Moura Junior (PMDB) pretende pagar cerca de 233 milhões públicos para uma empresa “cuidar” do Parque Brasil 500

Da Redação
24/09/2014 22:32:00
Moura Junior (PMDB) pretende pagar cerca de 233 milhões públicos para uma empresa “cuidar” do Parque Brasil 500

[imagem] De acordo com o Tribunal de Contas da União (TCU), a Parceria Público-Privada (PPP) Administrativa é uma modalidade de contrato de concessão paga integralmente pela administração pública. Esta é a modalidade que o prefeito Edson Moura Junior (PMDB) pretende usar para entregar o Complexo Parque Brasil 500 aos cuidados de uma empresa privada, por aproximadamente R$ 233 milhões públicos, durante 30 anos. 


O Aviso de Consulta e Audiência Pública, para colher contribuições sobre a viabilidade técnica e econômico-financeira, minuta de edital e do contrato e respectivos anexos, referentes ao processo de Concorrência da PPP Administrativa do Brasil 500, foi publicado na edição de hoje (24) do Jornal Todo dia, de Americana. A Consulta Pública estará aberta a partir de amanhã, dia 25, até 24 de outubro, e a Audiência Pública está prevista para o dia 08 de outubro, das 15 às 17hs, no Salão Nobre da Prefeitura Municipal de Paulínia.  Em tese, a PPP custará ao município cerca de R$ 650 mil, por mês.

“Com finalidade de promover o desenvolvimento da área do Parque Brasil 500, o Município de Paulínia contratará o presente projeto, que contempla soluções urbanísticas para a região, contemplando áreas de entretenimento, culturais e turísticos, proporcionando o desenvolvimento da região, que, isoladamente, o Município de Paulínia teria dificuldades de oferta em prazo razoável, devido ao alto custo envolvido no projeto”, ressalta o aviso, assinado pelo Secretário-Chefe de Gabinete e Presidente do Conselho Gestor de Parcerias Público-Privadas – CGP de Paulínia, José Carlos Bueno de Queiroz Santos.

O Parque Brasil 500, composto inicialmente pelo maior sambódromo coberto do interior do país, com capacidade para 14 mil pessoas sentadas, um pavilhão de eventos e uma concha acústica, demolida em 2011, no  então governo José Pavan Junior (PSB), após constatadas graves falhas técnicas, foi construído em 1996 pelo ex-prefeito Edson Moura (PMDB), pai do atual prefeito da cidade, e custou cerca de R$ 100 milhões aos cofres públicos municipais.  Atualmente, o local é um verdadeiro elefante branco, completamente sem uso.

Fotos: Arquivo/CP Imagem

Comentar