Novo Presidente terá R$ 22,2 milhões para administrar a Câmara 2015; o dinheiro será usado em obras,...

Da Redação
03/01/2015 16:59:00
Novo Presidente terá R$ 22,2 milhões para administrar a Câmara 2015; o dinheiro será usado em obras, manutenção e folha de pagamento da Casa

[imagem] Eleito em 15 de dezembro para o biênio (2015/2016) presidencial da Câmara Municipal de Paulínia, o novato Sandro Caprino (PRB) tem um grande desafio pela frente: administrar um caixa de R$ 22.200.000,00 (vinte e dois milhões e duzentos mil reais), o orçamento da Casa para este ano. O dinheiro é repassado pela Prefeitura para as despesas da Câmara com pessoal, encargos, manutenção, serviços, alimentação, vencimentos dos vereadores, entre outras despesas fixas e variáveis.


Caprino (PRB) chegou à Presidência do Legislativo Municipal apoiado pelo ex-prefeito Edson Moura (PMDB), a quem ele costuma chamar de seu “líder político” e também o atual Edson Moura Junior (PMDB), de quem o vereador foi líder na Câmara até 31 de dezembro. Os dois primeiros anos do mandato de Caprino (PRB) foram marcados por muitas polêmicas e a expectativa em torno de sua gestão na presidência da Câmara é muito grande. 

Nesta segunda-feira, dia 5, o Presidente deverá apresentar a sua equipe de trabalho, incluindo o próximo diretor geral da Câmara, cargo que provavelmente será ocupado por David Rodrigues, amigo e homem de confiança de Caprino (PRB).  O vereador Zé Coco (PTB) deve assumir a função de novo líder do governo Moura Junior (PMDB). 

Histórico

Caprino (PRB) não é o primeiro vereador estreante a assumir a Presidência do Legislativo Municipal, com o apoio do ex-prefeito Edson Moura. Simone Moura (PMDB), prima de Moura, também presidiu a Câmara de Paulínia entre os anos de 2005 e 2006, logo após ser eleita pela primeira vez, em 2004. 

Em 2008, Simone foi eleita vice-prefeita na chapa de José Pavan Junior (PSB), com quem acabou rompendo politicamente e ficou quase o mandato inteiro recebendo sem trabalhar. Em 2012 tentou voltar para a Câmara, mas além de obter apenas pouco mais de 200 votos, ainda foi impugnada pela Justiça Eleitoral, por ter sido condenada pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), que encontrou diversas irregularidades nas contas da Câmara, no período em que ela foi presidente. Hoje, Simone ocupa o cargo de Assessora Especial no governo do primo, em segundo grau, Edson Moura Junior. 

Fotos: Reprodução/Internet

Comentar