ADEUS KELMA! Enquanto fogos “anunciam” um “governo incerto”, o Governo Certo anuncia “Vida Nova” para 593...

Da Redação
26/06/2013 05:20:00
ADEUS KELMA! Enquanto fogos “anunciam” um “governo incerto”, o Governo Certo anuncia “Vida Nova” para 593 famílias paulinenses, em dia histórico!

Bom dia meus amores. Ela sobreviveu a doze paradas cardíacas, estava pronta para ganhar um novo coração a qualquer momento, mas acabou partindo em decorrência de um acidente de trânsito na manhã de ontem. Ai meu Deus! A amadíssima Kelma Freiria, 38 anos, mãe de três filhos e filha dos meus amados amigos Luizão e Terezinha Freiria será sepultada logo mais às 10hs de hoje.  À queridíssima família Freiria os meus mais sinceros sentimentos e que NOSSO MISERICORDIOSO SENHOR JESUS CRISTO receba Kelma de braços abertos e conforte os corações de Luizão e Terezinha, das irmãs Aline e Neila e dos filhos. “Deus esteja contigo, Kelma”. Temos que seguir..

Enquanto uns choram, outros riem. Rojões “anunciaram” que o Acórdão (sentença de colegiado) oficializando Edson Moura Junior (PMDB) como o novo Prefeito de Paulínia será publicado ainda esta semana.  Em tese, isso significa que o “prefeito de direito”, pois o “de fato” será o pai, pode  assumir a Prefeitura nos próximos dias. Publicada a sentença, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) comunica ao TRE (Tribunal Regional Eleitoral) de São Paulo, que por sua vez, expede o mandado de cumprimento da decisão para a Justiça Eleitoral de Paulínia.  Principalmente quem espera  uma “boquinha” no provável novo governo já está se sentindo “diplomado e empossado”. 

Mas a única pedra no caminho de Moura pai e Moura filho rumo a Prefeitura não é a demora da publicação do Acórdão. Para tornaram-se os novos “prefeitos de fato e de direito” da city, ambos ainda terão que vencer dois obstáculos nada fáceis. 1 - Que a condenação do Vice Bonavita no TCE (Tribunal de Contas do Estado) realmente não impeça “posses e diplomações”. 2 - Que o pai não acabe condenando em primeira instância (Paulínia) o próprio filho e o Vice Bonavita por compra de voto (captação ilícita de sufrágio).  Pensando friamente, dois grandes desafios. 

Se as coisas em Brasília deram um “passito” pra frente, tive informações que por aqui também.  Ao que tudo indica a publicação do Acórdão do TSE e a sentença do processo por compra de votos podem acontecer praticamente juntas, isso se ambas estiverem mesmo certas para esta semana. É bom esclarecer que Moura pai, Moura Junior e Bonavita foram acusados de comprar votos nas Eleições 2012 pelo Ministério Publico Eleitoral e processados pela Justiça Eleitoral de Paulínia, não por qualquer adversário político. Mais uma vez esbarramos nas certezas de alguns e incertezas de outros. Portanto, prudência (de todos os lados) e canja de galinha não fazem mal a ninguém.  Certo?

Indiferente ao desespero do ex-prefeito Edson Moura (PMDB) para assumir a “cadeira”, o prefeito José Pavan Junior (PSB) foi a estrela principal da primeira entrega de casas populares na city, após doze anos. Depois de todo esse tempo, 593 famílias paulinenses acordaram hoje com o sonho da casa própria realizado. O Theatro Municipal “Paulo Gracindo” ficou pequeno para tanta emoção. Também não é pra menos. Moura governou a city de 2001 a 2008 (oito anos) e não construiu nem uma casa de sardinha. 

Pavan, de 2009 a 2012 (quatro anos), quis construir, mas como Moura deixou a city com o nome sujo na praça, ele teve primeiro que parcelar as dívidas para obter a CND (Certidão Negativa de Debito) do Município e finalmente firmar convênio com o Governo Federal para a construção do Residencial Vida Nova, através do programa “Minha Casa Minha Vida”.  

Depois de limpar o nome de Paulínia e conseguir a construção das 593 casas do “Vida Nova”,  o espirituoso ainda teve que enfrentar questionamentos na Justiça (adivinhem de quem) sobre a infraestrutura do residencial, o que acabou prejudicando a entrega das casas dentro do prazo, inicialmente previsto.  Tudo bem, pois o importante é que quase 600 famílias paulinenses estão em festa, muita festa.

Com os cotovelos doloridos mais do que coração de corno de primeira viagem, muitas almas sebosas e miolos de pote (politicamente falando) apelam que Paulínia não entrou com nada no Residencial Vida Nova. Como não? Quem doou o terreno onde as casas foram construídas? Quem bancou a infraestrutura do local? Alguém consegue construir uma casa sem ter o terreno? Pois é, um governo (Moura) que em oito anos teve milhões para construir casas e não construiu uma sequer tem alguma moral para falar uma vírgula do governo (Pavan) que viabilizou a construção de 593? Tem? Sejam sinceros. Em instantes você confere uma matéria especial sobre o dia histórico na Habitação da City.    

A oposição torcia tanto para o “Vida Nova” fracassar, que Zé Coco (PTB) debochou várias vezes na Câmara dizendo que as casas nem cobertas estavam. Quando ouvia o vereador afirmando isso, me lembrava da foto panorâmica do Residencial, mostrando justamente o contrário. Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh se eu sou vereador!

Por falar no petebista, Zé Coco reconhecerá a “paulinidade” do cearense Bonavita com o titulo de Cidadão Paulinense. Homenagem mais do que merecida, pois foi aqui que o ex-cobrador da Viação Bonavita construiu a sua família e uma história política (cinco vezes vereador) que merece respeito. Só não foi mais longe porque não confiou em seu próprio taco, preferindo voltar a viver na sombra de uma pessoa nada confiável, politicamente falando. Porém, independente de qualquer coisa, como jornalista registrarei a concessão do merecido título.

Pra terminar, me enoja a facilidade com que muitas pessoas estão dizendo “eu te amo”, politicamente falando, no Facebook. Nossa Senhora! Peçonhentas manjadíssimas “amam de paixão” quem grita “Yes, seus cargos estão garantidos”. Ecaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!!! Misericórdia. Quem não ama nem a si próprio pode amar alguém? Ah, da licença! E o pior é que quem ouve a “declaração de amor” finge que acredita. Ai, ai!!!

Por hoje, é só. Meus amores, muitos beijos, abraços e proteção de NOSSO SALVADOR. Sexta-feira estarei de volta. Au revoir! 

Comentar