Edilsinho (PSDB) é levado à delegacia, suspeito de compra de votos; duas mulheres também foram detidas pela Guarda Municipal

Da Redação
05/10/2015 12:03:00
Edilsinho (PSDB) é levado à delegacia, suspeito de compra de votos; duas mulheres também foram detidas pela Guarda Municipal

[imagem] Na tarde de ontem (04), o vereador Edilsinho Rodrigues (PSDB) foi conduzido à delegacia de Polícia Civil pela Guarda Municipal, suspeito de compra de votos, durante a eleição para o Conselho Tutelar de Paulínia. Além dele, Edivania Cassia de Oliveira Abreu e Sandra de Fátima Silva Abreu também foram parar no plantão policial, sob a mesma acusação.


Segundo o boletim de ocorrência, a denúncia da suposta compra de votos foi feita ao promotor eleitoral André Perche Luck, que foi até o local e acionou a GM. O vereador e as duas mulheres estavam em uma residência, localizada na Rua Fioravante Moretti, bem próxima à EMEFM Maestro Marcelino Pietrobom, onde aconteceu a votação para o Conselho Tutelar da cidade.

Na delegacia, o vereador e Sandra Abreu negaram a compra de votos e informaram que haviam chegado na residência minutos antes da GM. Segundo apuramos, Edilsinho (PSDB) apoiou a candidata Daniele Barreto, eleita em terceiro lugar com 1.087 votos. Já Edivania Abreu foi questionada pela polícia sobre um notebook encontrado com ela. “A averiguada alegou que estava apenas emprestando o computador para alguns amigos consultarem os números dos seus títulos eleitoras, mas há suspeitas que ela estaria cadastrando eleitores, por motivos que ainda serão apurados”, explicou o delegado Marco Evangelista, titular da Polícia Civil de Paulínia.

Após ser ouvido, o trio foi liberado. O notebook encontrado com Edivania foi apreendido pela polícia e será periciado. “Diligências vão apurar compra de votos e aliciamento de eleitores. Depois, enviaremos o resultado do inquérito ao Ministério Público Eleitoral (MPE), que tomará as devidas providências, caso fique comprovado algum crime”, disse o delegado. 

Nossa reportagem tentou falar com o vereador Edilsinho Rodrigues (PSDB), mas ele não retornou as nossas ligações. Não conseguimos contato com Edivania e Sandra Abreu. 

Foto: Arquivo/CP Imagem

Comentar