Ex-controladores do HMP temem calote da empresa; o salário de setembro de duas funcionárias foram pagos com cheques sem fundos

Da Redação
14/11/2014 20:28:00
Ex-controladores do HMP temem calote da empresa; o salário de setembro de duas funcionárias foram pagos com cheques sem fundos

[imagem] Duas funcionárias da Jorge Luiz de Souza Portarias – ME, de Botucatu, contratada pela Prefeitura de Paulínia para prestar serviços no Hospital Municipal, relataram ao Correio Paulinense Online que foram demitidas pela empresa no último dia 24, mas, até agora, não receberam os salários de setembro  e outubro, além das verbas rescisórias. 


Eliane Maria Ferreira, de 33 anos, apresentou um cheque no valor de R$ 1.373,00, segundo ela, referente ao pagamento do salário de setembro. Já o cheque apresentado por Maria de Jesus Ferreira é de R$ 1.504,00, também referente ao pagamento do mesmo mês. Datados de 10 de outubro, os dois cheques são da conta pessoal de Jorge Luiz de Souza, dono da empresa, e foram devolvidos duas vezes, por falta de fundos.  

“Desde que fomos dispensadas, eles já prometeram várias vezes depositar nossos pagamentos, mas ainda não fizeram. Quarta-feira desta semana o dono da empresa prometeu que pagaria hoje, porém, até agora, não apareceu nada em minha conta. Nós trabalhamos muito e queremos receber, eles não podem fazer isso com a gente, pois não é justo”, disse Eliane.

Segundo Maria de Jesus, a falta de pagamento já está lhe causando sérios transtornos. “As minhas contas estão todas atrasadas, ainda não paguei meu cartão. Acho isso um absurdo, uma covardia com nós, que trabalhamos e cumprimos com as nossas obrigações”, afirmou. As ex-funcionárias contaram que foram indicadas para a empresa pelo vice-prefeito Francisco Almeida Bonavita Barros. “Fui pedir ajuda a ele, mas a secretária disse que Bonavita não podia fazer nada, pois a Prefeitura não tem nada a ver com a empresa”, comentou Maria. Segundo elas, também procuraram Graça Rocha, secretária do prefeito Edson Moura Junior (PMDB), mas a resposta foi a mesma. 

Um terceira funcionária também teria recebido o pagamento de setembro em cheque, que não foi compensado. Segundo Eliane, cerca de 30 ex-funcionários estão na mesma situação. “Exceto Maria, Bruna e eu, os demais não receberam o salário de outubro e os direitos trabalhistas. Eles também contavam receber hoje, mas não receberam”, afirmou ela, e acrescentou: “as carteiras de trabalho de todo mundo estão no RH da empresa, lá em Botucatu”. 

De acordo com informações, a Prefeitura de Paulínia falta pagar uma nota à Jorge Luiz Portarias – ME, que estaria esperando receber para poder acertar com os funcionários. O vereador Sandro Caprino (PRB), líder do governo Moura Junior (PMDB), confirmou na sessão do último dia 28 que realmente a prefeitura estava devendo uma nota fiscal à empresa, mas o pagamento seria feito o mais rápido possível. 

O contrato da Jorge Luiz Portarias com a prefeitura não foi renovado e, por enquanto, guardas municipais controlam o acesso no HMP. Durante toda a tarde de hoje (14), nossa reportagem tentou falar com a empresa, através do telefone (14) 3882.7921, mas ninguém atendeu.

Foto: Reprodução

Comentar