“Não tem sentido manter um local com um custo tão alto”, diz secretário sobre “Lar dos Velhinhos”

Da Redação
20/08/2017 22:08:10
“Não tem sentido manter um local com um custo tão alto”, diz secretário sobre “Lar dos Velhinhos”

O Centro de Geriatria de Paulínia no centro de mudanças polêmicas, elaboradas pela administração municipal

Miranda confirmou que transferência de idosos para o HMP e instituições privadas faz parte do projeto de mudanças no Centro de Geriatria

O Secretário de Saúde de Paulínia, Cláudio Ernani Marcondes de Miranda, falou ao Correio sobre as mudanças que ocorrerão no Centro de Geriatria e Gerontologia de Paulínia, o antigo “Lar dos Velhinhos”. Miranda confirmou a transferência de idosos para uma enfermaria no Hospital Municipal de Paulínia (HMP) e, também, para instituições privadas, que serão escolhidas por meio de Chamamento Público, procedimento que dispensa processo licitatório para a Prefeitura contratar determinados serviços.

De acordo com o secretário, atualmente o Centro de Geriatria atende entre 50 e 60 idosos, em três situações diferentes. “Temos os idosos que passam o dia no Centro e à noite retornam às suas casas; temos aqueles que moram lá, mas são independentes, tanto que vão ao banco, passeiam; e, os acamados com sequelas graves, que precisam e recebem atendimento médico 24 horas”, explicou.

Projeto
O secretário de Saúde informou que o projeto de mudanças no antigo Lar dos Velhinhos está sendo desenvolvido pelas secretarias de Saúde, Governo e Assistência Social e, provavelmente, será implementado no ano que vem. “Não estamos com pressa. Não vamos atropelar nenhuma etapa do processo, por isso, ainda não há uma data definida para sua implementação”, afirmou.

Etapas
De acordo com o secretário, primeiro, o projeto será submetido à apreciação do Conselho Municipal do Idoso (CMI), depois será discutido com a população em Audiência Pública, e, por fim, a Prefeitura Municipal realizará Chamamento Público para contratar, por meio de convênio, instituições privadas interessadas em cuidar dos idosos que, atualmente, moram no Centro de Geriatria. “Faremos tudo com a maior transparência possível”, disse ele. 

CMI/Ministério Público
Miranda afirmou que, a pedido do Conselho Municipal do Idoso (CMI), o MP (Ministério Público) recomendou à Prefeitura Municipal providências para zerar a fila de idosos à espera de uma vaga permanente no Centro de Geriatria. “Estivemos pessoalmente com o doutor André (André Perche Lucke, promotor de justiça de Paulínia), que aprovou as nossas ideias para resolver o problema”, disse.

O secretário acredita que o Município terá que contratar mais de uma instituição privada para abrigar os idosos que precisam de moradia permanente. “Além dos idosos, entre 20 e 30, que moram hoje no Centro, aproximadamente 60 estão na fila de espera por vagas. Por isso, serão necessárias duas ou três entidades, cada uma com capacidade para receber entre 15 e 20 idosos. Vale lembrar que tudo será fiscalizado, rigorosamente, por órgãos oficiais da Prefeitura, como a Vigilância Sanitária, por exemplo”, detalhou.

Segundo ele, para atender os idosos que precisam de vagas permanentes, sem mudar o atual e tradicional modelo de atendimento, seria necessário construir uma segunda unidade do Centro de Geriatria. “E o município não tem verba para isso”, afirmou. Miranda garantiu ainda que todos os custos dos idosos que serão transferidos para entidades privadas serão pagos pela Prefeitura Municipal. “Eles não pagarão absolutamente nada. Tudo será custeado pelo Município”.   

