BARRACO NO JURÍDICO: por causa de um processo, doutor quase levou uma “voadora” da “doutora” estressada; Bonavita vai...

Da Redação
14/01/2015 16:53:00
BARRACO NO JURÍDICO: por causa de um processo, doutor quase levou uma “voadora” da “doutora” estressada; Bonavita vai “dividir”, de novo? CADÊ O DINHEIRO DO FAE? Tem “15” virando “13"

[imagem] Boaaaaaaaaaaa taaaaaaaaaaarde meus amores! O Portal de Transparência da Prefeitura da City virou uma piada. Primeiro: desde que passou a ser comandado pelo governo “6 X cassado” vive fora do ar. Oxi! Passa diaaaaaaaaaaas dando “código de erro” e depois volta, sem que ninguém explique nada sobre esse “entra e sai, sai e entra” (uiiii...gargalhaaaaaaaaaaaaaadas).  Depois, os dados não são regularmente atualizados. Atualizam umas coisas, outras não! 

O “Transparência” é um portal regido pela Lei Complementar 131/09 (Lei da Transparência), portanto, um canal de informações oficiais, ou seja, valem os dados que estão lá. Será que nem nisso esse governo consegue ser competente? Dá licença!  Um mundaréu de cargos comissionados, muito bem pagos pelo povo, um “gênio” na chefia de informática e mesmo assim eles não conseguem fazer o “Transparência” andar. Pelamooooooooooooor! Vai ver é porque o chefe do Serin tá virando “13” – treze milhões de visualizações” (gargalhaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaadas). 


Além de tudo, o cassadíssimo governo Moura Junior (PMDB) é o mais barraqueiro, também de julho de 2013 para cá, foram muuuuuuuuuitos barracos. O último que chegou aos meus ouvidos aconteceu quinta passada, entre a doutora Carol Pereira e o doutor Ivan Voight. A linda gaivota que me contou, disse que, por pouco, o quiproquó não terminou à moda “Zé Nilton e Eduardo Ferreira” (gargalhaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaadas). O Jurídico cheio de contribuintes, negociando suas dívidas tributárias com a city, e o barraco rolando. Pela mãe do guarda!

O belíssimo advogado Ivan Voight teria discordado dos procedimentos de um processo que tramita no jurídico e a ´doutora Carol, que cuida da peça, não gostou nada das críticas e alertas do colega de trabalho. “Isso tá errado. Vai contra os princípios jurídicos. Vai dá problema lá na frente”, argumentou o doctor. Pra quê? Quase levou uma “voadora” (gargalhaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaadas). A doutora teria dito que estava cumprindo ordens do prefeito e antes de trancar-se, bufando, em sua sala, prometeu não voltar mais na Secretaria, caso o colega continuasse lá. Eita peste! Resultado: hoje, segundo apurei, o doutor Voight está à disposição do gabinete, já que é assessor jurídico comissionado, mas dando uma forcinha na Educação, até que decidam sobre ele. Já Carol (dizem) que continua linda e loira no Jurídico. 

Depois dessa confusão, parece que o processo sumiu. Ninguém acha. Só restou o protocolo. Vai ver ele foi parar em algum distribuidor cartorial,  láaaaaaaaaaaa em Tanquinho (BA) (gargalhaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaadas). Brincadeirinha! As perguntas que não querem calar: que raio de processo é esse, hein? Do que se trata? O que tem de tão grave nele, que pode dar problemas lá na frente? Misericórdia! Pois é, o governo Moura Junior (PMDB) é tão atrapalhado e cheio de trapalhadas, que seus integrantes acabam não se entendendo, quando o foco da discussão é o “certo e o errado”. 

Já alertei antes, mas não custa nada ser “chato”, repetindo: comissionado ou não, quem assina conjuntamente com o atual prefeito deve tomar muito, muitoooo cuidado, pois ele pode pagar advogados caríssimos para defendê-lo, tira “o” dele da reta, e aí sobra para os subalternos. Quantos secretários e diretores de Prefeituras brasileiras não têm entrado algemados nos camburões da PF, por assinarem tudo o que seus chefes mandam? Pois é, ser fiel a quem lhe nomeou é uma coisa, agora, colocar a própria idoneidade em risco é outra. Mas, como tem fanático pra tudo, eles que se entendam e, de quebra, se lasquem (gargalhaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaadas). 

