Coligação de Cazellato consegue barrar divulgação de pesquisa para prefeito

Da Redação
15/08/2019 13:08:13
Coligação de Cazellato consegue barrar divulgação de pesquisa para prefeito

Diretor da empresa de pesquisa disse que "não fizemos nada fora da legislação eleitoral"

Levantamento foi feito pela Data News Brasil Opinião Pesquisa e Consultoria e ouviu 596 eleitores de Paulínia, entre os dias 7 e 8 deste mês

A Coligação “Paulínia com Atitude” (PSDB/PL) entrou judicialmente contra uma pesquisa de intenção de voto para prefeito da cidade realizada pela Data News Brasil Opinião Pesquisa e Consultoria, com sede em Barretos (SP). A empresa entrevistou 596 eleitores paulinenses, entre os dias 7 e 8 deste mês, em todas as regiões do município. A pesquisa foi registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sob o número 694/2016, e a divulgação do resultado estava prevista para acontecer a partir de terça-feira (13).

Entretanto, a coligação do candidato a prefeito Du Cazellato (PSDB) contestou a metodologia da pesquisa e conseguiu na justiça a suspensão da divulgação do resultado. “Embora aparentemente regular, em verdade, a pesquisa apresenta em “metodologia” a previsão de identificação do entrevistado, o que é terminantemente vedado pelo artigo 13, da Resolução 23.549/2017”, alegou a “Paulínia com Atitude”.  A juíza eleitoral de Paulínia, Marta Brandão Pistelli, concordou com a coligação partidária e suspendeu a publicidade do resultado. 

O Correio procurou a Data News Brasil. “A nossa metodologia prevê a identificação de parte dos entrevistados para que possamos revisitá-los e confirmar se realmente eles responderam a pesquisa. Todos os institutos fazem isso. No entanto, os dados dos eleitores não são compartilhados com terceiros, em nenhuma hipótese”, explicou Alberto Barros, diretor da empresa. . 

Segundo consta no registro do TSE, a Data News Brasil realizou a pesquisa em Paulínia por conta própria, ou seja, não foi contratada por nenhum partido, coligação ou candidato. “O resultado não será divulgado, mas prestaremos todas as informações à Justiça Eleitoral de Paulínia e mostraremos que não fizemos nada fora da legislação eleitoral”, concluiu Barros. 

Foto: Ilustração

Comentar