Anunciadas por Pavan (PSDB) em maio do ano passado, construção e reforma de UBSs com recursos estaduais só devem acontecer em...

Da Redação
03/06/2016 19:48:00
Anunciadas por Pavan (PSDB) em maio do ano passado, construção e reforma de UBSs com recursos estaduais só devem acontecer em 2017

SAÚDE Anunciadas por Pavan (PSDB) em maio do ano passado, construção e reforma de UBSs com recursos estaduais só devem acontecer em 2017

[imagem] Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, Paulínia demorou entregar documentos e as obras só serão licitadas entre o fim deste semestre e ano que vem

A construção de uma Unidade Básica de Saúde (UBS) no bairro Cooperlotes, bem como a reforma de outras três unidades – UBSs Monte Alegre, Centro e João Aranha – só devem ocorrer em 2017.  Anunciadas pelo prefeito José Pavan Junior (PSDB) em 2015, as obras serão realizadas com recursos estaduais, por meio de convênio da Prefeitura de Paulínia com o Governo do Estado, firmado dia 20 de maio do ano passado.


Passado um ano do anúncio, o Correio Paulinense procurou a Secretaria Estadual de Saúde para saber os motivos pelos quais as obras ainda não foram iniciadas. “Houve um atraso na entrega dos documentos por parte do município de Paulínia, portanto a licitação da nova obra (construção da UBS Cooperlotes) deve ocorrer no final deste segundo semestre e das demais (reformas das UBSs Monte Alegre, Centro e João Aranha), no próximo ano”, informou a secretaria estadual. O investimento do Estado nas obras em Paulínia está estimado em aproximadamente R$ 8,5 milhões. 

Das atuais oito Unidades Básicas de Saúde (UBSs) em funcionamento na cidade, apenas a "Amélia D. Quintal", no Jardim Amélia, foi reformada pela Prefeitura, com recursos próprios. As obras custaram cerca de 520 000, foram iniciadas no governo do ex-prefeito Edson Moura Junior (PMDB) e finalizadas pela atual gestão Pavan (PSDB), que entregou o prédio à população no início de agosto do ano passado. 

Na Câmara
O tema foi abordado pela vereadora e líder de governo Angela Duarte (PRTB) na última sessão legislativa, terça-feira (31), após o vereador Tiguila Paes (PPS) criticar a precariedade dos prédios da rede ambulatorial básica do município. Além disso, Tiguila (PPS) também questionou o remanejamento dos R$ 9,2 milhões reservados no orçamento deste ano para reforma e construção de UBSs na cidade. “Para onde foi esse dinheiro?”, perguntou o vereador.

De acordo com a vereadora Angela (PRTB), em função do convênio com o governo do Estado para construção e reforma de UBSs em Paulínia, o prefeito José Pavan Junior (PSDB) teria utilizado os recursos municipais, reservados para os mesmos fins, em compra de materiais, remédios e equipamentos que estavam faltando na rede de saúde da cidade. “A lei permite esse reenquadramento”, argumentou a líder de governo, na sessão.

Outro lado
Procurado pelo Correio, o vereador Tiguila Paes (PPS) comentou a informação da Secretaria Estadual de Saúde. “Pois é, acho isso um absurdo, um descaso com a população. O governo municipal demora para entregar documentos ao Estado, usa o dinheiro do município que a Câmara aprovou para atender especificamente essa importante demanda (reforma e construção de UBSs) da nossa saúde e, agora, sabe-se lá quando essas obras serão concretizadas, em benefício da população usuária da rede”, disse ele. 

O vereador comentou também  o uso dos recursos municipais para as UBSs em compra de materiais, equipamentos e remédios que estavam faltando na rede. “Isso não é desculpa, pois a Câmara também aprovou dotações específicas para isso, a não ser que também tenham sido remanejadas para outros fins”, disse ele.

Procuramos também a vereadora Angela Duarte (PRTB), mas até a publicação desta matéria ela não retornou nossas ligações e nem respondeu mensagem no WhatsApp. Por conta do feriado do Padroeiro de Paulínia, Sagrado Coração de Jesus, não conseguimos contato com a Prefeitura da cidade. 

Foto: Internet/Reprodução

Comentar