O “down” Ricardo Santos, é um dos alunos vítimas do descaso de Moura Junior (PMDB) com a respeitada APAE

Da Redação
24/04/2014 23:31:00
O “down” Ricardo Santos, é um dos alunos vítimas do descaso de Moura Junior (PMDB) com a respeitada APAE

[imagem] 98 alunos excepcionais dispensados, 28 dos 38 funcionários diretos demitidos e uma série de outras dificuldades. Este é o balanço da situação da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) de Paulínia, desde que o prefeito Edson Moura Junior (PMDB) reduziu em  80% a subvenção que a entidade recebia do município.

Durante o ano de 2013, a Apae de Paulínia recebeu R$ 1.200.000,00 (um milhão e duzentos mil reais) de subvenção, destinada pelo ex-prefeito José Pavan Junior (PSB) e aprovada pela Câmara Municipal, em dezembro de 2012. O ex-prefeito também programava uma subvenção ainda maior para a entidade, este ano: R$ 1.393.723,90 (um milhão, trezentos e noventa e três mil, setecentos e vinte e três reais e noventa centavos), mas deixou a Prefeitura antes do aumento ser enviado à Câmara Municipal.

O novo prefeito, que assumiu o cargo em julho passado por determinação do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e hoje permanece na Prefeitura por força de uma liminar da desembargadora Diva Malerbi (TRE), reduziu a verba da entidade para R$ 240.000,00 (duzentos e quarenta mil reais), divididos em 10 parcelas mensais de R$ 24 mil. A medida provocou um colapso nas contas da Apae, que sem dinheiro para manter a sua estrutura, foi obrigada a reduzir drasticamente o número de alunos (de 128 para 30) e de funcionários diretos (de 38 para 10). Mesmo reduzindo os custos a entidade ainda enfrenta sérios problemas financeiros.

Na tarde de ontem (23), pais, alunos e diretores da Apae de Paulínia protestaram em frente ao Fórum da cidade, pedindo a reabertura das vagas em salas de aula.  A entidade contestou judicialmente a redução da subvenção, mas a juíza Maria Raquel Campos Pinto Tilkian Neves disse que cabe ao prefeito, com o aval dos vereadores, determinar o valor do repasse. 

Uma professora da Apae, que preferiu não se identificar, contou ao Correio Paulinense Online que dos 15 alunos dela, nos dois períodos (manhã e tarde), restaram apenas quatro. “Outras duas salas ficaram sem nenhum aluno”, afirmou ela. Também de acordo com a professora, dos 75 alunos da APAE que participavam da oficina preparatória para o mercado de trabalho ficaram apenas 8. “Temos alunos trabalhando no Mc Donald’s, na Orsa, Supermercado Paulistão, entre outras empresas. Infelizmente, não podemos mais oferecer para todos um trabalho tão importante como este”. 

Desde que cortou drasticamente a subvenção da Apae e de outras importantes entidades sociais da cidade, Como Aupacc (Amigos Unidos Por Amor Contra o Câncer), Casa do Menor, Lar São Francisco de Assis, entre outras, o prefeito Edson Moura Junior (PMDB) nunca havia se manifestado sobre o assunto. Depois da repercussão na mídia do protesto de ontem (23), hoje o prefeito pronunciou-se através de Nota Oficial. Amanhã você confere uma matéria especial sobre a Nota da administração e a posição da entidade APAE sobre as declarações do prefeito Moura Junior (PMDB).


Fotos: Lucas Rodrigues /CP Imagem

Comentar