Trânsito matou dez pessoas em Paulínia no ano passado

Da Redação
04/02/2020 16:02:41
Trânsito matou dez pessoas em Paulínia no ano passado

Passageira neste Ford/Ka não resistiu aos ferimentos e morreu

Pelo menos três vítimas foram atropeladas na Zeferino Vaz; entre as mortes dentro da cidade está a de uma mulher de 59 anos, em dezembro passado

De acordo com o SIG (Setor de Informação Geográfica) da Guarda Municipal (GM) de Paulínia, no ano passado a cidade registrou 326 acidentes de trânsito com vítimas – sete a menos que em 2018.  Dez pessoas morreram. Segundo Alexandre Mendes, comandante da corporação, o levantamento do SIG contabilizou as ocorrências atendidas pela GM e Polícia Militar, bem como os casos que são registrados diretamente no plantão da Delegacia de Polícia Civil do município. 

Das dez mortes ocorridas no trânsito municipal, em 2019, pelo menos três foram por atropelamentos na Rodovia Professor Zeferino Vaz. Em julho, uma jovem de 22 anos foi morta por uma ambulância da Prefeitura de Arthur Nogueira, no Km 127 da rodovia. No mês seguinte, um caminhão matou um homem que atravessava no Km 118, próximo a Betel. O helicóptero Águia da Polícia Militar foi acionado para prestar socorro, mas a vítima não resistiu aos ferimentos e morreu no local. Em setembro, novamente no Km 127, em frente à empresa Syngenta, mais uma vítima fatal: um homem, aparentando ter entre 30 e 35 anos, atropelado e jogado contra um ônibus por um carro de passeio.

Dentro da cidade, um dos acidentes aconteceu no cruzamento das Avenidas Brasília e Oswaldo Piva, no Monte Alegre, dia 1º de dezembro passado, e acabou provocando a morte de uma mulher de 59 anos. O Ford/Ka em que ela estava colidiu com uma caminhonete Mitsubishi L200 Triton. A senhora e os motoristas dos veículos foram levados para o Pronto-Socorro do hospital municipal, mas somente ela não resistiu aos ferimentos.  Segundo o SIG da GM,  o João Aranha, com 22, e o Nova Paulínia, com 10, registraram o maior e menor índices de acidentes de trânsito, por bairros, no ano passado. 

Foto: Reprodução

Comentar