Caged aponta que Paulínia teve alta de empregos no 1º semestre de 2019

Da Redação
16/08/2019 13:08:19
Caged aponta que Paulínia teve alta de empregos no 1º semestre de 2019

Há quase sete meses sem trocar o prefeito, Paulínia empregou mais com carteira assinada

De acordo com o órgão do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), o município criou 1.782 novas vagas, em comparação ao mesmo período do ano passado

Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), mostram que a oferta de vagas em Paulínia cresceu no primeiro semestre deste ano, em comparação ao mesmo período do ano passado -  7.205 (2018), 8.987 (2019), ou seja, 1.782 empregos com carteira assinada a mais.

De acordo com o órgão, apenas no mês de janeiro deste ano o município empregou menos que em 2018: 1.231 contra 1.177, saldo negativo de 54 vagas.  Os relatórios do Caged mostram também os setores que mais empregaram em Paulínia, nos seis primeiros meses deste ano: 

1º - Serviços: 4.131 vagas
2º - Construção Civil: 1.753 vagas
3º - Polo petroquímico e industrial: 1.594 vagas
4º - Comércio: 1.310 vagas

O aumento na oferta de empregos em Paulínia foi impulsionado pelas parcerias que a prefeitura da cidade firmou com empresas privadas a partir de 23 de janeiro, quando Antonio Miguel Ferrari, o Loira (DC), assumiu interinamente como prefeito – ele é o terceiro no cargo, de 2017 para cá. A instabilidade política (troca de prefeitos) em Paulínia tem prejudicado gravemente a implantação e continuação de programas importantes para a população, como geração de emprego e renda.

Procurado pelo Correio, o prefeito interino comentou os índices Caged. “Fico muito feliz com isso, pois, quando assumi não existia nenhum plano para gerar mais empregos na cidade. Então, traçamos metas, chamamos empresas de vários segmentos e pedimos vagas para os trabalhadores paulinenses, pois, a maior tristeza que um pai de família pode sentir é a de não ter condições de colocar comida em casa. Graças a Deus conseguimos gerar mais vagas e seguimos lutando por mais”, disse Loira (DC). 

Foto: Ilustração

Comentar