"Isso demonstra que estou incomodando criminosos”, diz delegado sobre “fake news”

Da Redação
16/03/2018 19:03:08

Delegado titular de Paulínia disse ter tido "acesso de riso" ao ler "mensagem"

Rodrigo Luís Galazzo quer que a Corregedoria da Polícia Civil apure notícia sobre ele, espalhada via WhatsApp: “Vou pedir apuração cabal dos fatos”

Nem as autoridades escapam da onda de notícias falsas, as chamadas “fake news”, que, como sabemos, não é um fenômeno exclusivo do Brasil, nem restrito às redes sociais. Cada vez mais, elas são disseminadas livremente em aplicativos de mensagens, e, na maioria das vezes, imunes a qualquer tentativa de checagem de sua veracidade.

Nesta quarta-feira (14), o delegado titular de Paulínia, Rodrigo Luís Galazzo, foi alvo de uma “fake new” disparada para várias pessoas, via WhatsApp, pelo dono de um telefone móvel, cujo número (+1 910 623.8123), segundo levantou o Correio, é de Greensboro, na Carolina do Norte (EUA).

“Márcio Leão entrega esquema de corrupção que acontecia dentro da delegacia. Segundo Leão, Pedrinho e Rodrigo (delegado da cidade) estariam envolvidos em um esquema de corrupção a tempos. Hoje o delegado nem veio trabalhar. E Pedrinho foi devolvido de imediato para a guarda municipal. Em breve mais notícias do korns News”, diz a “fake news”, enviada, também, ao WhatsApp do Correio.

Na manhã desta sexta-feira (16), o delegado falou ao Correio sobre a notícia falsa. Segundo Galazzo, ele já tinha tomado conhecimento da mensagem pelo delegado adjunto, Carlos Renato de Melo Ribeiro. “Isso demonstra que estou incomodando criminosos e, sobretudo, no caminho certo em relação a eles e à criminalidade. Quando recebi a mensagem tive um acesso de riso, foi um divertimento”, disse o delegado.

Para Galazzo, como não há fatos concretos contra a sua idoneidade, tentam colocar um “combustível” para desmotivá-lo. “Pelo contrário. Esse tipo de coisa só me estimula mais”, afirmou. O próprio delegado decidiu pedir à Corregedoria da Polícia Civil a “apuração cabal dos fatos”, já que, segundo ele, a mensagem coloca em dúvida a sua conduta policial. “Segunda-feira, tudo será encaminhado à Corregedoria”, informou.

O delegado ressaltou, também, que todas as pessoas citadas na mensagem tiveram seus nomes usados indevidamente. Galazzo chama de “leões dos teclados” aqueles que escrevem e propagam notícias falsas. “No meu caso, se eles têm alguma denúncia verdadeira e concreta, que formalizem, assinando, na Corregedoria ou no Ministério Público (MP) ”, sugeriu. Ele finalizou criticando a qualidade dos textos mentirosos: “Façam um curso de redação ou voltem a estudar, pois, me parecem semianalfabetos”.

Foto: Divulgação

Comentar