José Carlos Coco da Silva, o Zé Coco (PV). 

Após o ritual de juramento – “Prometo guardar a Constituição Federal, a Constituição Estadual, a Lei Orgânica do Município e as Leis, desempenhar fiel e legalmente o mandato de Prefeito que o povo me conferiu, promovendo o bem geral do Município” -, Cazellato Sargento Camargo assinaram os termos de posse. 

O novo prefeito de Paulínia, 48 anos, empresário, cumpria seu segundo mandato na Câmara Municipal, da qual foi o presidente de 2017 a 2018. Ele é o segundo vereador eleito prefeito de Paulínia  – o primeiro foi Benedito Dias de Carvalho, pai do ex-prefeito Dixon Carvalho (Progressistas), que causou a primeira eleição suplementar do município, após ter o mandato cassado pela Justiça Eleitoral, por captação ilícita de dinheiro e abuso de poder econômico nas eleições regulares de 2016.

Durante o mandato-tampão, até 31 de dezembro de 2020, o tucano promete priorizar as áreas de saúde,  educação e segurança. Por outro lado, a construção da ponte sobre o Rio Atibaia também está no radar da nova administração municipal. Durante a campanha eleitoral,  Cazellato  prometeu que, se eleito fosse, iniciaria a obra três meses depois da posse. 

Além dos 21 secretários que anunciará, Cazellato poderá nomear 40 (quarenta) pessoas, concursadas ou não,  para os seguintes cargos comissionados: chefe de gabinete de secretaria (18 vagas, salário de R$ 11.251,09), assessor de políticas públicas I (10 vagas, salário de R$ 12.114,24), assessor de políticas públicas II (10 vagas, salário de R$ 6.481,67), e secretário adjunto (02 vagas, salário de R$ 11.883,06). 

Ele, terá ainda 62 vagas para ocupar exclusivamente com servidores de carreira (LEIA MAIS sobre isso). Em entrevista ao Correio, mês passado, o tucano não informou se pretende promover uma nova reforma administrativa na prefeitura (LEIA ENTREVISTA). 

Foto: Reprodução

Comentar