Tiguila (PRTB) acusa Danilo Garcia e Custódio (PT) diz que “não deu carta branca” para Moura Junior (PMDB) “fazer...

Da Redação
26/11/2014 18:22:00
Tiguila (PRTB) acusa Danilo Garcia e Custódio (PT) diz que “não deu carta branca” para Moura Junior (PMDB) “fazer lambanças”

[imagem] Com ausência do vereador Sandro Caprino (PRB), líder do governo Moura Junior (PMDB), a sessão legislativa de ontem (25) foi marcada pelas discussões sobre o sorteio, entrega e ocupação do 3º módulo do Residencial Pazetti, no bairro Saltinho, entre os dias 16 e 19. Em resumo, situação e oposição concordaram que o desfecho do caso foi desastroso. 


O vereador Tiguila Paes (PRTB) disparou contra o secretário de Habitação Danilo Garcia. “Não concordo e não aceito as lambanças feitas por este secretário”, disse o vereador. Para Tiguila (PRTB), atitudes de Garcia teriam provocado os tristes e lamentáveis episódios que marcaram a entrega das casas do 3º módulo do Pazetti, à moradores do Acampamento Menezes. Além disso, o vereador acusou Garcia de ter “dado” uma casa do Pazetti à R. E. J., que não residia no Acampamento Menezes e em nenhuma outra área em condições de vulnerabilidade social. 

O vereador relata que a mulher foi uma das sorteadas, em junho do ano passado, para concorrer ao Residencial Vida Nova, mas acabou sendo desclassificada pela Caixa Econômica Federal. Ela teria recorrido da desclassificação, mas continuou fora da lista de contemplados divulgada pela Secretaria de Habitação, após a revisão feita pela Caixa Econômica Federal. Ela, então, procurou a Caixa e lá teria sido informada que estava apta, sim, à participar do sorteio do Vida Nova, realizado no último dia 15. 

No dia 13, a mulher dirigiu-se à Habitação, onde o secretário Danilo Garcia teria dito para ela ficar tranquila que ele lhe “daria” uma das casas do 3º Módulo do Pazetti. No dia seguinte (14), a Prefeitura divulgou a lista das 179 pessoas pré-selecionadas para concorreram às casas do 3º módulo do Pazetti, dentre elas, R. E. J. No dia 16, as unidades foram sorteadas no Acampamento Menezes e ela foi uma das 154 pessoas contempladas. 

Além do caso citado pelo vereador Tiguila Paes (PRTB), existem várias outras denúncias sobre pessoas que não preenchiam os requisitos exigidos pelo “Programa Especial Prioritário de Habitação”, mas que teriam sido, supostamente, favorecidas com as casas que deveriam atender famílias  moradoras em áreas invadidas, conforme promessa da própria administração municipal.

Por telefone, tentamos falar sobre o assunto com o Secretário Danilo Garcia, mas fomos informados pela secretária que ele estava em reunião e não poderia nos atender. Então, enviamos uma mensagem no e-mail pessoal de Garcia, mas até a publicação desta matéria ele não havia respondido.

Já o discurso de Custódio Campos (PT) foi voltado contra o prefeito Edson Moura Junior (PMDB), embora o petista tenha sido um dos 7 (sete) vereadores que aprovaram o Projeto de Lei 37/14, o “PL do Menezes”, de autoria do prefeito. “Votei a favor e votaria de novo, pois considero que a minha decisão foi acerta. Porém, a Câmara não deu carta branca ao prefeito para ele fazer as lambanças que fez”, disparou o petista. A plateia da sessão reagiu com vaias à justificativa do vereador. 

Quando votou favorável ao “PL do Menezes”, dia 2 de setembro, Custódio (PT) disse que estava seguindo a orientação do partido e também foi muito vaiado pelo público, justamente porque havia prometido à moradores do Pazetti que seria contra a proposta. O vereador doutor João Mota, companheiro de bancada de Custódio, votou contra o PL, juntamente com os vereadores Danilo Barros (PC do B), Edilsinho Rodrigues (PPS), Angela Duarte (PRTB) e Fábio Valadão (PROS). Custódio defendeu a criação de uma CEI (Comissão Especial de Inquérito) ou uma Ação no Ministério Público, para apurar as responsabilidades do caos instalado na habitação municipal. 

Fotos: Claudia Arantes/CMP

Comentar