EDIÇÃO EXTRA! Gargalhaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaadas!!! Gargalhaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaadas!!!

Da Redação
31/05/2013 23:13:00
EDIÇÃO EXTRA! Gargalhaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaadas!!! Gargalhaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaadas!!!

Boa nooooooooooooooooooite, meus amooooores! Que frio da gota serena é este gente? Pela mãe do guaaaaaaaaaaaaaaaaaaarda. Misericórdia! Dois moletons, dois cobertores, mesmo assim tremendo feito vara verde (gargalhaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaadas).  Mas, nada que impeça uma tricotada rápida com vocês, para depois  voltar correndo para o sofá e apertar o play do eletrizante “Sem Saída”.

Se amar ou odiar platonicamente (sem ser correspondido) já e difícil para uma pessoa normal, imaginem então para quem tem algum tipo de patologia crônica, como a dependência química, por exemplo. Deve ser horrível. Revoltado porque mesmo tentando desesperadamente atrair a atenção da pessoa que ama ou odeia, ela nem toma conhecimento da sua existência, o indivíduo se afoga em garrafas de pitu, cheira umas dez carreiras de farinha de trigo “batizada” e pira total. Tadinho

Assim como qualquer droga (licita ou ilícita), a indiferença também corrói o cérebro do caboclo. Uma pessoa com cérebro corroído, por uma coisa ou por outra, precisa de tratamento e não que alimentemos as suas alucinações. Mania de perseguição, complexo de inferioridade e até mesmo um desejo profundo de ser a pessoa que ama ou odeia platonicamente, justamente por ela estar tão distante dele, são sintomas que identificam precisamente esse tipo de doente. 

Alimentar a loucura de uma pessoa com este tipo de enfermidade ou minimizar um pouco a indiferença em relação a ela, não resolve o problema. Isso é caso médico. E como não sou médico, só posso dizer ‘SINTO MUITO” (gargalhaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa  aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaadas).

Uma noite maravilhosa para todos nós, meus amores. Domingo tem um artigo imperdível. Até lá. Beijos, abraços e fiquem com Deus!

Comentar