Presidente eleito da Câmara, Caprino (PRB) defendeu IPTU quase 57% mais caro, aprovado por ele e mais sete mouristas

Da Redação
30/12/2014 12:47:00
Presidente eleito da Câmara, Caprino (PRB) defendeu IPTU quase 57% mais caro, aprovado por ele e mais sete mouristas

[imagem] O presidente eleito da Câmara de Paulínia, Sandro Caprino (PRB) defendeu o aumento de 56,7% no IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano), aprovado na manhã de ontem (29), por 8 votos a 7, durante a 10ª e última sessão extraordinária do ano. Líder do governo cassado Moura Junior (PMDB), que propôs o reajuste no imposto, Caprino (PRB) argumentou que o IPTU não tem aumento desde 1997. “Se não aprovarmos, vamos perder muito no ano que vem”, complementou ele. 


No texto do Projeto de Lei, Moura Junior (PMDB) ressaltou que a medida visa incrementar as receitas próprias municipais. “[...] hoje o valor venal dos imóveis no Município corresponde a 10% do valor de mercado, a inexpressividade do valor caracteriza flagrantemente renúncia de receita, trazendo prejuízos aos cofres públicos [...]”. 

Sete vereadores - Danilo Barros (PCdoB), Simeia Zanon (PROS), Gustavo Yatecola (PTdoB), Tiguila Paes (PRTB), João Pinto Mota (PSDC), Zé Coco (PTB) e Sandro Caprino (PRB) – votaram favoráveis ao aumento e outros sete – Angela Duarte (PRTB), Custódio Campos (PT), Du Cazellato (PP), Fábio Valadão (PROS), Edilsinho Rodrigues (PPS), Marquinho da Bola (PSB) e Doutor João Mota (PT) contra. A aprovação, então, foi decidida pelo “voto minerva” de Marquinho Fiorella (PP), atual  presidente vice eleito de Caprino (PRB). O projeto segue agora para a sansão do prefeito cassado Moura Junior (PMDB). 

Foto: Ilustração

Comentar