Falando no Jurídico Municipal, amanhã termina a 1ª quinzena de 2015 e, até agora, Moura Junior enviou apenas um Projeto de Lei à Câmara da City: o 01/15, que denomina “João Floriano” a Rua 5 do Condomínio Campos do Conde II, no São José.  A homenagem ao pedreiro, falecido no dia 4 de setembro de 2000 e que veio para cá quando Paulínia ainda era um vilarejo, foi sugerida pelo vereador Tiguila Paes (PRTB), através da Indicação 899/14.  

A primeira sessão de 2014, sob o comando do presidente Sandro Caprino (PRB), acontece no dia 3 de fevereiro. O “biênio capriniano” tem tudo para começar com uma pauta recheada, principalmente, de projetos (do governo) que precisam ser votados em segunda e última discussão, como os 32, 33, 34 e 36/2014, das novas secretarias municipais. Além disso, as entidades assistenciais estão ansiosas pelo “PL da Subvenções Sociais”, que deve distribuir pouco mais de três milhões, segundo as verbas de apoio ao Terceiro Setor, especificadas no Orçamento 2015, aprovado dia 29 de dezembro passado. Vamos aguardar!

Gente e a Copinha, hein? Custou quase R$ 420 mil aos paulinenses e o Dinão nem para passar do terceiro jogo, sábado passado, contra o Coritiba. Ganhou uma, empatou outra e perdeu a terceira, dando adeus à competição, com apenas 4 pontos. Mas jogo é jogo. Por isso, parabéns aos nossos meninos, que defenderam o clube da city, e foram até onde a qualidade técnica, em relação aos adversários, ou a sorte permitiram.  Fora de campo, a assessoria de imprensa do governo cassado Moura Junior (PMDB) frisou que a Copinha não era realizada na city, desde 2011 (leia-se, governo Pavan), como se isso representasse uma enooooooooooorme perda para Paulínia. Será mesmo? 

No governo cassado Moura Junior (PMDB), assim como a Saúde, Segurança e Educação, o Esporte também pioooooooooorou quilômetros, em relação ao governo passado e não cassado – diga-se de passagem. Muitas vezes, a SER não tem sequer dinheiro para o lanche ou o transporte de suas equipes. Quantas vezes não vimos professores convocando “vaquinhas” para comida e ônibus, porque a Secretaria não tinha dinheiro para bancar uma despesa de mil e poucos reais? Quantos atletas, de várias modalidades, que colocam Paulínia nos pódios do Estado e Brasil afora, não recebem um centavo público de incentivo, mesmo a city tendo um Fundo de Apoio ao Esporte, cuja verba no ano passado foi de R$ 1 milhão? Quanto atletas paulinenses não estão defendendo outras cidades, porque, aqui, eles não têm apoio financeiro nenhum? Aí eu pergunto: CADÊ O DINHEIRO DESSE FUNDO?

No ano passado, constou no Orçamento da SER R$ 2 milhões para “Construção e melhorias de equipamentos e praças esportivas”. Aí, eu pergunto: CADÊ ESSE DINHEIRO? As praças continuam jogadas as traças. Nada melhorou, só piorou. A única coisa que ajeitaram foi o Ginásio Agostinho Fávaro, no João Aranha, mas não pelos atletas ou equipes da city, mas sim pelo Brasil Kirin, que  tomou conta do ginásio e em troca o “Agostinho Fávaro” aparece nas transmissões da Sport TV. Agora eu pergunto: o que a city ganha, aparecendo na tela do canal, pertencente à Globo, toda vez que Falcão vem dar o seu show de bola, por aqui? NADAAAAAAAAAAAA. Absolutamente nadaaaaaaaaaaaa. Muito pelo contrário, no mínimo, o paulinense paga ingresso para assistir os jogos. Pois é, até o mourista Tiguila Paes (PRTB) disparou, outro dia na sessão da Câmara: “EM VEZ DE GASTAR UMA FORTUNA NA COPINHA DEVERIAM INVESTIR ESSE DINHEIRO NAS MELHORIAS DAS PRAÇAS ESPORTIVAS DA CIDADE”. 

