“Não há previsão de data para análise”, diz TRE sobre recurso contra reprovação das contas eleitorais de Dixon (PP)

Da Redação
21/09/2017 22:09:50
“Não há previsão de data para análise”, diz TRE sobre recurso contra reprovação das contas eleitorais de Dixon (PP)

Ação do PRP de Paulínia só será julgada após decisão do TRE-SP

Juiz de Paulínia suspende ação por suposta captação ilícita de recursos financeiros, até o julgamento das contas pelo Tribunal Regional Eleitoral

O juiz eleitoral de Paulínia, Carlos Eduardo Mendes, decidiu, segunda-feira (18), suspender o andamento de uma representação eleitoral impetrada, no final de dezembro passado, pelo PRP (Partido Republicano Progressista) contra o então prefeito eleito Dixon Carvalho (PP).

O PRP aponta que Dixon (PP) captou ou gastou, de forma ilícita, recursos financeiros durante a campanha dele à Prefeitura de Paulínia, em 2016. O partido colocou a ação após a Justiça Eleitoral da cidade reprovar as contas do prefeito eleito, principalmente porque, segundo sentença da juíza Marta Brandão Pistelli, Dixon (PP) não teria esclarecido a origem de R$ 681 mil próprios que investiu na campanha.

Dixon (PP) recorreu ao TRE (Tribunal Regional Eleitoral) contra a sentença da magistrada. O recurso subiu para o tribunal em fevereiro último, onde aguarda julgamento. Diante da relação entre a ação do PRP e o processo das contas de Dixon (PP) o juiz Mendes decidiu: “[...] para se evitar decisões conflituosas, determino a suspensão do feito (a ação do PRP) ao menos até o julgamento (do recurso de Dixon contra a desaprovação de suas contas) pelo E. TRE, para que seja oportunizado o duplo grau de jurisdição”.

Sem Previsão
Nesta quinta-feira (21), a Seção de Contas Eleitorais (SCE) do TRE-SP informou ao Correio que “não há previsão de data” para análise técnica do recurso contra a reprovação das contas de Dixon (PP). “Está (o recurso) aqui, na sessão, sem previsão para ser analisado, pois temos aproximadamente 900 recursos aguardando”, afirmou a SCE. Ainda de acordo com a SCE, os recursos são analisados aleatoriamente, ou seja, sem obedecer nenhum tipo de ordem. “Após analisado, o recurso seguirá para o relator do processo”, finalizou a SCE.

Foto: TRE-SP

Comentar