Acamados
Uma enfermaria exclusiva no Hospital Municipal de Paulínia (HM) será preparada para receber aproximadamente 20 idosos, gravemente doentes, segundo o secretário de Saúde. “São idosos com sequelas graves, que tomam banho de leito e precisam de atendimento médico 24 horas. Hoje, quando esses idosos precisam fazer exames de ultrassonografia e raio-x eles são levados para o hospital, porque lá (no Centro de Geriatria) não tem. Portanto, estando hospital não haverá esse problema. Temos certeza que será melhor para eles”, explicou.

Creche Dia
Os idosos que apenas passam o dia no Centro de Geriatria continuarão sendo atendidos lá e também no Centro de Convivência da Melhor Idade. (CCMI), segundo o secretário. “O problema desses idosos não é de saúde, mas sim social, porque seus familiares trabalham e não querem deixá-los sozinhos durante o dia. por isso, eles ficam lá e depois voltam para suas casas”.  Para Miranda, a integração com o CCMI será fundamental para esses idosos desenvolverem diversas atividades diárias.

Custos atuais e equipe do Centro
O secretário de Saúde de Paulínia revelou que o custo mensal do Centro de Geriatria para o município gira em torno de R$ 1. 100.000,00 (um milhão e cem mil reais), o que dá uma média de R$ 20 mil por idoso. Segundo Miranda, hoje, uma instituição privada cobra entre R$ 3 mil e R$ 4 mil por mês, para abrigar um idoso. 

“Não tem sentido manter um local com um custo tão alto. Praticamente, estamos mantendo um segundo hospital, com plantão 24 horas, para atender quinze, vinte pessoas (os idosos acamados), ou seja, menos de um terço do total de idosos atendidos atualmente (no Centro de Geriatria). Transferindo esses idosos para o hospital vamos diminuir custos e também levar de volta para o hospital uma série de profissionais da saúde que, hoje, atuam no Centro de Geriatria”, argumentou. 

Miranda informou que entre médicos de diferentes especialidades, enfermeiros, técnicos de enfermagem e farmacêuticos, 122 profissionais da saúde trabalham atualmente no Centro de Geriatria. “Esses profissionais fazem falta no hospital, que está precisando de mais médicos e enfermeiras para atender a população em geral”, disse ele.

Novos serviços
Provavelmente, o Centro de Especialidades Médicas, que hoje funciona em um prédio locado pela Prefeitura, o Setor de Fisioterapia e o Cetreim (Centro de Terapia e Reabilitação Integrada Municipal) segundo o secretário, devem ser transferidos para o prédio do Centro de Geriatria, após a implantação das mudanças. “O prédio do Centro de Geriatria é muito bom, bem localizado, e, a transferência desses serviços para lá vai facilitar muito para a população”. 

CMS
Na conversa com o Correio, Miranda destacou que as mudanças no Centro de Geriatria foram aprovadas pelo Conselho Municipal de Saúde (CMS). Procurado por nossa reportagem, o presidente do CMS, Paulo Roberto Paes, comentou a declaração do secretário de Saúde de Paulínia.

Paes confirmou que a remoção dos idosos acamados para o HMP foi aprovada pelo CMS, mas em caráter provisório, até a conclusão de uma reforma que, segundo ele, o governo Dixon (PP) pretende realizar no prédio do Centro de Geriatria. Já sobre a contratação de Instituições de Longa Permanência para idosos, as chamadas ILPs, para abrigar os idosos que moram no Centro de Geriatria, ele também confirmou a aprovação pelo CMS, mas afirmou ser totalmente contra. 

“Antes mesmo do CMS apreciar e votar essa questão entrei no Ministério Público contra a terceirização para instituições de longa permanência e, consequentemente, o encerramento do Centro de Geriatria. Estou aguardando uma posição da promotoria. Já na decisão do CMS sobre isso, infelizmente, fui voto vencido. Mas, o secretário (de Saúde) me garantiu que não haverá encerramento do Centro de Geriatria”, disse Paes. 

Foto: Correio Imagem/Arquivo

Comentar