TRANSPORTE ESCOLAR: Chamou os pais dos alunos? Soltou informativo nas escolas? O prefeito foi ao Facebook informar as mudanças? GOVERNO QUE...

Da Redação
04/12/2017 23:12:48
TRANSPORTE ESCOLAR: Chamou os pais dos alunos? Soltou informativo nas escolas?  O prefeito foi  ao Facebook informar as mudanças? GOVERNO QUE “NÃO SE COMUNICA, SE TRUMBICA”!

Quem terá ou não direito a transporte escolar em 2018?

Boaaaaaaaaaaaaaaaa nooooooooooooooite, meus amoooooooooooooores!!! “Quem não se comunica, se trumbica”, já dizia o saudooooooooooso e amaaaaaaaaaaaaaaaaaaado Chacrinha, o nosso Velho Guerreiro, nas tardes de sábado globais, lááááá nos anos 80. Pois é, o governo Dixon (PP) vive se trumbicando, justamente, porque não gosta ou não quer saber de comunicação. Em março, na primeira coletiva do prefeito com a imprensa local, apontei essa deficiência, ele foi receptivo, me deu razão, e prometeu melhorar. Não melhorou.  

Quatro meses depois, ele foi ao Facebook dizer, entre outras coisas, o seguinte: “Quero informar a vocês que, agora nós estamos com a nossa equipe de comunicação mais afinada, que nós vamos ter a oportunidade de estar sempre passando para vocês todas as informações da Prefeitura, para que vocês possam estar sempre sintonizados em tudo aquilo que vamos fazer. E, as respostas serão rápidas”. Hoje, outros quatro meses depois, a comunicação pepista continua zero, principalmente, em relação ao que o governo pretende fazer. 

E digo mais: nas quatro vezes em que usou as redes sociais para se “comunicar” com a população, Dixon (PP) “falou, falou” e “não disse nada”. Suas falas são sempre confusas, incompletas ou genéricas e, principalmente, imprecisas, frustrando sempre a expectativa pública. Será que o prefeito, ou alguém de sua equipe, não sabe que é comum o Chefe do Poder Executivo, exímio ou não em oratória, usar discursos escritos para não cometer gafes, dar informações incompletas ou erradas, como a história do Rinoceronte? Ele chama a assessoria, passa pauta, a assessoria elabora o texto, ele revisa e depois lê, naturalmente, para o público. É assim que funciona, em todo lugar. Agora, esse negócio de ficar improvisando, quando não se tem o dom do improviso, só termina em bizarrices e coisas mal explicadas, que geram todo tipo de especulação.

O exemplo mais recente do quanto a falta de comunicação prejudica ambos os lados (governo e população) é o caso do transporte escolar municipal.  A administração Dixon (PP) pretende reduzir em R$ 32 milhões a verba para transportar os alunos no ano que vem.  A redução está no Orçamento 2018, em tramitação na Câmara. Tanto dinheiro a menos, logicamente, significa bem menos alunos atendidos por um benefício oferecido pela Prefeitura há tantos anos.  

Porém, até agora, a administração não informou as novas regras, quem terá direito, quem não terá direito, quantos alunos serão atendidos e quantos deixarão de ser, ou, seja comunicação zero.  Chamaram os pais dos alunos? Não. Enviaram nota à imprensa? Não. Soltaram um informativo nas escolas? Não. O prefeito foi ao Facebook informar as mudanças? Não. Os profissionais de Educação foram devidamente orientados, para poderem orientar os pais? Pelo visto, também, não.

Sexta-feira (1), Isabel Cristina, moradora do Cooperlotes, postou nas redes sociais que seu filho estuda numa escola em Betel, não por opção dela, mas porque a Prefeitura teria o mandado para lá. Ainda segundo Cristina, a escola teria pedido que ela assinasse um termo assumindo o contrário, ou seja, que ela optou por matricular o filho a “duas mil léguas” distante de casa. Com isso, ela passaria a se responsabilizar pelo transporte do filho. 

Depois que o Termo de Responsabilidade/Transporte foi divulgado, nas redes sociais, pela mãe do Cooperlotes,  o Diretor Pedagógico da Secretaria de Educação, Regis Luiz Lima de Souza, nomeado pelo prefeito Dixon (PP) em março passado, apareceu com explicações sobre o assunto.  Também, não explicou muita coisa. O texto do diretor foi postado no Facebook por André Rolin, outro comissionado do governo Dixon (PP), que chamou de “mentira deslavada e maldosa”, o que, segundo ele,  “andam espalhando por aí sobre o transporte escolar”. 

Pois é, o único responsável por toda essa confusão de informações é o próprio governo Dixon (PP), que (REPITO) não se comunica com a população. A discussão, neste momento, não é se a medida é certa, errada, justa ou injusta, legal ou ilegal. De jeito nenhum. Mas sim, que a administração deveria informar com clareza e antecedência  as mudanças que vão mexer  com milhares de pessoas. 

O Orçamento 2018, com a drástica redução na verba para o transporte escolar, foi protocolado na Câmara dia 29 de setembro. Ou seja, o governo Dixon (PP) teve mais de dois meses para informar as novas regras do transporte escolar, a partir do ano que vem, e não o fez. Por quê?  Poderia ter evitado tantas especulações ou “mentiras deslavadas e maldosas”, como disse RolinPrimeiro faz, depois, quando o furdunço tá feito, aí aparece para explicações “meia boca”. Que governo é esse? Dá licença!!!

Uma fonte no governo me disse que o empresário Marquinho Chedid, dono da Sancetur, uma das empresas do transporte escolar da city, esteve com Dixon (PP) quarta-feira passada, discutindo o futuro do serviço oferecido aos estudantes. Segundo a gaivota, Chedid saiu tão animado da reunião com o prefeito,  que foi direto para a garagem da empresa, na city, informar aos funcionários que não haverá mais demissões. Oxente!!! Agora, lascou!!! Será que Dixon (PP) prometeu ao empresário que o corte não afetará o contrato e, consequentemente, o  faturamento da Sancetur? Para Chedid sair dando pulos de alegria, como informou a fonte, o que mais poderia ser?

Bem, para finalizar este assunto, por ora, e a coluna de hoje, a verdade é que, com  R$ 32 milhões a menos em 2018, o transporte escolar deixará de atender centenas ou, quiçá,  milhares de estudantes  da rede municipal.  Somente no transporte do ensino fundamental, de 6 a 14 anos, o governo Dixon Carvalho (PP) pretende cortar  R$ 19.020.000,00 (dezenove milhões e vinte mil reais). Já no ensino infantil, de 0 a 5 anos, a redução será de R$ 12.290.000,00 (doze milhos, duzentos e noventa mil reais).  O profissionalizante vai perder R$ 1.200.000,00 (um milhão e duzentos mil reais) em investimento, no próximo ano. É pouco, ou quer mais? A palavra final será dos vereadores. Vamos aguardar!!!

Uma semana abençoaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaada, repleta de bênçãos, maravilhas e muito protegida por NOSSO SENHOR JESUS CRISTO. Muuuuuuuuitos beeeeeeeeeeeijos e abraaaaaaaaaaaaaaaaços!!! Au revoir!!! 

Foto: Correio Imagem

Comentar