Para reduzir custos, Dixon (PP) quer cortar 200 bolsas, sendo 110 integrais

Da Redação
20/12/2017 22:12:08
Para reduzir custos, Dixon (PP) quer cortar 200 bolsas, sendo 110 integrais

Quase 2000 mil concorreram ao Bolsa Educação 2017: segundo a Prefeitura, 736 foram contemplados

O projeto do novo programa “Bolsa Educação” chegou ontem (19) na Câmara de Vereadores e, se aprovado ainda este ano, passa a valer em 2018

Nesta quarta-feira (19), o prefeito de Paulínia, Dixon Carvalho (PP), mandou para a Câmara Municipal  um projeto de lei criando um novo programa Bolsa Educação, a partir de 2018. Segundo o prefeito, as mudanças previstas no projeto são necessárias para, entre outras coisas, reduzir os custos do programa vigente.  

O número de bolsas permanecerá 750 (setecentos e cinquenta) anuais, no entanto, a concessão e distribuição do benefício ganharão novos critérios. Atualmente, o programa distribui 300 (trezentas) bolsas para bacharelados, sendo 210 (duzentas e dez) integrais (100%) e 90 (noventa) parciais (35% a 65%); 400 (quatrocentas) para tecnólogos, sendo 280 (duzentas e oitenta) integrais (100%) e 120 (cento e vinte) parciais (35% a 65%); e, 50 bolsas para técnicos, todas integrais (100%).
 
Veja o que por mudar, caso o novo “Bolsa Educação 2018” seja aprovado pela Câmara: 

- O número de bolsas integrais (100%) para o ensino superior cairá das atuais 210 (duzentas e dez) para 100 (cem), as quais serão divididas entre estudantes de bacharelado, licenciatura e tecnólogo. 

- Não haverá mais bolsas parciais de 35% a 65% da mensalidade.

- serão criadas 600 (seiscentas) bolsas no valor fixo de R$ 800,00 (oitocentos reais). Caso  o valor da mensalidade do curso seja superior, o aluno arcará com a diferença.

- Como contrapartida ao benefício financeiro estudantil recebido da Prefeitura, todos os bolsistas prestarão serviços voluntários à Secretaria Municipal de Educação (SME), sempre que convocados pela pasta, sob pena de ter a bolsa cortada.  O calendário e número mínimo de horas de trabalho, em projetos e programas de interesse público, serão definidos pela SME.

- A instituição de ensino escolhida pelo estudante deverá ser conveniada à Prefeitura Municipal, estar localizada na cidade ou num raio de até 100 km (cem quilômetros).

- Não terá direito à bolsa o estudante que, por exemplo, escolher uma faculdade de Direito fora do município, quando uma faculdade local oferecer o mesmo curso. 


Comentar