Sem condições nenhuma de atender a população, corpo clínico do hospital não ver outra saída, apurou...

Da Redação
26/11/2014 20:37:00
Sem condições nenhuma de atender a população, corpo clínico do hospital não ver outra saída, apurou o CP Online

[imagem] O corpo clínico e a direção do Hospital Municipal de Paulínia (HMP) fizeram uma reunião de emergência na manhã de hoje (26). Em pauta, a crise provocada pela falta de medicamentos e materiais básicos de trabalho no HMP, Pronto Socorro e Unidades Básicas de Saúde (UBS), para atender a população.  Além dos médicos, do diretor geral Gilson Barreto e da diretora administrativa do HMP, Aline Anderle, a reunião teve a participação de Simone Moura, prima e assessora especial do prefeito Edson Moura Junior (PMDB), apontada para assumir o comando da Secretaria Municipal de Saúde. 


Na reunião, os médicos decidiram que vão paralisar o atendimento à população, caso a administração Moura Junior (PMDB) não resolva o problema até a próxima quarta-feira, dia 3. O Correio Paulinense Online apurou que, após o encontro com os médicos, a diretora Aline e a assessora Simone foram despachar com o prefeito, na casa dele do Barão de Café, no Distrito de Barão Geraldo, e voltaram de lá com a notícia da exoneração do diretor geral do hospital, Gilson Barreto, que cobra soluções para a crise na saúde.

Durante a inauguração parcial do novo Hospital de Paulínia, quarta-feira (19),  Barreto disse que um hospital não se faz apenas com o prédio, mas sim com medicamentos e condições de trabalho para os profissionais atenderem a população.  A parte inaugurada pelo prefeito Moura Junior (PMDB) foi fechada no dia seguinte, por ainda não ter condições de atendimento e só deve funcionar a partir de março de 2015. Procurada por nossa reportagem, a assessoria de imprensa da prefeitura disse não ter informações sobre a exoneração do diretor geral. Também tentamos ouvir o médico Barreto, mas não conseguimos o seu contato.

Secretaria

Sem titular há mais de 90 (noventa dias), a Secretaria Municipal de Saúde pode ser assumida pela assessora especial do prefeito, Simone Moura. Segundo informações, Moura Junior (PMDB) estaria com dificuldades de nomear um novo secretário, porque todos os nomes convidados por ele, até agora, teriam recusado o cargo. 

“O prefeito não tem outra alternativa. A Simone é prima dele, já está mandando e desmandando no hospital e aceitaria o cargo, facilmente”, disse uma fonte. Simone Moura não é da área médica, foi vereadora, presidente da Câmara e vice-prefeita da cidade, na gestão José Pavan Junior (PSB). Nas eleições de 2012, Simone tentou voltar à Câmara, mas além de ter recebido pouco mais de 200 votos, insuficientes para eleger-se, acabou enquadrada na Lei da Ficha Limpa e teve os votos anulados pela Justiça Eleitoral. 

Foto: Reprodução/Internet

Comentar