Exclusivo: Lacerda afirma que cerca de R$ 70 milhões dos servidores de Paulínia tiveram investimentos indicados pela Plena

Da Redação
13/03/2014 02:42:00
Exclusivo: Lacerda afirma que cerca de R$ 70 milhões dos servidores de Paulínia tiveram investimentos indicados pela Plena

[imagem]  Mizael Marcelly

A operação “Fundo Perdido” da Polícia Federal prendeu anteontem (11) sete pessoas acusadas de participação em fraudes contra fundos de pensão de servidores municipais em 107 cidades de 9 Estados.  De acordo com a PF os suspeitos presos pertencem a Plena Consultoria, montada pelo grupo para indicar as melhores alternativas de investimentos aos fundos de pensão. As investigações iniciadas em 2012 apontaram que os gestores dos fundos recebiam comissão para investirem o dinheiro dos servidores municipais nas aplicações sugeridas pela Plena Consultoria. 

Além das cidades onde as fraudes já foram comprovadas, a Polícia Federal investiga também os fundos de previdência de várias prefeituras paulistas, entre elas, a de Paulínia. O Instituto Pauli Prev administra quase R$ 700 milhões, depositados pelos servidores paulinenses para garantir a aposentadoria no futuro. A empresa Plena também presta consultoria financeira à previdência do funcionalismo municipal. O atual presidente do Pauli Prev, Mário Lacerda, aceitou conversar com nossa reportagem sobre a atuação da organização criminosa em Paulínia.


Lacerda foi nomeado presidente do instituto, em julho do ano passado, pelo prefeito Edson Moura Junior (PMDB). Segundo ele, de lá para cá, cerca de R$ 70 milhões da Previdência dos Servidores de Paulínia foram investidos em aplicações financeiras sugeridas pela Plena Consultoria. Contratada por Lacerda, a empresa recebia R$ 600,00 por mês pelos serviços de consultoria. “Independente de terem sido indicados pela Plena, todos os investimentos foram feitos dentro dos critérios legais e procuramos conhecer, antes de investirmos, todos os fundos sugeridos por ela. Salvo os riscos normais de mercado, o patrimônio do servidor de Paulínia está em segurança”, afirmou ele. 

Segundo Lacerda, ele ficou sabendo pela imprensa da operação da Polícia Federal contra a Plena Consultoria. “É óbvio que não estamos confortáveis com esta situação. Ficamos surpresos e muito preocupados, pois, até então, não havia nada que desabonasse a Plena. Hoje existe uma denúncia muito grave contra a empresa e que precisa ser apurada”, comentou.  O presidente do instituto disse também que desde quando o escândalo veio à tona tem tentado falar com os diretores da empresa, mas ainda não conseguiu. “Provavelmente conseguiremos ouvir a versão da Plena ainda esta semana”, explicou. 

Perguntamos à Lacerda se, além dos R$ 600,00 mensais, a Plena ganha algum outro valor para intermediar os investimentos feitos com o dinheiro dos servidores de Paulínia .“Sinceramente não sei. Isso é uma questão da empresa com os fundos de aplicação”, ressaltou.  O presidente admite que pode ter errado ao contratar à Plena. “Mas se eu errei não errei sozinho e sim com mais de 100 cidades. Posso até cair, mas estou certo que tomei todas as precauções em relação aos investimentos sugeridos pela Plena”.

Tão logo a operação “Fundo Perdido” virou destaque na mídia nacional, Lacerda informou, através de Nota publicada no site do Instituto Pauli Prev, a suspensão do contrato com a Plena Consultoria e Investimentos, por tempo indeterminado, até que todas as informações veiculadas na imprensa, sobre possíveis fraudes em fundos de investimentos previdenciários sejam devidamente esclarecidos pela Polícia Federal. “Continuaremos aguardando o pronunciamento da empresa, mas repito que estou absolutamente tranquilo em relação aos investimentos sugeridos por ela, finalizou Lacerda.

Foto: Lucas Rodrigues/CP Imagem

Comentar