Vamos fazer umas continhas do Esporte? A Secretaria de Esporte começou 2014 com uma dotação de R$ 17.464.780,00, depois perdeu R$ 3.464.979,27 e terminou o ano passado com R$ 13.999.800,73. Desse total, R$ 8.717.787,63 foram empenhados (reservados para despesas), R$ 8.672.593,61 liquidados (quando os fornecedores entregam as notas ficais) e R$ 8.065.412,91 efetivamente pagos.  Desse total, efetivamente pago, 3.292.897,92 (três milhões, duzentos e noventa e dois mil, oitocentos e noventa e sete reais, noventa e dois centavos) pagaram os salários dos servidores da pasta, até o mês de novembro, pois o salário de dezembro foi pago este ano, com dinheiro deste ano; R$  3.934.106,68 (três milhões, novecentos e trinta e quatro mil, cento e seis reais, sessenta e oito centavos) pagaram os fornecedores; e a sobra pagou obrigações patronais, despesas variáveis com os servidores, como o 13º, por exemplo, material de consumo, equipamentos e manutenção. 

Detalhe: DOS R$ 3.934.106,68 QUE A SER PAGOU A FORNECEDORES, EM 2014, R$ 2.776.229,48 (dois milhões, setecentos e setenta e seis mil, duzentos e vinte e nove reais, quarenta oito centavos) pagaram apenas uma empresa: A ERGO QUALI, que cuida das escolinhas esportivas da city. Todos esses dados estão no Portal Transparência da Prefeitura. E o que tem chegado aos meus ouvidos é que a maior fornecedora da SER está deixando muito a desejar, faz tempo. 

Já a dotação 2015 da Secretaria de Esporte e Recreação caiu quase R$ 5,5 milhões em relação ao ano passado – terá apenas quase R$ 13 milhões. Se em 2014 começou com quase 18 milhões, caiu para 13 milhões e terminou com pouco mais de R$ 8 milhões, a SER corre o risco de terminar 2015, como a Secretaria de Promoção e Desenvolvimento Social (Seprodes) terminou 2014: “PEDINDO DOAÇÕES” (gargalhaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaadas). E isso, porque o orçamento 2014 da Seprodes foi de quase R$ 119 milhões. Pois é, parece que nem mesmo o “titular” da pasta esportiva, Bonavita (PTB), tem conseguido garantir muita coisa. 

E falando no vice Bonavita (PTB) fiquei sabendo que o “chamego político” dele com o sobrinho Lucas Almeida, que quer por quer ser o sucessor político do tio no futuro, anda causando uma ciumeira danada. É quase certo que Lucas disputará as próximas eleições, como candidato a vereador, com total e irrestrito apoio do tio vice-prefeito. Lucas, que conheço desde pequeno,  filho da minha amada Tidinha (saudades), tem acompanhado o tio em tudo quanto é evento e reuniões e já está aprendendo um pouco do funcionamento da máquina pública, trabalhando na Secretaria de Esporte, como contratado da Ergo Quali. Enfim, ele vem se preparando há muito tempo para substituir Bonavita na política.  

Por outro lado, a pergunta que não quer calar: e Zé Coco, como vai ficar? Oxi! Ah, não! Será que Bona vai dividir o seu grupo, de novo, como fez em 2012 e acabou pagando o preço merecido, pela burrada? Ah, vá! Misericórdia! Parece que a política e os políticos de Paulínia só regridem. Dá licença! Mas, quem sou eu para questionar os sabichões e exímios estrategistas políticos? É melhor deixar de ser enxerido, pois isso não é da minha conta (gargalhaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaadas).

Beijos e abraaaaaaaaaços, meus amooooooores. Fiquem NA PAZ E PROTEÇÃO DE DEUS!  Au revoir! 

Foto: Reprodução/ Facebook Lucas Almeida Barros

Comentar