Prefeitura confirma “febre amarela” como causa da morte da “Professora Jo”; o teste da sobrinha dela deu negativo

Da Redação
27/01/2017 18:01:26
Prefeitura confirma “febre amarela” como causa da morte da “Professora Jo”; o teste da sobrinha dela deu negativo

A professora Jo Guardia ensinava na EMEF Caputti, no Jardim Planalto

Divulgada há pouco, a Nota Oficial trata o caso como “importado” de MG, onde a vítima teria contraído a doença

"A Prefeitura Municipal de Paulínia informa que foi confirmada, na tarde desta sexta-feira (27), a morte por Febre Amarela de uma professora de 47 anos moradora da cidade. A Vigilância Epidemiológica do município ressalta que se trata de um caso importado. A vítima apresentou os sintomas após retornar de uma viagem ao Estado de Minas Gerais, onde contraiu a doença.  

O resultado do outro caso que estava sob análise, de uma mulher de 32 anos (Camila Morais, sobrinha da professora Jo) também moradora da cidade, foi negativo para Febre Amarela. 

A Prefeitura informa ainda que, mesmo antes da confirmação, todas as medidas protocolares preventivas já haviam sido tomadas. Desde a última quarta-feira, a Superintendência de Controle de Endemias (SUCEN) está realizando procedimento de nebulização na região do bairro Patropi (onde residia a professora) para combater os mosquitos transmissores de doenças como Febre Amarela, Dengue, Zika e Chikungunya. 

A vacina contra a febre amarela é indicada apenas aos moradores de áreas de risco definidas pelo Ministério da Saúde e para aqueles que vão viajar a esses locais. A imunização não está indicada para gestantes, mulheres amamentando crianças com até 6 meses e imunodeprimidos, como pacientes em tratamento quimioterápico, radioterápico ou com corticoides em doses elevadas (portadores de Lúpus, por exemplo). Não há casos de febre amarela urbana no Brasil desde 1942".

O caso está tendo grande repercussão, principalmente, depois da entrevista do Secretário de Saúde de Paulínia Saúde Paulínia, George Burlandy, à EPTV/Campinas, terça-feira (24). Leia na coluna Deixem-me Falar... de hoje (27).

Foto: Reproduão/Facebook

Comentar