“Paridade” no Pauliprev volta à pauta da Câmara, após votação adiada

Da Redação
24/03/2018 16:03:21
“Paridade” no Pauliprev volta à pauta da Câmara, após votação adiada

Um dos cartazes empunhados por servidores na sessão em que o PLC foi adiado

Comissão de Justiça e Procuradoria do Legislativo municipal são favoráveis à legalidade do projeto do Executivo; para servidores a proposta trata-se de um “golpe”

O primeiro projeto de lei complementar do prefeito Dixon Carvalho (PP), este ano, promete acirrar os ânimos entre servidores públicos municipais e a Câmara de Vereadores.  A proposta altera a formação do Conselho de Administração do Instituto Pauliprev, mas mantém o Poder Executivo Municipal no controle de todas as decisões do conselho, inclusive, sobre investimentos de recursos da previdência municipal no mercado financeiro (LEIA +).

O projeto constava na pauta da sessão legislativa do último dia 13, mas, pressionado pela categoria municipal contrária ao que considera “golpe da paridade”, o Poder Legislativo suspendeu a votação, a pedido do vereador Edilsinho Rodrigues (PSDB). “Peço vista do projeto, fui procurado por vários servidores, para melhor discutir ele”, solicitou o tucano.  O pedido foi aprovado pela maioria dos vereadores, exceto Kiko Meschiati (PRB), que votou contrário.

De volta para discussão e votação dos vereadores, na próxima sessão da Câmara, terça-feira (27), o PLC 01/2018 já tem os pareceres favoráveis, quanto à legalidade, da Comissão de Justiça e Redação, formada pelos vereadores Fábio Valadão (PRTB), Zé Coco (PV) e Antonio Miguel Ferrari, o Loira (PSDC), e da Procuradoria Jurídica da Casa.  Se passar na legalidade, a proposta será votada no mérito, provavelmente, na sessão do dia 10 de abril. 

Foto: Reprodução/Facebook

Comentar