A Apae e outras instituições importantes da cidade tiveram as subvenções reduzidas drasticamente pelo prefeito Moura...

Da Redação
14/02/2014 02:30:00
A Apae e outras instituições importantes da cidade tiveram as subvenções reduzidas drasticamente pelo prefeito Moura Junior

[imagem] Presidente da Federação das APAES do Estado de São Paulo e deputado federal pelo PSB, Marco Aurélio Ubiali esteve em Paulínia, na tarde de ontem (13), visitando a unidade local da instituição, que atende cerca de 137 portadores de deficiências. Ubiali foi recebido por Valmir Brustolin e Genésio Pires, respectivamente, presidente e diretor financeiro da escola especial.

Depois a comitiva seguiu para a Câmara Municipal, onde era aguardada pelo ex-prefeito José Pavan Junior (PSB), o presidente da Casa, Marcos Roberto Bolonhesi, o Marquinho Fiorella (PP), e a vereadora líder do PRTB Municipal, Angela Duarte. Também participaram do encontro os vereadores Danilo Garcia (PCdoB), Tiguila Paes (PRTB) e Gustavo Yatecola (PTdoB). 


Ubiali abriu a reunião ressaltando a importância da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) para as comunidades de todos os municípios onde a entidade atua. “A APAE é maior que todos nós, pois presta um serviço de valor inestimável à sociedade. A nossa maior financiadora é a comunidade e a Câmara Municipal representa a comunidade, por isso devemos nos unir para resolver o problema da APAE de Paulínia”, disse ele. 

O  deputado afirmou que conversará com o prefeito de Paulínia, Edson Moura Junior (PMDB), “para ver o que pode ser feito”, no sentido de reverter a drástica redução do subsídio repassado pela Prefeitura à entidade local. “Criar o problema é fácil, porém, resolvê-lo pode levar meses”, ponderou Ubiali. 

Em seguida, Valmir Brustolin, destacou que a APAE não é uma empresa que trata de lucros ou prejuízos. “Tratamos de vidas especiais, portanto, não podemos dizer para uma criança que não temos mais como atendê-la. Não podemos simplesmente mandar os funcionários para casa porque não temos como pagar seus salários”, disse ele. De acordo com Brustolin os funcionários da APAE de Paulínia estão sem receber há dois meses. “Tem funcionários sem trabalhar por falta de dinheiro para a passagem de ônibus”, afirmou. 

Brustolin disse também que 62% das mães da APAE cuidam sozinhas de suas crianças especiais, porque os maridos a abandonaram. “Assim como as crianças, elas também estão sofrendo muito. Temos que nos unir em busca de uma solução, caso contrário a APAE da cidade vai à falência e deixar de atender aquelas crianças não será nada fácil”.  O presidente explicou ao deputado Ubiali que a administração Edson Moura Junior (PMDB) justificou que a redução da verba da APAE, de R$ 1.200.000,00 (um milhão e duzentos mil reais) em 2013 para R$ 240.000,00 (duzentos e quarenta mil) em 2014 (R$ 20 mil por mês), teria sido uma determinação do Ministério Público de Paulínia.

“Fomos pegos de surpresa. Ficamos sabendo oficialmente da redução no dia 6 de janeiro e todos sabem que entidades subvencionadas pelo poder público não podem virar o ano com dinheiro da subvenção em caixa. Sobrou, tem que devolver”, explicou Brustolin e acrescentou: “por isso estamos zerados”. 

O ex-prefeito José Pavan Junior (PSB) falou em seguida. “Quando estive à frente da Prefeitura, todas as vezes que recebia do MP uma orientação como esta, logo marcava uma reunião com os promotores para juntos encontrarmos uma saída consensual. Por isso, acho que poderiam sim terem conversado com o MP e programado as mudanças gradativamente, sem traumas e respeitando a decisão da promotoria.  O MP, o Judiciário em geral não são insensíveis à este tipo de problema”, disse Pavan.  O ex-prefeito de Paulínia salientou que a APAE se tornou uma parceira da Prefeitura pois  atende a demanda da educação especial. “O importante é o ser humano, que deve ser atendido acima de vaidades”, complementou o deputado Ubiali. 

Angela Duarte (PRTB) esclareceu que a Câmara Municipal ficou de mãos atadas, diante do problema. “Simplesmente mandaram para nós o Projeto de Lei com os valores reduzidos das subvenções para as entidades e pronto. Não somos ordenadores de despesas e sim fiscalizadores do Executivo”.  Diante da justificativa de que o MP de Paulínia teria ordenado os novos valores das subvenções repassadas à APAE, Casa do Menor, Aupacc e Centro São Francisco de Assis, a vereadora lembrou que a atual administração está lutando judicialmente por tantas causas menores, portanto, deveria lutar pelas entidades, junto à Promotoria. “Somente quem tem um filho especial é capaz de entender”, disse ela.

O presidente Marquinho Fiorella (PP) sugeriu que o deputado Ubiali tente convencer o prefeito Moura Junior (PMDB) à firmar um convênio com a APAE. “O prefeito deve ir conversar comigo lá em Brasília, mas caso isso não aconteça voltarei à Paulínia pra tentar falar com ele”, respondeu o deputado. 

Fotos: Lucas Rodrigues/CP Imagem

Comentar