Após dois anos, reprovação das contas de Dixon volta a andar no TRE-SP

Da Redação
25/04/2019 12:04:25
Após dois anos, reprovação das contas de Dixon volta a andar no TRE-SP

Julgamento de recurso contra desaprovação ainda não tem data para acontecer

Processo estava para análise técnica da sessão de contas eleitorais do tribunal paulista desde março de 2017 e, agora, deve ser encaminhado ao relator do caso

Em dezembro de 2016, o então prefeito eleito de Paulínia, Dixon Carvalho (Progressistas), teve a prestação de contas reprovada pela Justiça Eleitoral da cidade. De acordo com a sentença da juíza Marta Brandão Pistelli, Carvalho declarou ter investido do próprio bolso R$ 681 mil na campanha, sem ter capacidade financeira para isso. Ele, então, recorreu da decisão no TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo).

O recurso chegou ao TRE paulista dia 17 de março de 2017. Três dias depois foi distribuído para o desembargador Costa Wagner e no dia 22 encaminhado para análise técnica da Seção de Contas Eleitorais do Tribunal, onde permaneceu até esta quarta-feira (24), ou seja, durante dois anos. 

Em setembro do mesmo ano, o Correio perguntou à Seção quando o caso seria analisado. “Não há previsão de data”, respondeu o setor (LEIA MAIS...). Agora, o processo deve seguir da Secretaria de Controle Interno do Tribunal para o relator do caso, Costa Wagner, que não tem prazo para colocá-lo em julgamento. 

A reprovação das contas provocou algumas ações judiciais eleitorais contra Carvalho, dentre elas, a AIME (Ação de Impugnação de Mandato Eletivo) que cassou o mandato dele e do vice-prefeito Sando Cesar Caprino (PRB), dia 7 de novembro passado, por captação e gastos ilícitos de recursos na campanha de 2016. O caso ainda aguarda decisão final do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), em Brasília. Enquanto isso, o presidente da Câmara Municipal, Antonio Miguel Ferrari, o Loira (DC), segue como prefeito interino do município.

Foto: TRE-SP

Comentar