Marta Brandão Pistelli determinou o acesso de moradores do Residencial Pazetti à votação do PL 37/14

Da Redação
04/09/2014 20:07:00
Marta Brandão Pistelli determinou o acesso de moradores do Residencial Pazetti à votação do PL 37/14

[imagem] Segundo uma fonte ouvida pelo Correio Paulinense Online, o vereador Sandro Caprino (PRB) ficou indignado com a determinação da juíza da 2ª Vara Cível de Paulínia, Marta Brandão Pistelli, garantindo o acesso de 80 moradores do Residencial Pazetti na sessão da Câmara Municipal, terça feira, dia 2. “Se eu fosse presidente da Câmara não cumpriria esta ordem”, disse o líder do governo Moura Junior (PMDB). 


A sessão já havia começado, quando um oficial de justiça, acompanhado da Polícia Militar de Paulínia, notificou o presidente da Casa, Marcos Roberto Bolonhesi, o Marquinho Fiorella (PP), da decisão judicial. Os trabalhos ficaram suspensos até o cumprimento da liminar. “A Justiça quer mandar na cidade”, protestou Caprino (PRB).

O pedido dos lugares no Plenário da 16ª Sessão Ordinária foi feito pela Associação de Moradores do Residencial Pazetti (AMRP). “Neste dia foi votado o projeto para o terceiro módulo do nosso residencial e muitos moradores queriam acompanhar a votação, mas como trabalham só poderiam chegar na Câmara no horário normal da sessão, que começa sempre a partir das 18h. Primeiro pedimos os lugares, antecipadamente, ao presidente da Câmara, mas como ele negou tivemos que recorrer à Justiça”, explicou Bruno Pereira, presidente da AMRP.

O Plenário da Câmara de Paulínia tem capacidade para 238 pessoas sentadas e não 280, como informamos em outra matéria. Nas duas últimas sessões, dia 19 de agosto e 2 de setembro, a maioria dos lugares foi ocupada por moradores de áreas invadidas no município, interessados na votação do polêmico Projeto de Lei 37/2014, de autoria do prefeito Edson Moura Junior (PMDB), que destina parte do terceiro e último módulo do Residencial Pazetti às famílias com renda mensal de 0 a 5 salários mínimos. 

Desde o ano passado, a Presidência da Câmara adotou o sistema de senhas, em dias de votações polêmicas, para evitar superlotação e garantir a segurança das pessoas. Segundo informações, a fila para a sessão de terça-feira (2) começou ser formada na noite do dia anterior. 

Outro lado

O Correio Paulinense Online solicitou, através do e-mail oficial (sandrocaprino@camarapaulinia.sp.gov.br), a versão do vereador Sandro Caprino (PRB) sobre o assunto. Também deixamos a mesma solicitação “inbox” no Facebook do parlamentar, mas até a publicação desta matéria o vereador não havia respondido as nossas mensagens.  

Foto: Lucas Rodrigues/CP Imagem 

Comentar