Salário de Dixon (PP) vai para R$ 22 mil; aumento de 46,47%

Da Redação
01/11/2017 00:11:53
Salário de Dixon (PP) vai para R$ 22 mil; aumento de 46,47%

Reajuste foi calculado pela média salarial de 7 cidades da Região

De acordo com a Mesa Diretora da Câmara, o “objetivo primordial” do reajuste é corrigir a defasagem salarial de médicos e dentistas da rede pública municipal

Para  aumentar os salários de médicos e dentistas da rede municipal de saúde, a Mesa Diretora da Câmara Municipal de Paulínia propõe reajustar em 46,47% os subsídios de Prefeito, Vice-Prefeito e Secretários Municipais. Atualmente, o prefeito Dixon Carvalho (PP) recebe R$ 17.105,23, o vice Sandro Caprino (PRB)  R$ 7.747,01 e um secretário  R$ 12.016,04. No entanto, o aumento foi calculado sobre os valores  que os agentes públicos de Paulínia deveriam estar ganhando: R$ 15.500,00 (Prefeito), R$ 7.020,00 (Vice), e R$ 9.000,00 (Secretário) – LEIAM SOBRE ISSO.

O texto do Projeto de Lei 73/2017, protocolado pela Mesa nesta quinta-feira (31),  alega que a Câmara tem recebido reclamações de médicos e dentistas insatisfeitos com os salários que recebem atualmente. Segundo o PL, foi contatado que, comparados com as demais cidades da Região Metropolitana de Campinas (RMC), os salários dos profissionais da cidade estão defasados. “Assim, destaca-se como objetivo primordial do presente Projeto de Lei o de permitir o aumento no número de horas de trabalho dos médicos plantonistas e dos cirurgiões dentistas plantonistas”, diz o PL. Por lei, nenhum servidor pode ganhar mais que o Chefe do Poder Executivo Municipal.

Para propor um reajuste de 46,47%, segundo o PL, a Mesa Diretora pesquisou a faixa salarial de Prefeito, Vice e Secretário em sete cidades: Americana, Campinas, Cosmópolis, Indaiatuba, Itatiba, Jundiaí e Santa Barbara D’Oeste. Em média, os prefeitos desses municípios recebem  R$ 22.703,20, Vices R$ 12.882,72 e Secretários R$ 15.761,93. “Foi o menor resultado obtido”, diz o PL, sobre o percentual de 46,47% fixado para redefinir os salários dos agentes públicos de Paulínia. 

A primeira votação do aumento deve acontecer na próxima sessão da Câmara, dia 7 de novembro. 

Foto: Internet/Ilustração

Comentar