Defesa queria um adiamento maior, mas recursos no TRE contra diplomas de Prefeito e Vice serão julgados hoje (27)

Da Redação
27/05/2014 03:20:00
Defesa queria um adiamento maior, mas recursos no TRE contra diplomas de Prefeito e Vice serão julgados hoje (27)

[imagem] Três recursos contra a expedição dos diplomas (RCED) do prefeito Edson Moura Junior (PMDB) e o vice dele Francisco Almeida Bonavita Barros (PTB) devem ser julgados hoje (27), pelo colegiado do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de São Paulo. Os réus são acusados pelo Ministério Público Eleitoral (MPE), Procuradoria Regional Eleitoral (PRE) e o ex-prefeito José Pavan Junior (PSB) de compra de votos (captação ilícita de sufrágio), abuso de poder econômico, corrupção ou fraude nas Eleições Municipais 2012, além de improbidade administrativa e rejeição de contas públicas.


O triplo julgamento dos Recursos nº 9633, 9803 e 9718 de 2013 deveria ter ocorrido na quinta-feira, dia 22, mas o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) acatou o pedido de adiamento feito pelo réu Francisco Almeida Bonavita Barros (PTB), na tarde do dia anterior. A estratégia para adiar a decisão do TRE começou no dia 15 deste mês, quando Bonavita (PTB) contratou o advogado Miguel Pereira Neto para compor a sua defesa. 

“Recém-chegado” no processo, Neto esperava mais tempo para conhecer a ação e consequentemente montar a defesa de seu cliente, entretanto, a desembargadora Diva Malerbi concedeu o adiamento por apenas uma sessão, ou seja, do dia 22 para o dia 27 (cinco dias). O Correio Paulinense Online apurou que o advogado já atuava nos bastidores da causa, portanto, conhece bem as acusações que pesam contra Bonavita (PTB). 

Nossa reportagem conversou com um advogado sobre eventuais possibilidades do julgamento não ocorrer hoje. “Dois motivos podem provocar um novo adiamento: se um dos desembargadores presentes na sessão do dia 22 não comparecer hoje ou se um deles pedir vista dos autos, durante o julgamento. Não acontecendo nada disso, o julgamento será realizado normalmente”, afirmou ele. Seja qual for a decisão de hoje, cabe recurso ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Foto: TRE (Tribunal Regional Eleitoral)

Comentar