Ex-vereadores vão tentar novos mandatos na Câmara

Da Redação
12/09/2020 20:09:48
Ex-vereadores vão tentar novos mandatos na Câmara

Apenas Custódio será oficializado neste domingo (13)

Até o momento, as convenções partidárias aprovaram oito candidatos que já passaram pelo Legislativo municipal

Com base nas listas de candidatos a vereador aprovadas pelas convenções partidárias já realizadas, o Correio levantou oito ex-parlamentares que vão tentar novos mandatos na Câmara Municipal de Paulínia (CMP), nas eleições deste ano. Amanhã (13), o Partido dos Trabalhadores (PT) vai oficializar o nono: Custódio Campos, que já disputou o Legislativo quatro vezes. Abaixo, você confere o resumo do perfil político de cada um, por ordem alfabética. 

Amarildo José Rodrigues da Silva, o Amarildo (PSB), começou a disputar uma vaga na Câmara em 2004, pelo antigo PFL ,atual DEM. Obteve 735 votos e ficou suplente. Em 2008, já pelo DEM, foi eleito com 1.278 votos. Na eleição seguinte (2012), filiado ao PT do B, recebeu 1.041 votos, mas não conseguiu se reeleger. Em 2016, tentou voltar, dessa vez pelo PC do B, mas recebeu apenas 378 votos.  Na Câmara, o ex-vereador apresentou 336 Indicações, 4 Projetos de Lei e 132 Requerimentos.

Angela Duarte (PODEMOS), bacharel em Direito e técnica de enfermagem do Hospital Municipal de Paulínia (HMP), há 27 anos, disputou quatro vezes para vereadora. Em 2000 e 2004 concorreu pelo PMN, e recebeu 78 e 153 votos, respectivamente. Na eleição seguinte (2008), ela disputou pelo PTB e registrou 290 votos. O primeiro e único mandato veio em 2012, pelo PRTB, com 1.034 votos.  Em 2016, concorreu à vice-prefeita da cidade, na chapa PSDB/PRTB, encabeçada pelo ex-prefeito José Pavan Junior, e perdeu. Na Câmara, a ex-vereadora apresentou 193 Indicações, 1 Projeto de Lei e 243 Requerimentos. 

Claudio Roberto Vieira, o Neco Vieira (PL), vai disputar uma vaga na Câmara Municipal pela sexta eleição consecutiva. Concorreu a primeira vez em 2000, pelo PMN, e foi eleito com 316 votos. Se reelegeu em 2004, pelo mesmo partido, com 909 votos. No entanto, perdeu as três eleições seguintes: 2008 (PTB), 2012 (PRTB) e 2016 (PROS), quando recebeu 1.127, 808 e 634 votos, respectivamente. Em 2012, foi convocado para assumir os últimos três meses de mandato do então vereador Marcos Roberto de Bernarde, o Marquinho da Bola, cassado pela Justiça Eleitoral por infidelidade partidária. Na Câmara, o ex-vereador apresentou 428 Indicações, 12 Projetos de Lei e 110 Requerimentos.

Custódio Campos (PT) estreou na vida pública em 2000, quando disputou, pela primeira vez, a Prefeitura de Paulínia e recebeu 2.850 votos. Nas quatro eleições seguintes, o petista concorreu à uma vaga na Câmara Municipal. Perdeu duas - 2004 (701 votos) e 2016 (209 votos) -  e venceu em 2008 e 2012, com 702 e 608 votos, respectivamente.  No ano passado, foi escolhido pelo PT para disputar a primeira eleição suplementar do município. Obteve 1.954 votos, terminando em oitavo lugar, entre os nove candidatos que disputaram. Na Câmara, o ex-vereador apresentou 375 Indicações, 10 Projetos de Lei e 351 Requerimentos. 

Heitor Cortez (PATRIOTA) disputou a primeira vez para vereador em 1992, pelo PFL (atual DEM). Conquistou 345 votos, e ficou como suplente. No entanto, o vereador eleito Luiz Carlos Freiria, o popular Luizão Freiria, foi convidado para assumir a pasta municipal de Esporte, e Cortez assumiu o mandato, que terminou em 31 de dezembro de 1996. Em 1994, ele disputou para deputado federal, mas não foi eleito. Em 2004, ainda no antigo PFL, Cortez tentou voltar ao Legislativo, mas obteve apenas 144 votos, e não conseguiu. Na Câmara, o ex-vereador apresentou 19 Indicações e 3 Projetos de Lei.

João Carlos Mota, o Doutor João Mota (PSB), advogado, concorreu três vezes ao Poder Legislativo Municipal, e venceu uma. Em 2008 e 2012 disputou pelo Partido dos Trabalhadores (PT). Na primeira, obteve 535 votos, e terminou suplente.  Na corrida seguinte (2012), foi votado por 628 eleitores e conquistou o seu primeiro e único mandato na Câmara, até o momento. Em 2016, o então vereador migrou para o PV (Partido Verde), recebeu 731 votos, mas não conseguiu se reeleger. Na Câmara, o ex-vereador apresentou 268 Indicações, 10 Projetos de Lei e 142 Requerimentos. 

Odair Bordignon (CIDADANIA) disputou e venceu cinco eleições consecutivas: 1989, 1992, 1996, 2000 e 2004, a maioria com votações expressivas. Em 1996 e 2000, ele concorreu pelo PSDB e foi eleito com 1.026 e 701 votos, respectivamente. Na eleição seguinte, Bordignon trocou o PSDB pelo PDT, recebeu 1.173 votos, e foi reeleito para o seu quinto e último mandado. Os dados das eleições de 1989 e 1992 não estão disponíveis no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Além de Bordignon, apenas o ex-vereador Bonavita (PTB) concorreu e venceu cinco vezes seguidas para o Legislativo. Na Câmara, o ex-vereador apresentou 822 Indicações, 42 Projetos de Lei e 600 Requerimentos. 

Sandro Caprino (Republicanos) disputou duas eleições para vereador e uma para vice-prefeito de Paulínia. A primeira para a Câmara foi em 2008, pelo antigo PPS (atual Cidadania), obteve 697 votos, mas não conseguiu se eleger. Na eleição seguinte (2012), já no PRB (hoje, Republicanos), foi eleito para o primeiro e único mandato legislativo, com 1.482 votos. Presidiu a Câmara entre 2015 e 2016.  Em 2016, concorreu e venceu para vice-prefeito, na chapa do ex-prefeito Dixon Carvalho. Na Câmara, o ex-vereador apresentou 254 Indicações, 2 Projetos de Lei e 134 Requerimentos.

Siméia Zanon (PTB) disputou uma cadeira legislativa, pela primeira vez, em 2000, quando era filiada ao PMN. Obteve 267 votos, e terminou suplente. Não disputou a eleição seguinte (2004). Já filiada ao PSDC, atual DC (Democracia Cristã), concorreu e venceu em 2008 e 2012, com 709 e 1.249 votos, respectivamente. No entanto, em março de 2015, foi afastada do cargo por decisão do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), que lhe devolveu o mandato só no final de 2016. No tempo em que a vereadora ficou fora da Câmara, sua cadeira foi ocupada pelo então suplente Flávio Xavier. Na Câmara, a ex-vereadora apresentou 370 Indicações, 10 Projetos de Lei e 260 Requerimentos. 

Com dados da Justiça Eleitoral, Câmara Municipal de Paulínia e Convenções Partidárias 2020.

Fotos: Reprodução/Redes Sociais

Comentar