"Não há qualquer afastamento oficial", diz titular de Paulínia

Da Redação
11/10/2017 23:10:25

Galazzo diz que não houve notificação de afastamento do caso

Segundo Rodrigo Luís Galazzo, busca na casa do filho de Lula, em Paulínia, foi feita dentro da lei

O delegado titular de Paulínia, Rodrigo Luís Galazzo, falou ao Correio sobre o afastamento do caso envolvendo Marcos Cláudio Lula da Silva, filho adotivo do ex-presidente Lula, em Paulínia. "O que posso garantir é que todo trabalho foi realizado dentro da lei", afirmou Galazzo.

Na tarde desta terça-feira (10), a equipe do Setor de Investigações Gerais (SIG) de Paulínia, realizou busca e apreensão na residência do filho de Lula, no bairro Morumbi. Computador, notebooks e outros objetos de informática foram confiscados pelos policiais. O mandado foi expedido pela juíza Marta Brandão Pistelli. 

No início desta noite,  a imprensa nacional divulgou que o governador Geraldo Alckmin (PSDB) teria afastado o delegado do caso. "Não há qualquer afastamento oficial", afirmou ele. 

A ação da Civil de Paulínia, na casa do filho do ex-presidente, está sendo considerada "abusiva", por ter sido baseada em uma suposta denúncia anônima, apontando consumo de drogas no local. Os investigadores não encontraram nenhuma substância ilícita na residência e acabou apreendendo os equipamentos de informática. 

Defesa
Em nota à imprensa, o Sindicato dos Delegados de São Paulo defendeu a ação em Paulínia. 

LEIA 

"O Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo vem a público manifestar apoio aos delegados de polícia que conduziram a investigação e as buscas na casa de Marcos Claudio Lula da Silva, em Paulínia, interior de São Paulo. Os delegados de polícia agiram respaldados pela mais absoluta legalidade, na essência de suas atribuições legais, de forma competente e no mais perfeito compromisso com o Estado Democrático de Direito.

Em relação ao afastamento do delegado de polícia, conforme anunciado em nota à imprensa pela Secretaria de Segurança Pública, o Sindpesp manifesta irrestrita defesa às prerrogativas dos delegados de polícia e veemente repúdio a qualquer tentativa ou ato de ingerência política no que diz respeito ao seu trabalho nas investigações do caso.

Foto: Correio Imagem/Arquivo

Comentar