Vereadores, Vice-Prefeito e Secretário de Habitação estiveram reunidos com o banco, na tarde de terça-feira (4)

Da Redação
06/11/2014 12:30:00
Vereadores, Vice-Prefeito e Secretário de Habitação estiveram reunidos com o banco, na tarde de terça-feira (4)

[imagem] Por meio da assessoria de imprensa, a Caixa Econômica Federal informou ao Correio Paulinense Online, terça-feira (4), que solicitou à Prefeitura de Paulínia os dossiês das famílias não aptas ao Residencial Vida Nova, para esclarecimento detalhado dos motivos da exclusão. Nos dias 22 e 23 passados, a Prefeitura divulgou no Semanário Oficial do Município a relação das 593 famílias aprovadas e 58 reprovadas pela Caixa, para receberem as casas do conjunto habitacional, construído por meio do Minha Casa Minha Vida, ao lado do ginásio de esportes do João Aranha.


Na tarde da mesma terça-feira, os vereadores Tiguila Paes (PRTB), Edilsinho Rodrigues (PPS), Custódio Campos (PT), Simeia Zanon (PROS) e Angela Duarte (PRTB), acompanhados do  vice-prefeito, Francisco Almeida Bonavita Barros, e  do secretário de Habitação, Danilo Garcia, participaram de uma reunião na Regional da Caixa, em Campinas. No centro das discussões, os motivos que excluíram 58 famílias do Vida Nova e a possibilidade do banco reavaliar as exclusões.

Os vereadores reclamaram que o banco levou quase um ano para analisar o cadastro das 593 famílias candidatas ao Vida Nova, sorteadas em junho do ano passado. José Augusto Baungart, da Caixa, explicou que pelas regras do banco a Prefeitura pode enviar os cadastros das pessoas a partir do momento que a obra estiver 60% construída. No dia 17 de outubro do ano passado, ou seja, menos de quatro meses depois do sorteio, o secretário Chefe de Gabinete, José Carlos Bueno de Queiróz Santos, informou ao vereador Tiguila Paes (PRTB) que 80% do Vida Nova já estava construído. Na semana passada, a vereadora Angela Duarte (PRTB) já havia levantado que os cadastros das famílias ficaram cerca de seis meses na mesa do prefeito Edson Moura Junior (PMDB).

Sobre a exclusão das famílias, ficou acertado que a Secretaria de Habitação de Paulínia convocará, uma a uma, para explicar porque foram desclassificadas. Entretanto, o secretário Danilo Garcia ainda não informou a partir de quando isso será feito. A reavaliação dos cadastros reprovados pela Caixa foi o ponto alto da reunião. No dia 30, a Prefeitura divulgou que o banco iria reanalisar os casos das pessoas excluídas do residencial, desde que elas entrassem com recurso até ontem, dia 5. 

Na reunião com os vereadores, a Caixa afirmou que este não é o seu procedimento padrão, mas por conta da mudança de prefeito e o fato do Vida Nova ser o primeiro conjunto habitacional do Minha Casa Minha de Paulínia estava abrindo uma exceção para a cidade. Entretanto, o banco ressaltou que dificilmente haverá alterações na lista de aprovados para o residencial.

Foto: Cedida/CMP

Comentar