Fiorella (PSB) também emite Nota, esclarecendo a quantia que, supostamente, teria recebido da Odebrecht em 2012

Da Redação
23/03/2016 22:05:00
Fiorella (PSB) também emite Nota, esclarecendo a quantia que, supostamente, teria recebido da Odebrecht em 2012

[imagem] “Quem recebeu as doções foi o partido (o PP) e fez o repasse através do Comitê Financeiro”, afirma o vereador, hoje, do PSB


Reeleito vereador pelo PP (Partido Progressista ) em 2012, o vereador e atual vice-presidente da Câmara Municipal de Paulínia, Marcos Roberto Bolonhezi, o Marquinho Fiorella, hoje no PSB,  também disparou Nota à Imprensa, sobre a lista da Odebrecht de supostos repasses financeiros a mais de 200 políticos, de pelo menos 18 partidos. Na lista divulgada ontem (22) aparecem políticos da cidade como supostos beneficiários da empresa investigada pela Lava Jato, entre eles, um vereador do PP identificado como “Paulinho” Fiorella, que teria recebido R$ 50 mil.

Agora há pouco, Fiorella (PSB) enviou ao Correio a seguinte Nota: 

“Quero deixar aqui uma nota de esclarecimento, diante da onda de boatos e especulações apresentadas.

Concorri ao pleito para vereador nas eleições de 2012 pelo PP - Partido Progressista. Tive minhas contas de campanha devidamente aprovadas no TRE/SP. Todos os doadores estão nela identificados. Foi o partido que recebeu as doações e fez o repasse através do Comitê Financeiro”. Obrigado. Vereador Marquinhos Fiorella

Entenda o caso

A 23a fase da Operação Lava Jato, batizada de “Acarajé” pela Polícia Federal (PF), identificou mais de 200 políticos, de 18 partidos, que teriam recebido dinheiro da Construtora Odebrecht, a maior do país, apontada como uma das principais distribuidoras de propinas no esquema de corrupção da Petrobras. A lista com os nomes dos políticos, supostamente beneficiados pelo esquema, estava com Benedicto Barbosa Silva Júnior, presidente da Odebrecht Infraestrutura. O documento foi apreendido pela PF em fevereiro passado, mas só divulgado ontem (22).

Entre os políticos listados, estão vários políticos da Região Metropolitana de Campinas (RMC), incluindo o prefeito de Campinas, Jonas Donizeti,  o ex-prefeito de Paulínia Edson Moura (PMDB), o atual prefeito da cidade José Pavan Junior (PSB), além dos vereadores paulinenses Marcos Roberto de Bernarde, o Marquinho da Bola, e Custódio Campos (PT). Na lista aparece também um vereador identificado como “Paulinho” Fiorella, do PP, que, supostamente seria Marcos Roberto Bolonhezi, o Marquinho Fiorella (PSB), atual vice-presidente da Câmara Municipal.

Os valores supostamente repassados aos políticos de Paulínia, pela Odebrecht, seriam esses: Edson Moura: R$ 400 mil; Pavan: 100 mil, Marquinho da Bola: R$ 50 mil. Já o nome do vereador Custódio Campos aparece sem valor especificado.

No final da tarde de hoje (23), a assessoria de imprensa da Prefeitura de Paulínia, divulgou a seguinte Nota Oficial:

“José Pavan Junior, candidato a prefeito pelo PSB no pleito de 2012, teve sua prestação de contas de campanha devidamente registrada e aprovada sem ressalvas no TRE-SP. Todos os seus doadores estão ali identificados. Foi o partido que recebeu a doação da Brasken”.

A Braskem é uma empresa do Grupo Odebrecht e que também está sendo investigada pela Operação Lava Jato. Estamos tentando contato com os demais citados, mas até o presente momento não conseguimos.

Com notícias do Portal Uol

Foto: Correio Imagem/Arquivo 

Comentar